Mental health enrollment in primary care: An integrative literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14483

Keywords:

Primary health care; Matrix model; Mental health.

Abstract

Matricization appears as a new model to produce health, causing two or more teams to develop a pedagogical-therapeutic intervention proposal, in a shared construction method. The objective of this study is to know the evidences in the literature of the last 06 years regarding mental health enrollment in primary care, as well as its benefits and possible difficulties of implantation. This is a descriptive study, with a qualitative approach and an exploratory nature, of the Integrative Literature Review (RIL) type. The databases used were BDENF, LILACS and SCIELO. After applying the inclusion and exclusion criteria, of the 37 results in the electronic databases, a sample of 15 studies was obtained. From the analysis of the articles, two categories were identified, chosen by clusters of approximation of contexts and ideas: 1) benefits and results of the matrix model; 2) factors that interfere in the implementation of the matrix. It was found that most of the studies reported the contributions of the implementation of the matrix model in mental health. However, the lack of technical training, stigmata and prejudices, as well as the centralization and bureaucratization of services make it difficult to adhere to this strategy.

References

Almeida, D. R., Soares, J. N. C., Dias, M. G., Rocha, F. C., Andrade Neto, G. R. D., & Andrade, D. L. B. (2020). O cuidado aos portadores de sofrimento mental na atenção primária: uma prática interdisciplinar e multiprofissional. Revista Online de Pesquisa, 454-459, 2 (12).

Almeida, J. M. C. D. (2019). Política de saúde mental no Brasil: o que está em jogo nas mudanças em curso. Cadernos de Saúde Pública, 35, e00129519.

Almeida, L. P. V. G. D., & Ferraz, C. A. (2008). Políticas de formação de recursos humanos em saúde e enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(1), 31-35.

Belotti, M., & Lavrador, M. C. C. (2016). A prática do apoio matricial e os seus efeitos na Atenção Primária à Saúde/The practice of matrix support and its effects on primary health care. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 24(2), 373-378.

Campos, D. B., Bezerra, I. C., & Jorge, M. S. B. (2018). Tecnologias do cuidado em saúde mental: práticas e processos da Atenção Primária. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(5), 2101-2108.

Campos, F. E., Ferreira, J. R., Feuerwerker, L., de Sena, R. R., Campos, J. J. B., Cordeiro, H., & Cordoni Jr, L. (2001). Caminhos para aproximar a formação de profissionais de saúde das necessidades da atenção básica. Revista Brasileira de Educação Médica, 25(2), 53-59.

Carvalho, Y. M., & Ceccim, R. B. (2006). Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. Tratado de saúde coletiva, (2a ed.) 149-82, 137-170.

Dantas, N. F., & Passos, I. C. F. (2018). El apoyo de matriz en salud mental en el sistema único de salud de belo horizonte: perspectiva de los trabajadores. Trabalho, Educação e Saúde, 16(1), 201-220.

Faro, A., Bahiano, M. D. A., Nakano, T. D. C., Reis, C., Silva, B. F. P. D., & Vitti, L. S. (2020). COVID-19 e saúde mental: a emergência do cuidado. Estudos de Psicologia (Campinas), 37.

Garcia, G. D. V., da Silva, I. F., Cavalcante, M., da Rocha Cervo, M., Zambenedetti, G., & Zanoti-Jeronymo, D. V. (2017). Apoio matricial na atenção à saúde mental em uma regional de saúde, Paraná, Brasil. Saúde e Pesquisa, 10(3), 423-432.

Godoi, L. P. D. S. (2020). Apoio matricial como ferramenta da articulação entre Atenção Básica e CAPS. Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo.

Iglesias, A., & Avellar, L. Z. (2016). As contribuições dos psicólogos para o matriciamento em saúde mental. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 364-379.

Klein, A. P., & d'Oliveira, A. F. P. L. (2017). O" cabo de força" da assistência: concepção e prática de psicólogos sobre o Apoio Matricial no Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cadernos de Saúde Pública, 33, e00158815.

Macedo, J. P., Abreu, M. M. D., Fontenele, M. G., & Dimenstein, M. (2017). A regionalização da saúde mental e os novos desafios da Reforma Psiquiátrica brasileira. Saúde e Sociedade, 26, 155-170.

Marin, M. J. S., Lima, E. F. G., Paviotti, A. B., Matsuyama, D. T., Silva, L. K. D. D., Gonzalez, C., & Ilias, M. (2010). Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Revista brasileira de educação médica, 34(1), 13-20.

Ministério da Saúde (BR) (1997). Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Brazilian-DF, p. 36, 1997. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd09_16.pdf.

Ministério da Saúde (BR) (2011). Guia prático de matriciamento em saúde mental. Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva. Brazilian-DF. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf.

Santos, L. C. D., Domingos, T. D. S., Braga, E. M., & Spiri, W. C. (2020). Saúde mental na atenção básica: experiência de matriciamento na área rural. Revista Brasileira de Enfermagem, 73(10), 1-5.

Silva, F. C. (2017). Implantação do matriciamento em saúde mental na atenção básica do município de Toritama-PE. Escola do Governo de Saúde de Pernanbuco,1-10.

Souza, M. D., Silva, M. D., & Carvalho, R. D. (2010). Integrative review: what is it? How to do it? Einstein, 8 (1), 102-106.

Treichel, C. A. D. S., Campos, R. T. O., & Campos, G. W. D. S. (2019). Impasses e desafios para consolidação e efetividade do apoio matricial em saúde mental no Brasil. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 23, e180617.

Vasconcelos, M. S., & Barbosa, V. F. B. (2019). Conhecimento de gestores e profissionais da rede de atenção psicossocial sobre matriciamento em saúde mental. Cienc Cuid Saude, 18(4), e43922.

Published

06/05/2021

How to Cite

GOUVEIA, A. O. de; PAES, C. L. de A. .; SANTOS , V. R. C. dos .; FERREIRA , I. P. Mental health enrollment in primary care: An integrative literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 5, p. e26610514483, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i5.14483. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14483. Acesso em: 30 jan. 2023.

Issue

Section

Health Sciences