Characterization of “School of Waters”: literature review and perspectives for research

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.15321

Keywords:

School of waters; Rural education; Culture.

Abstract

The present study develops a reflection on the characterization of the School of Waters in the region of Mato Grosso do Sul and highlights the importance of systematizing discussions on pedagogical and management aspects of this context. The study is of a qualitative nature with characteristics of a literature review. Three databases were used: CAPES Thesis and Dissertations Catalog, CAPES Journals Portal and Scientific Electronic Library Online (SciELO), the discussions in this text presented are based on articles, dissertations and theses, with a time frame in the last few ten years (2010-2020). According to the searches, it can be seen that the community that lives on the banks of the rivers is influenced by changes in nature, in relation to river floods and droughts, which impact the routine of schools, while children in these regions are known to help their parents with work. In total, 6 studies were identified that investigated the context of the Schools of Waters in the pedagogical and administrative dimensions. In short, there was an increase in studies that deal with the theme, which points to the need to enhance research in order to provide improvements for the communities that live on the banks of rivers and their tributaries.

Author Biographies

Andreza Sumára Gomes dos Santos Roman, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Graduada em Educação Física (Licenciatura Plena) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN (2003), Pós-graduada Lato Sensu (Especialista) em Avaliação da Performance Humana pela Escola Superior de Educação Física da Universidade de Pernambuco-ESEF/UPE (2006), Pós-graduada em Docência do Ensino Superior pela Universidade Católica Don Bosco (UCDB), Pós-graduanda no curso de Especialização em Docência para Educação Profissional, Cientifica e Tecnológica, pelo Instituto Federal do Mato Grosso do Sul - Campus Corumbá/MS e Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) do mestrado em Educação do Campus Pantanal pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS-CPAN).

Deyvid Tenner de Souza Rizzo, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Graduação em Educação Física e Pedagogia com Mestrado em Educação e Doutorado em Educação Física. É professor adjunto do Curso de Educação Física na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) CPAN e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação - UFMS/CPAN (Nível Mestrado). Atualmente faz parte do quadro permanente do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (BASis). É líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Identidade e Formação de Educadores (GRIFE) e vice-líder no Grupo de Estudos e Pesquisas em Cultura Lúdica, Circo, Educação Física e Esportes (CLUCIEFE), com interesse em temas relacionados à Formação de professores(as)/educadores(as) em espaços escolares e não escolares; Educação Física, identidade e diversidade; Esporte e inclusão social.

Rogerio Zaim-de-Melo, Universidade Federal do Mato Grosso Sul

Licenciado em Educação Física pela UNESP, Rio Claro (1997), Mestre em Educação Física pela USP (2003) e Doutor em Ciências Humanas, Educação pela PUC-Rio (2017). É docente do curso de Educação Física da Universidade Federal do Mato Grosso Sul (UFMS) - Câmpus do Pantanal, desde agosto de 2010. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Cultura Lúdica, Circo, Educação Física e Esporte (CLUCIEFE). Coordena o Grupo de Atividades Circenses Los Pantaneiros. Concentra suas pesquisas nas relações entre o Circo e Educação Física, e a Cultura Lúdica e Educação Física

Marcos Garcia Neira, Universidade de São Paulo

É licenciado em Educação Física e Pedagogia com Mestrado e Doutorado em Educação, Pós-doutorado em Currículo e Educação Física e Livre-Docência em Metodologia do Ensino de Educação Física. Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, onde exerce a função de Diretor (2018-2022) e atua nos cursos de graduação e pós-graduação, orienta pesquisas em nível de iniciação científica, mestrado e doutorado, supervisiona pesquisas de pós-doutorado e coordena o Grupo de Pesquisas em Educação Física escolar (www.gpef.fe.usp.br). Investiga a prática pedagógica da Educação Física com apoio da FAPESP e do CNPq, do qual é Bolsista de Produtividade em Pesquisa.Tem experiência com os seguintes temas: Educação Física escolar, Currículo, Formação de professores e Teorias pós-críticas.

Jakellinny Gonçalves de Souza Rizzo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD, 2018) com bolsa Demanda Social/CAPES. Pós-graduação em Libras (FAVENI, 2021) e Educação Inclusiva com Ênfase em Deficiência Auditiva pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB, 2016). Graduação em Letras-Libras pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD, 2018). Foi docente na área de Educação Especial na Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS). Atualmente é professora no Curso de Letras Libras na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e pesquisadora no Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação com interesse em temas relacionados à educação especial, educação de surdos e ensino de Libras; formação de professores e sexualidade.

References

Abreu, C. M. M. (2018). A implantação das escolas ribeirinhas no pantanal corumbaense: um elemento e enfrentamento ao trabalho infantil. [Dissertação de Mestrado]. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Brasil. (2020). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 13 dez. 2020.

Brasil. (1990). Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente.

Caldart, R. S. (2011). Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: Arroyo, M. G.; Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo. (5a ed.), Vozes

Caleffi, P. (2008). Educação autóctone nos séculos XVI ao XVIII ou Américo Vespúcio tinha razão? In: Stephanou, M. e Bastos, MHC (Orgs). Histórias e memórias da educação no Brasil – vol.1: Séculos XVI – XVIII. Vozes, 32–43.

Cezar, E. H. A. (2009) O ensino médio estadual noturno: a consolidação da escola pública como “cortina de fumaça”. (ou a ciência não é para todos?). [Tese de doutorado]. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Goiás.

Corumbá. (2012). Prefeitura Municipal de Corumbá. Lei nº 2.263, de 24 de agosto de 2012. Aprovada pela Câmara Municipal de Corumbá. http://do.corumba.ms.gov.br/legislacao/corumba/detalhes/7801.

Corumbá. (2015). Prefeitura Municipal de Corumbá (Secretaria Municipal de Educação) Lei Ordinária nº2483/2015, de 26 de junho de 2015. Aprova o Plano Municipal de Educação do município de Corumbá (2015-2025). http://leis.camaracorumba.ms.gov.br/lei/2739? type_view=consolidada.

Corumbá. (2017). Polo Esperança e Extensões. Projeto Político Pedagógico. Secretaria Municipal de Educação.

Costa, K. P. C. (2013). Crianças e adultos da Barra de São Lourenço (Corumbá-MS) e suas práticas educativas. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Cruz, M. B. O. (2018). A ciranda dos jogos e brincadeiras nas falas das crianças ribeirinhas. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus do Pantanal.

Ecoa. (2010). Diagnóstico das comunidades das águas: Porto da Manga, Baía do Castelo, Paraguai-Mirim e Barro do São Lourenço.

Farias, M. N., & Faleiro, W. (2020). Educação dos povos do campo no Brasil: colonialidade, modernidade e urbanocentrismo. Educ. rev. 36 (12).

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed.), Atlas.

Kassar, M. C. M.; Rebelo, S. R.; Rondon, M. M., & Rocha Filho, J. F. (2018). Educação Social na perspectiva da educação inclusiva em um município do Mato Grosso do Sul. Cadernos CEDES, Campinas, 36, (106), 299-313.

Macedo, N. D. (1994). Iniciação à pesquisa bibliográfica: guia do estudante para a fundamentação do trabalho de pesquisa. (2a ed.), Loyola.

Mota, S. J. C. (2019). Educação do Campo: Uma experiência sobre as águas. [Trabalho de Conclusão]. Colegiado do Curso de Pedagogia, Universidade Federal do Amazonas, Humaitá-AM, Brasil.

Nozu, W. C. S.; Rebelo, A. S., & Kassar, M. C. M. (2020). Desafios da gestão das escolas das águas. RPGE. Revista on line de Política e Gestão Educacional. Araraquara, 24, (2), 1054-1067.

Oliveira, F. R. (2018). Os nexos da educação integral no Pantanal de Corumbá/MS: práticas de ensino na escola Jatobazinho. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Pinheiro, M. S. D. (2011). A concepção de educação do campo no cenário das políticas públicas da sociedade brasileira, 2011. http://files.lecufvjm.webnode.com/200000133- a83eba9385/Artigo%20A%20concepcao%20de%20educacao%20do%20campo%20.pdf.

Rios, E. C. (2020). A prática pedagógica do professor de Educação Física nas escolas ribeirinhas do Pantanal Sul-mato-grossense. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus do Pantanal. Corumbá-MS, Brasil.

Ruckstadter, V. C. M., & Toledo, C. A. A. (2014). A atuação jesuítica nas propostas de periodização dos manuais de história da educação brasileira. Revista HISTEDBR On-line, 14, (60), 297-312.

Sangenis, L. F. C. (2008). Franciscanos na educação brasileira. In: Stephanou, M., & Bastos, M. H. C. (Orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Vozes.

Saviani, D. (2008). Educação e colonização: as ideias pedagógicas no Brasil. Stephanou, M e Bastos, M.H.C. (Orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Vozes.

Silva, A. L. B. A. (2020). A educação do campo no contexto da luta do movimento social: uma análise histórica das lutas, conquistas e resistências a partir do Movimento Nacional da Educação do Campo. Revista Brasileira de História da Educação, 20, (112).

Souza, M. A. D. (2020). Pesquisa educacional sobre MST e educação do campo no Brasil. Educ. rev., 36, (30).

Tedesco, E. S. F. (2016). Infância pantaneira: a percepção de mundo e a constituição de identidade das crianças ribeirinhas. [Dissertação de Mestrado]. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres-MT, Brasil.

Vechia, A. (2010). O ensino secundário no século XIX: instruindo as elites. Stephanou, M e Bastos, M.H.C. (Orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes.

Zaim-De-Melo, R. (2017). Jogar e brincar de crianças pantaneiras: um estudo em uma “escola das águas”. [Tese de Doutorado em Educação]. Pontifícia Universidade Católica.

Zaim-De-Melo, R., & Sambugari, M. R. N. (2020). A cultura lúdica dos alunos de uma “escola das águas” no Pantanal. Revista Educação Online, 15, (35).

Zerlotti, P. H. (2014). Os saberes locais dos alunos sobre o ambiente natural e suas implicações no currículo escolar: um estudo na escola das águas – extensão São Lourenço, no Pantanal de Mato Grosso do Sul. [Dissertação de Mestrado] Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Católica Dom Bosco.

Published

14/05/2021

How to Cite

ROMAN, A. S. G. dos S. .; RIZZO, D. T. de S. .; ZAIM-DE-MELO, R. .; NEIRA, M. G. .; RIZZO, J. G. de S. . Characterization of “School of Waters”: literature review and perspectives for research. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 5, p. e50110515321, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i5.15321. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15321. Acesso em: 2 feb. 2023.

Issue

Section

Education Sciences