Occupational safety in the daily practices of açaí collection and production, in the Boa Vista do Acará community, Pará, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.22600

Keywords:

Acai harvest; Ribeirinho association; Family farming.

Abstract

The community of Boa Vista do Acará portrays the characteristics of a riverside community typical of the Amazon region, it has a forest context with spaces for permanence and changes due to the "introduction of the water economy and the mineral economy, giving rise to a typology of territories with different economic, social, environmental and cultural forms and dynamics". Research on safety at work and conditions of the work environment becomes relevant in the understanding of daily practices regarding the collection and production of açaí, a reality that is part of the cultural tradition. This requires the observance of ancestral values, habits and customs, therefore, elements of subjectivity of the subjects involved in the research. The sample consisted of 24 members of the Association of Producers in order to obtain data when the issue of safety at work of family farmers, taking as a reference the activities they develop, for this selection, the task and the commitment and responsibility of each associated. The information obtained was associated with the quantitative data obtained from the POBV documents. It was found that it is not enough just for some associates to participate in these events, and for the acquisition of some equipment, without the proper knowledge of which equipment should be acquired and passed on to the associates, due to the occurrence of accidents and the health problems they presented. The traditional method of harvesting is still used in the execution of activities, as well as the use of artisanal tools such as machete, machete, peconha, which without proper preventive knowledge, makes the peconheiro susceptible to accidents and occupational diseases.

References

Freitas, H. D. S. C. (2018). Autogestão na associação de produtores orgânicos de boa vista (APOBV): uma relação jogo, poder e dependência. (Dissertação Mestrado) Desenvolvimento Rural e Gestão de Empreendimentos Agroalimentares. Pará, 104p.

Fundação Amazônia De Amparo A Estudos E Pesquisas - FAPESPA. (2017). Estatísticas Municipais Paraenses: Acará. / Diretoria de Estatística e de Tecnologia e Gestão da Informação. – Belém. 60p.

G1 Portal Globo De Notícias. (2015). Belém é eleita Cidade Criativa da Gastronomia pela Unesco. http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2015/12/belem-e-eleita-cidade-criativa-da-gastronomia-pela-unesco.html.

Gerhardt, T. E.; Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil (UAB)/UFRGS. SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 120p.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social ( 6. ed.). Atlas.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística - IBGE, (2018). Igarapé-Miri - Pará. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/igarape-miri/panorama.

Instituto De Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. (2011). Saúde e segurança no trabalho no Brasil: aspectos institucionais, sistemas de informação e indicadores. Brasília: IPEA. 396 p.

Instituto Peabiru. (2018). "O Peconheiro" Diagnóstico das condições de trabalho do extrativista de açaí, 2016. https://peabiru.org.br/2018/05/15/trabalho-precario-na-cadeia-do-acai-e-destaque-no-jornal-da-record.

Jornal R7 Record. (2018). Colheita do açaí esconde riscos para 200 mil ribeirinhos na Amazônia. http://recordtv.r7.com/jornal-da-record/videos/colheita-do-acai-esconde-riscos-para-200-mil-ribeirinhos-na-amazonia-06102018.

Lechat, N. M. P.; Barcelos, E. D. S. (2008). Autogestão: desafios políticos e metodológicos na incubação de empreendimentos econômicos solidários. Revista Katálysis, 11, 96-104.

Maia, A. L. S. (2013). Acidentes de trabalho no Brasil em 2013: comparação entre dados selecionados da Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE (PNS) e do Anuário Estatístico da Previdência Social (AEPS) do Ministério da Previdência Social. Boletim Fundacentro. http://www.fundacentro.gov.br/arquivos/projetos/boletimfundacentro12015.pdf.

Maia, L.R.; Rodrigues, L.B. (2012). Saúde e segurança no ambiente rural: uma análise das condições de trabalho em um setor de ordenha. Revista Ciência Rural, Santa Maria, 42(6), 1134-1139, jun.

Manhães, A. C. T. D. S. (2016). Treinamento Interno De Equipe Visando O Aumento Da Lucratividade Da Empresa. Revista Valore, Volta Redonda, 1 (1): 94-110., Dezembro.

Ministério do Meio Ambiente. (2017). Arranjos produtivos locais: APLs de produtos da sociobiodiversidade. Brasília, DF: MMA. 140 p. http://www.mma.gov.br/publicacoes/desenvolvimento-rural/category/75-sociobiodiversidade.html?download=1534:arranjos-produtivos-locais-%E2%80%93-apls-de-produtos-da-sociobiodiversidade.

Nascimento, I. G. D.; Konzen, M.R.; Silva Neto, J.M.D.; Carneiro, A.D.F. (2011). Construção civil: desafios para garantir a aplicação das estratégias preventivas de segurança no trabalho. Anais do Congresso Nacional de Excelência em Gestão, p. 22p.

Nascimento, T. P. D. (2017). Ergonomia e Segurança em Atividades Extrativistas no Estado do Acre. Dissertação, mestrado em Ciências Florestais na Área de Concentração Ciências Florestais). Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais do Centro de Ciências Agrárias e Engenharias da Universidade Federal do Espírito Santo, 53p.

Natrielli Neto, A.; Guimaro Júnior, O. G. (2020). Manual Das Associações: Como constituir e administrar uma associação. 1edição. Piracicaba – SP,Linha Impressa Gráfica, 54p.

Oliveira, C. L. (2008). Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Revista Travessias. Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UINOESTE. Cascável/Paraná, 2(3), 16p.

Oliveira, J. C. (2003). Segurança e saúde no trabalho: uma questão mal compreendida São Paulo Perspec. vol. 17, no.2, São Paulo, Apr./June.

Oliveira, M. D. C. L.; Silveira, S. B. (2012). O(s) sentido(s) do trabalho na contemporaneidade Maria do Carmo Leite de Oliveira Sonia Bittencourt Silveira. Veredas on-line – temática – 1/2012, P. 149-165 – PPG Linguística/UFJF – Juiz de Fora. http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2012/10/artigo-Sonia-e-Carmovers%C3%A3o-finalformatado.pdf.

Organização Internacional Do Trabalho – OIT. (1996). A Sua Saúde e Segurança no Trabalho: Uma Coleção de Módulos: introdução à Saúde e a Segurança no Trabalho. Edição: Abril, 31 p.

Organização Internacional Do Trabalho – OIT. (2013). La prevención de las enfermidades profesionales. Genebra: OIT;.

Sá, A.C.M.G.N.D.; Gomide, M.H.M.; Sá, A.T.N.D. (2017). Acidentes de trabalho suas repercussões legais, impactos previdenciários e importância da gestão no controle e prevenção: revisão sistemática de literatura. Revista Médica Minas Gerais. 26 e1825. http://www.dx..doi.org/10.5935/2238-3182.2016012.

Silva, K.P.D.; Nascimento, R.F.D.; Botelho, M.A.D.S. (2014). Segurança No Trabalho: Uma Ferramenta Competitiva. Anais do XVI Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Associação Educacional Dom Bosco – AEDB, Rio de Janeiro, out-nov 2016, 16p. https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:lKAE_fZ-zBwJ:https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos16/35124439.pdf+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br.

Souza, E. F. Do N.; Machado, W.D.O. (2013). A Segurança Do Trabalho Nas Empresas: Um Estudo De Seu Papel E Sua Importância. Revista Eletrônica “Diálogos Acadêmicos. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Nossa Senhora Aparecida – FNSA. 4(1), 102-116, JAN-JUN. http://uniesp.edu.br/sites/_biblioteca/revistas/20170627111555.pdf.

Souza, M.M.O. (2009). A utilização de metodologias de diagnóstico e planejamento participativo em assentamentos rurais: o diagnóstico rural/rápido participativo (DRP). Revista em Extensão, 8(1), 3 jun.

TRANSFORMA – Redes de Tecnologias Sociais. Pa, (2020). Ferramenta de coletas de frutos das espécies de palmeiras por Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA). https://transforma.fbb.org.br/tecnologia-social/palmhaste-ferramenta-de-coletas-de-frutos-das-especies-de-palmeiras.

Tribunal Regional Do Trabalho–8 Pará e Amapá. (2016). (TRT8): Relatório final para o Programa Trabalho Seguro Peabiru: “O peconheiro” Diagnóstico das condições de trabalho do extrativista de açaí. Belém: Instituto Peabiru.

Yin, R.K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. (3. ed.). Bookman.

Published

05/02/2022

How to Cite

QUADROS, T. C. F. de .; BARBOSA, M. J. de S. .; PINHEIRO, K. A. O. .; CARNEIRO, F. da S. .; GOMES, J. M. .; ARAÚJO, S. A. A. .; OLIVEIRA, W. D. de .; MAESTRI, M. P. . Occupational safety in the daily practices of açaí collection and production, in the Boa Vista do Acará community, Pará, Brazil . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e57011222600, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.22600. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/22600. Acesso em: 24 feb. 2024.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences