Leisure physical inactivity and common mental disorders in Primary Health Care workers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14690

Keywords:

Mental disorders; Physical activity; Leisure activities; Health workers; Primary health care.

Abstract

Objective: To assess the association between leisure-time physical inactivity (IFL) and common mental disorders (CMD) among Primary Health Care (PHC) workers. Methods: Cross-sectional study, carried out with a random sample of 2,136 PHC workers from municipalities in the state of Bahia. The data collection questionnaire included sociodemographic and occupational characteristics, lifestyle and the Self-Reporting Questionnaire. Multivariate analysis was performed using Poisson Regression with robust variance. Results: Prevalences of 22.6% for CMD and 48.2% for IFL were identified. In the bivariate analysis, there was a higher prevalence of CMD in those with IFL (p <0.001), female gender (p = 0.015), lower level of education (p = 0.001) and income (p <0.001), in Community Health Agents (p <0.001), with a working time of five years or more (p = 0.040) and sedentary behavior at leisure (watching TV and / or listening to the radio) (p = 0.025). There was an increase in the prevalence of CMD among those with IFL (53%), with time spent in the unit greater than or equal to five years (20%) and whose activities in their leisure time were watching TV and listening to the radio (30%). In the multiple analysis, the association between IFL and CMD remained significant (PR: 1.36; 95% CI: 1.11-1.65), adjusting for the confounding variables. Conclusion: IFL is an important determinant of the occurrence of CMD among PHC workers, influenced by the characteristics of the organization and work process and other leisure life habits in this relationship.

References

Adamoli, A. N., & Azevedo, M. R. (2009). Padrões de atividade física de pessoas com transtornos mentais e de comportamento. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 243-251.

Alcântara, M. A., & Assunção, A. A. (2016). Influência da organização do trabalho sobre a prevalência de transtornos mentais comuns dos agentes comunitários de saúde de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 41, e2.

Alves, A. P, Pedrosa, L. A. K, Coimbra, M. A. R, Miranzi, M. A. S, Hass, V.J (2015). Prevalência de transtornos mentais comuns entre profissionais de saúde. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, 23 (1), 64-9.

Anselmi, L., Barros, F. C., Minten, G. C., Gigante, D. P., Horta, B. L., &Victora, C. G. (2008). Prevalência e determinantes precoces dos transtornos mentais comuns na coorte de nascimentos de 1982, Pelotas, RS. Revista de Saúde Pública, 42(Suppl. 2), 26-33.

Araújo, T. M de, Mattos, A.I. S, Almeida, M. M de G, Santos, K.O.B. (2016). Aspectos psicossociais do trabalho e transtornos mentais comuns entre trabalhadores da saúde: contribuições da análise de modelos combinados. Revista Brasileira de Epidemiologia, 19(3), 645-657.

Araújo, T. M de; Rotenberg, L. (2011). Relações de gênero no trabalho em saúde: a divisão sexual do trabalho e a saúde dos trabalhadores. In: Assunção AA, Brito J, organizadores. Trabalhar na Saúde: experiências cotidianas e desafios para a gestão do trabalho e do emprego. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro, 131-150.

Braga, L. C., Carvalho, L. R., & Binder, M. C. P. (2010). Condições de trabalho e transtornos mentais comuns em trabalhadores da rede básica de saúde de Botucatu (SP). Ciência & Saúde Coletiva, 15(Suppl. 1), 1585-1596.

Carvalho, D. B., Araújo, T. M., & Bernardes, K. O. (2016). Transtornos mentais comuns em trabalhadores da Atenção Básica à Saúde. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 41, e17.

Cheng, W. J., &Cheng, Y. (2017). Minor mental disorders in Taiwanese healthcare workersandtheassociationswithpsychosocialworkconditions. JournaloftheFormosan Medical Association = Taiwan yizhi, 116(4), 300–305.

Cherubal, A. G., Suhavana, B., Padmavati, R., &Raghavan, V. (2019). Physicalactivityand mental health in India: A narrative review. The Internationaljournalof social psychiatry, 65(7-8), 656–667.

Godoy, R. F de. (2002). Benefícios do exercício físico sobre a área emocional. Movimento, Porto Alegre, 8 (2), 7–15.

Goldberg, D; Huxley, P. (1993) Common mental disorders: a bio-social model. London: Tavistock.

Helioterio, M. C., Lopes, F. Q. R. S., Sousa, C. C., Souza, F. O., Pinho, P. S., Sousa, F. N. F., & Araújo, T. M. (2020). Covid-19: Por que a proteção de trabalhadores e trabalhadoras da saúde é prioritária no combate à pandemia?.Trabalho, Educação e Saúde, 18(3), e00289121.

Hipólito, M. C. V., Masson, V. A., Monteiro, M. I., & Gutierrez, G. L. (2017). Qualityofworkinglife: assessment ofinterventionstudies. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(1), 189-197.

Iwuala, S. O., Sekoni, A. O., Olamoyegun, M. A., Akanbi, M. A., Sabir, A. A., &Ayankogbe, O. O. (2015). Self-reportedphysicalactivityamonghealthcareprofessionals in South-West Nigeria. Nigerianjournalofclinicalpractice, 18(6), 790–795.

Jonsdottir, I. H., Rödjer, L., Hadzibajramovic, E., Börjesson, M., &Ahlborg, G., Jr (2010). A prospectivestudyofleisure-time physicalactivityand mental health in Swedishhealthcareworkersand social insuranceofficers. Preventive medicine, 51(5), 373–377.

Li F. (2016). Physicalactivityandhealth in thepresenceofChina'seconomicgrowth: Meeting thepublichealthchallengesoftheagingpopulation. Journalofsportandhealthscience, 5(3), 258–269.

Lua, I., Almeida, M. M. M. G., Araújo, T. M., Soares, J. F. S., & Santos, K. O. B. (2018). Autoavaliação negativa da saúde em trabalhadoras de enfermagem da atenção básica. Trabalho, Educação e Saúde, 16(3), 1301-1319.

Lucchese, R., Sousa, K., Bonfin, S. P., Vera, I., & Santana, F. R. (2014). Prevalência de transtorno mental comum na atenção primária. Acta Paulista de Enfermagem, 27(3), 200-207.

Maissiat, G. S., Lautert, L., Pai, D. D., & Tavares, J. P. (2015). Contexto de trabalho, prazer e sofrimento na atenção básica em saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36(2), 42-49.

Masson, C. R., Dias-da-Costa, J. S., Olinto, M. T. A., Meneghel, S., Costa, C. C., Bairros, F., &Hallal, P. C. (2005). Prevalência de sedentarismo nas mulheres adultas da cidade de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 21(6), 1685-1695.

Meng, X., & D'Arcy, C. (2013). The Project e deffectofincreasingphysicalactivityonreducingtheprevalenceof common mental disordersamongCanadianmenandwomen: a nationalpopulation-basedcommunitystudy. Preventive medicine, 56(1), 59–63.

Mikkelsen, K., Stojanovska, L., Polenakovic, M., Bosevski, M., &Apostolopoulos, V. (2017). Exerciseand mental health. Maturitas, 106, 48–56.

Molina A. J. M., Sánchez S. C. S., Herreros L. M., Vizcarro S. D., & López P. C. (2017). Prevalencia de actividad física en profesionales de atención primaria de Cataluña. Medicina de Familia, 43(5), 352–357.

Moreira, I. J. B., Horta, J. A., Duro, L. N., Borges, D. T., Cristofari, A. B., Chaves, J., Bassani, D. C. H., Cerizolli, E. D., & Teixeira, R. M. (2016). Perfil sociodemográfico, ocupacional e avaliação das condições de saúde mental dos trabalhadores da Estratégia Saúde da Família em um município do Rio Grande do Sul, RS. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 11(38), 1–12.

Oliveira, M. M., &Pedraza, D. F. (2019). Contexto de trabalho e satisfação profissional de enfermeiros que atuam na Estratégia Saúde da Família. Saúde em Debate, 43(122), 765-779.

Parreira, B. D. M., Goulart, B. F., Haas, V. J., Silva, S. R., Monteiro, J. C. S., & Gomes-Sponholz, F. A. (2017). Transtorno mental comum e fatores associados: estudo com mulheres de uma área rural. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 51, e03225.

Rocha,S. V.(2016). Transtornos mentais comuns, inatividade física e comportamentos de lazer entre trabalhadores do setor saúde de municípios da Bahia.108 f. Tese (doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Desportos. Florianópolis, SC,108.

Rocha, S. V., Araújo, T. M., Almeida, M. M. G., & Virtuoso Júnior, J. S. (2012). Prática de atividade física no lazer e transtornos mentais comuns entre residentes de um município do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 15(4), 871-883.

Sanabria R. H. A., Tarqui M. C. B., Tarqui M. C. B., Portugal B. W., Pereyra Z. H., Mamani C. L., Dolores M. G., &Caceres M. A. (2014). Nivel de actividad física enlostrabajadores de una Dirección Regional de Salud de Lima, Perú. Revista de Salud Pública, 16(1), 53-62.

Santos, A. M. V. S., Lima, C. A., Messias, R. B., Costa, F. M., & Brito, M. F. S. F. (2017). Transtornos mentais comuns: prevalência e fatores associados entre agentes comunitários de saúde. Cadernos Saúde Coletiva, 25(2), 160-168.

Santos, F. F., Brito, M. F. S. F., Pinho, L., Cunha, F. O., Rodrigues Neto, J. F., Fonseca, A. D. G., & Silva, C. S. O. (2020). Common mental disorders in nursingtechniciansof a university hospital. Revista Brasileira de Enfermagem, 73(1).

Santos, G de B. V dos, Alves, M. C.G.P, Goldbaum, M, Cesar, C. L. G, Gianini, R. J. (2019). Prevalência de transtornos mentais comuns e fatores associados em moradores da área urbana de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 35(11).

Santos, K. O. B, et al. (2010) Avaliação de um instrumento de mensuração de morbidade psíquica: estudo de validação do Self-ReportingQuestionnaire (SRQ-20). Rev Baiana de Saúde Pública, Salvador, 37 (3), 544–560.

Senicato, C., Azevedo, R. C. S., & Barros, M. B. A. (2018). Transtorno mental comum em mulheres adultas: identificando os segmentos mais vulneráveis. Ciência & Saúde Coletiva, 23(8), 2543-2554.

Silva-Junior, J. S., & Fischer, F. M. (2015). Afastamento do trabalho por transtornos mentais e estressores psicossociais ocupacionais. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18(4), 735-744.

Simas, P. R. P, Pinto, I. C. de M. (2017). Trabalho em saúde: retrato dos agentes comunitários de saúde da região Nordeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 22(6), 1865-1876.

Skapinakis, P., Bellos, S., Koupidis, S., Grammatikopoulos, I., Theodorakis, P. N., &Mavreas, V. (2013). Prevalenceandsociodemographicassociationsof common mental disorders in a nationallyrepresentative sample ofthe general populationofGreece. BMC Psychiatry, 13, 163.

Souza, L. P. S., Barbosa, B. B., Silva, C. S. O., Souza, A. G., Ferreira, T. N., & Siqueira, L. G. (2017). Prevalência de transtornos mentais comuns em adultos no contexto da Atenção Primária à Saúde. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, (18), 59-66.

Souza, T. S., & Virgens, L. S. (2013). Saúde do trabalhador na Atenção Básica: interfaces e desafios. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 38(128), 292-301.

Souza N. J.M. (2018). Prevalência e fatores associados à prática do aconselhamento para a atividade física em profissionais de saúde [dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba.

Zhang, J., &Chaaban, J. (2013). The economiccostofphysicalinactivity in China. Preventive medicine, 56(1), 75–78.

Published

06/05/2021

How to Cite

LOPES, F. Q. R. de S. .; ROCHA, S. V. .; TEIXEIRA, J. R. B. .; CERQUEIRA, S. S. B. .; ARAÚJO, T. M. de . Leisure physical inactivity and common mental disorders in Primary Health Care workers. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 5, p. 26110514690, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i5.14690. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14690. Acesso em: 3 feb. 2023.

Issue

Section

Health Sciences