Management of hypertensive patient in clinical pharmaceutical care: A case report

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i8.16939

Keywords:

Cardiovascular disease; Pharmaceutical care; Health education.

Abstract

Pharmaceutical services consist of pharmacotherapeutic monitoring in the identification and resolution of drug-related problems (DRPs) through interventions. Monitoring hypertensive patients is essential, as hypertension is considered one of the main risk factors that contribute to mortality from cardiovascular diseases. In this report, we discuss cardiovascular risk factors in hypertensive patients and the pharmacological and non-pharmacological interventions performed to resolve the present DRPs. This is a descriptive study, of the case report type of a patient in a pharmaceutical consultation at the University Pharmacy of the Federal University of Bahia, from October 2019 to April 2020 (CEP nº 2.578.262). The questionnaires and interventions were based on the document "Pharmaceutical Care in Primary Care: notebook 2", from the Ministry of Health. Case report: Female patient, 72 years old, diagnosed with hypertension for years, presents comorbidities such as dyslipidemia, in addition to style sedentary lifestyle that, mutually, configure themselves as important cardiovascular risk factors. She practiced self-medication and had several adherence DRPs. Of the pharmaceutical interventions performed, they included: health education regarding the rational use of medications (RUM), adjustments to correct the DRPs, encouragement of healthy eating and the practice of physical exercise. In view of the elaboration of pharmaceutical intervention plans, adopting drug and non-drug therapies, it was possible to reduce blood pressure levels, RUM and improve the patient's quality of life.

Author Biographies

Sthefane Silva Santos, Universidade Federal da Bahia

Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia.

Amanda dos Santos Teles Cardoso, Universidade Federal da Bahia

Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia.

Ingrid Caroline da Silva Cerqueira, Universidade Federal da Bahia

Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia.

Renata Gonçalves Silva, Universidade Federal da Bahia

Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia.

Izabel Almeida Alves, Universidade Federal da Bahia

Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia.

Max Denisson Maurício Viana, Universidade Federal da Bahia

Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia.

References

Aires, C. C. N. F & Marchiorato, L. (2010). Acompanhamento farmacoterapêutico a hipertensos e diabéticos na Unidade de Saúde Tereza Barbosa análise de caso. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, 1 (1), 26-31.

Araújo, C. M. A. (2014). Tratamento da diarreia aguda (Dissertação). Universidade Fernando Pessoa, Faculdade de Ciências da Saúde: Porto.

Aziz, J. L. (2014). Sedentarismo e hipertensão arterial. Revista Brasileira de Hipertensão, 21 (2), 75-82.

Barroso, W. K. S., et al. (2020). Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arquivo Brasileiro de Cardiologia.

Benjamin, C. J. R. et al. (2021). Ação da Cafeína no Sistema Nervoso Central e na Variabilidade da Frequência Cardíaca. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 15(54), 405-409.

Berman, A. N. & Blankstein, R. (2019). Optimizing Dyslipidemia Management for the Prevention of Cardiovascular Disease: a Focus on Risk Assessment and Therapeutic Options. Current Cardiology Reports, 21 (9), 1-10.

Bertoldi, G. (2012). A importância do educador físico na avaliação e prescrição de exercícios físicos para o controle da diabetes e da hipertensão arterial sistêmica (Especialização em Gestão de Organização Pública em Saúde Conclusão de Curso). Universidade Federal de Santa Maria, Tio Hugo, RS.

Beserra, F. L. P. R., Borba, V. F. C., Torres, J. E. G., Silva, S. N. D. & Macedo, M. A. C. S. (2019). Automedicação em idosos: medidas de prevenção e controle. Revista Contexto & Saúde, 19 (37), 149-155.

Campos, L. S. (2020). A prática da atenção farmacêutica no acompanhamento farmacoterapêutico de idosos diabéticos e hipertensos: relato de caso. Brazilian Journal of Health Review, 3 (2), 2287-2296.

Coelho, A. M. (2006). Estratificação de risco cardiovascular em doentes hipertensos de uma lista de utentes. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, 22 (1), 41-48.

Coppini, L. A. Jr. (2017). Estratificação de risco e determinação de ações em atenção básica para hipertensos e diabéticos [Trabalho de Conclusão de Curso]. Porto Alegre: Universidade Federal de Ciências Da Saúde de Porto Alegre.

Costa, E. A. et al. (2017). Concepções de assistência farmacêutica na atenção primária à saúde, Brasil. Revista de Saúde Pública, 51(Supl. 2)5s.

De Farmácia do Estado de São Paulo, C. R. (2010). Fascículo IV - Manejo do Tratamento de Pacientes com Hipertensão. Projeto Farmácia Estabelecimento de Saúde: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo.

De Farmácia do Paraná, C. R. (2018). Descarte de Medicamentos: Conselho Regional de Farmácia do Estado do Paraná. https://www.crf-pr.org.br/pagina/visualizar/291

De Farmácia, C. F. (2013). Resolução CFF n° 585/2013. Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências: Conselho Federal da Farmácia.

De Farmácia, C. F. (2016). Serviços farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, à família e à comunidade: contextualização e arcabouço conceitual: Conselho Federal de Farmácia.

Drugs.com (2021). Drug Interaction Report [Internet]. https://www.drugs.com/interactions-check.php?drug_list=116-0,243-0

Gonsalez, S. R., Ferrão, F. M., Souza, A. M., Lowe, J. & Morcillo, L. S. L. (2018). Atividade inadequada do sistema renina-angiotensina-aldosterona local durante período de alta ingestão de sal: impacto sobre o eixo cardiorrenal. Brazilian Journal of Nephrology, 40 (2), 170-178.

González, K., Fuentes, J & Márquez, J. L. (2017). Physical Inactivity, Sedentary Behavior and Chronic Diseases. Korean Journal of family medicine, 38 (3), 111–115.

Hoefler, R. (2012). Interações medicamentosas. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos/MS - FTN.

Hurley, S. C. (1998). A Method of Documenting Pharmaceutical Care Utilizing Pharmaceutical Diagnosis. American Journal of Pharmaceutical Education, 62, 119-127.

Kruk, P. J. & Nowicki, M. (2018). Effect of the physical activity program on the treatment of resistant hypertension in primary care. Primary health care research & development, 19 (6), 575–583.

Lima, M. R. S. et al. (2019). A visão dos agentes comunitários de saúde sobre a importância do nutricionista na atenção básica. Brazilian Journal of health review, 2(6), 6041-6049.

Martins, D. S. (2016). Relação entre hipertensão e o consumo de sal: uma revisão (Monografia). Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, PB.

Mill, J. G. et al. (2021). Fatores associados ao consumo de sal na população adulta brasileira: Pesquisa Nacional de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 26 (2), 555-567.

Nascimento, D. M. & Pigoso, A. A. (2013). Interações medicamentosas entre antihipertensivos e anti-inflamatórios não esteroidais. Revista Científica da FHO|UNIARARAS, 1 (1), 14-17.

Oliveira, R. E. M., Filipin, M. D. V. & Giardini, M. H. (2015). Intervenções farmacêuticas destinadas à otimização da adesão ao tratamento medicamentoso de um paciente. Revista Eletrônica de Farmácia, 12 (2), 39-51.

Oliveros, E. et al. (2019). Hypertension in older adults: Assessment, management, and challenges. Clinical Cardiology, 43, 99–107.

Organização Pan Americana da Saúde - OPAS (2020). OMS revela principais causas de morte e incapacidade em todo o mundo entre 2000 e 2019. Obtido em https://www.paho.org/pt/noticias/9-12-2020-oms-revela-principais-causas-morte-e-incapacidade-em-todo-mundo-entre-2000-e

Peacock, E. & Krousel-Wood, M. (2017). Adherence to Antihypertensive Therapy. Medical Clinics of North America,101 (1), 229–245.

Pereira, M. C. A & Santos, L. F. S. (2020). Envelhecimento saudável: relação entre hipertensão arterial sistêmica e principais fatores de riscos modificáveis. Revista Ciência Plural, 6 (1), 74-91.

Reis, W. C. T. et al. (2018). Impact of pharmacist consultation on polypharmacy patients with high cardiovascular risk. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, 9 (2), 1-5.

Rill, J. W. G. (2016). Polifarmácia em idosos: detenção de casos no PSF Maria Oliveira de Castro do município de Aguanil/ Minas Gerais [Trabalho de Conclusão de Curso]. Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais.

Santos, A. L. S. (2018). A importância do educador físico no processo de acompanhamento e favorecimento da qualidade de vida da pessoa idosa [Trabalho de Conclusão de Curso]. Teresina: Faculdade do Médio Parnaíba.

Secretaria de Ciências, Tecnologias e Insumos Estratégicos (2014). Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Cuidado Farmacêutico na Atenção básica. Capacitação para implantação dos serviços de clínica farmacêutica. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cuidado_farmaceutico_atencao_basica_saude_2.pdf

Silva, M. V. F. et al. (2013). Antiagregantes plaquetários na prevenção primária e secundária de eventos aterotrombóticos. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 100(6).

Sociedade Brasileira de Cardiologia (2017). Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 109 (2 Supl. 1).

Sousa, N. P. et al. (2016). Estratificação de risco cardiovascular na atenção primária segundo escore de Framingham. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, 10 (1), 157-168.

Stefanello, F. P. S., Pasqualotti, A. & Pichle, N. A. (2020). Análise do consumo de alimentos fontes de ômega 3 por participantes de grupos de convivências. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 22 (6), 1-9.

Trautwein, E. A & Mckay, S. (2020). The Role of Specific Components of a Plant-Based Diet in Management of Dyslipidemia and the Impact on Cardiovascular Risk. Nutrients, 12 (9), 1-21.

Weaver, C. M. et al. (2015). Calcium plus vitamin D supplementation and risk of fractures: an updated meta-analysis from the National Osteoporosis Foundation. Osteoporosis international, 27 (1), 367-76.

Published

05/07/2021

How to Cite

SANTOS, S. S. .; CARDOSO, A. dos S. T. .; CERQUEIRA, . I. C. da S. .; SILVA, R. G. .; ALVES, I. A. .; VIANA, M. D. M. Management of hypertensive patient in clinical pharmaceutical care: A case report. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 8, p. e9910816939, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i8.16939. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/16939. Acesso em: 13 jul. 2024.

Issue

Section

Health Sciences