Being a woman in abortion: a study in the light of existential phenomenology

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i8.17486

Keywords:

Abortion; Women's health; Nursing; Qualitative research.

Abstract

Objective: Unveil the experience of the being-woman facing abortion. Methodology: This is a qualitative research approaching the existential phenomenology of Martin Heidegger. Carried out with ten women in Maceió – Alagoas. Testimonies were obtained through the phenomenological interview. Results: From the analysis of the interviews, four units of meaning emerged: Being a woman experiencing loss; Being a woman experiencing pain; Being a woman experiencing sadness for the loss, Being a woman experiencing fear for the other. Conclusion: This study allowed the verification of the need for strategies that go beyond the immediate care inherent to the obstetric complications of abortion. Interventions are necessary in the biopsychosocial aspects, and professionals are not responsible for attributing a value judgment, but for understanding what each woman experiences, as well as care based on an attitude of empathy and acceptance.

References

Azevedo, J. F. (2017). Selbstsorge – cuidado de si e fürsorge – preocupação a partir de Heidegger: análise ontológica em relação a educação. Revista Linguagem, Ensino e Educação, 1, 1-8. http://periodicos.unesc.net/lendu/article/view/3222/2942.

Benute, G. R. G. et al. (2009). Abortamento espontâneo e provocado: ansiedade, depressão e culpa. Rev. Assoc. Med. Bras., 55, 322-327. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000300027.

Brasil. (2001). Ministério da Saúde. Febrasco-Abenfo, Parto, Aborto e puerpério Assistência Humanizada à mulher.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica (2a ed.).

Brasil. (1996). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas em seres humanos.

Collière, M.F. (1989). Promover a vida: da prática das mulheres de virtude aos cuidados de Enfermagem. Lisboa: Sindicato dos Enfermeiros portugueses.

Heidegger M. (2015). Ser e tempo, Parte I e II. Vozes.

Lemos, L. F. S., & Cunha, A. C. B. da (2015). Concepções Sobre Morte e Luto: Experiência Feminina Sobre a Perda Gestacional. Psicologia: Ciência e Profissão 35, 1120-1138. https://doi.org/10.1590/1982-3703001582014.

Lima, L. M. et al. (2017). Cuidado humanizado às mulheres em situação de abortamento: uma análise reflexiva. Revista de Enfermagem UFPE on line, 11, 5074-5078, https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i12a25126p5074-5078-2017.

Lucena, M. J. (2016). O cuidado de Enfermagem e o luto das mulheres em situação de aborto espontâneo. 2016. 29f (monografia). Universidade federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Madeiro, A. P., & Diniz, D. (2016). Serviços de aborto legal no Brasil – um estudo nacional. Ciência & Saúde Coletiva, 21, 563-72.

Minayo, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista pesquisa qualitativa. 5, 01-12

Oliveira, M. T. S. et al. (2020). Fatores associados ao aborto espontâneo: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., 20, 361-372. https://doi.org/10.1590/1806-93042020000200003.

OMS. (2013). Abortamento seguro: orientação técnica e de políticas para sistemas de saúde. Organização Mundial da Saúde.

Rezende, J., & Montenegro, C. A. B. (2016). Obstetrícia Fundamental. (13a ed.), editora Guanabara Koogman.

Rodrigues, W. F. G. et al. (2017). Abortamento: protocolo de assistência de enfermagem: relato de experiência.

Souza, S. A. L. D., & Silveira, L. M. C. D. (2019). (Re) Conhecendo a escuta como recurso terapêutico no cuidado à saúde da mulher. Revista Psicologia e Saúde,11(1), 19-42.

Tavares M. M. S., & Mafra, C. R. (2018). A assistência de enfermagem diante da humanização do parto. 23 f. Tese (Bacharel) Faculdade de Ciências da Educação e Saúde–FACES. Centro Universitário de Brasília–UniCEUB. Brasília: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/p refix/13037/1/21486083.pdfista de Enfermagem UFPE. 11, 3171-3175.

Zanatta, E., Pereira, C. R. R., & Alves, A. P. (2017). A experiência da maternidade pela primeira vez: as mudanças vivenciadas no tornar-se mãe. Pesqui. prát. psicossociais, 12, 1-16.

Published

16/07/2021

How to Cite

REIS, A. K. dos; SILVA, J. M. de O. e .; COMASSETTO, I. .; ALVES, V. H. . Being a woman in abortion: a study in the light of existential phenomenology. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 8, p. e47010817486, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i8.17486. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17486. Acesso em: 24 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences