The importance of seedling production for urban afforestation: public nurseries in the city of Teresina, Piauí, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25475

Keywords:

Arborization; Quality of life; Seedling nurseries.

Abstract

Face to urbanization, society has been affected in terms of quality of life and well-being. Preserving and integrating plant species into the urban environment has been synonymous with survival. In this way "seedling nurseries" are "born", whose main objective is urban afforestation with consequent well-being to the population.  In this sense, the present study presents information from two seedling nurseries in the capital city of Piaui, presenting a diagnosis about their dynamics, understanding how each stage and phase of the process of collection, storage and processing of seeds, production, management, control, identification and distribution of seedlings are performed. It also presents data about the seedling production routine and the processes that involve from the collection of seeds to their distribution to the population. The technical approach of the research is qualiquantitative, using also the bibliographic, field and documentary research. In this research, it was observed that seedlings of approximately 80 botanical species are produced in nurseries. These results are important data generated by the population, the environmental department and the scientific community, and are also of great relevance for future planning. Therefore, tree planting goes beyond planting seedlings in several places, it requires well managed planning to assume this role, so the knowledge of the dynamics in seedling nurseries as well as the transference of this information generates safety conditions in the quality and welfare of future generations.

Author Biographies

Lorran André Moraes, Universidade Federal do Piauí

Universidade Federal do Piauí - UFPI. 

Doutorando em Desenvolvimento e Meio AMbiente -UFPI. Mestre em Biodiversidade, Saúde e Meio Ambiente- UEMA. Bi- garaduado em Ciências Biológicas (UFPI-UESPI).

Tainara Lima de Sousa Passos , Secretaria Estadual de Educação do Piauí

Graduada em Ciências Biológicas – UFPI, pós-graduada em Ciências  Ambientais e Saúde – FAEME

Leilson Alves dos Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Geografia pelo Instituto de Geociências - UFMG. Graduado em Geografia (Licenciatura) pela Universidade Federal do Piaui. Mestre em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais IGC/UFMG. Especialista em Gestão Ambiental (UESPI). Foi professor substituto na Universidade Estadual do Maranhão lotado no Departamento de História e Geografia (2018-2020) e professor tutor no curso de Geografia, modalidade à distância, na Universidade Federal do Piauí (2017-2020).

Adriana de Sousa Lima , Universidade Federal do Piauí

Doutora e Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente – UFPI. Graduada em Bacharelado em Ciências Biológicas- UFPI e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI. É Especialista em Gestão Ambiental (ESTÁCIO-CEUT).

Waldiléia Ferreira de Melo Batista , Secretaria Estadual de Educação do Piauí

Doutora e Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Piauí(2020). Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Piauí (1995),  Professora substituta da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) no curso de Biologia do campus de Picos. Professora efetiva da rede estadual do Piauí (SEDUC/PI), onde já atuou como Coordenadora Geral e Diretora. Professora da rede particular de ensino no Instituto Dom Barret

Kelly Polyana Pereira Santos, Universidade Estadual do Piauí

Doutora em Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPI), Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPI), Graduada em Ciências Biológicas (UFPI). Professora Adjunta da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) - Campus Jesualdo Cavalcanti Barros/ Corrente-PI, Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Etnobiologia e Ciências Ambientais do Piauí. Atualmente integra o corpo docente do Mestrado Profissional em Biologia (PROFBIO)/ UESPI. Desenvolve pesquisas nas áreas de Ciências Ambientais com ênfase em Educação Ambiental/ Etnobiologia Geral e Ensino de Ciências. (Texto informado pelo autor)

Roselis Ribeiro Barbosa Machado, Universidade Estadual do Piauí

Doutora em Geografia Pela UFPE, Professora Associada III do Centro de Ciências da Natureza-CCN da Universidade Estadual do Piauí/UESPI, Brasil.

References

Albertin, R. M., Angelis, R., Angelis-Neto, G., & Angelis, B. L. D. (2011). Diagnóstico qualiquantitativo da arborização viária de Nova Esperança, Paraná, BRASIL. Revista da Soc. Bras. Arborização Urbana. Piracicaba – SP, 6(3), 128-148.

Albuquerque, M. M., & Lopes, W. G. R. (2016) Influência da Vegetação em Variáveis Climáticas: estudo em bairros da Cidade de Teresina, Piauí. Revista Ra’eGa, Curitiba, 36, 38-68.

APG IV. (2016). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181, 1-20. Doi: https://doi.org/10.1111/boj.12385.

Barbosa, R. R. (2008). Gestão da informação e do conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Informação & Informação, Londrina, 13, 1-25.

Belmiro, A., Cristina, B., Felisberto, C., Batista, D., Orlando, D., & Pereira, R. (2012). Área verde benefícios para a humanidade, saúde pública e qualidade de vida. Revista educação ambiental em ação, 20(43), 1-10.

Bernard, H. R. (1988). Research Methods in Cultural Anthropology. Sage. Newbury Park, CA, EEUU. 520p.

Bononi, V. L. R. (2004). Controle ambiental de áreas verdes. In: Philippi, Jr. A. et al. (Org.). Curso de Gestão Ambiental. Barueri – SP: Manole.

Borges, J. D. et al. (2007). Viveiros florestais: projeto, instalação, manejo e comercialização. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado.

Cabral, I. D. (2013). Arborização Urbana: problemas e benefícios. Revista Especialize, Goiânia, 6(1), 1-15. http://www.ipog.edu.br/uploads/arquivos/3474154c808305a9ba984df5faa037c2.pdf.

Campos, R. B. F., & Castro, J. M. (2017). Áreas Verdes: Espaços Urbanos Negligenciados Impactando a Saúde. Sau. & Transf. Soc., 8(1), 106-116.

Carbone, A. S., Coutinho, S. M. V., Tomerius, S., & Philippi-Junior, A. (2015). Gestão de áreas verdes no município de São Paulo: Ganhos e limites. Ambiente & Sociedade, São Paulo, 18(4), 201-220.

Carneiro, J. G. A. (1995). Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba, UFPR/FUPEF; Campos, UENF; Viçosa: Folha de Viçosa.

Carvalho, L. A., Nogueira, J. F., & Lemos, J. R. (2016). Inventário da Arborização de um Bairro da cidade de Parnaíba – Piauí, com utilização de um Sistema de Informação Geográfico. Revista da Casa de Geografia de Sobral, Sobral, 18(1), 100-117.

Cecchetto, C. T., Christma, N. N, S. S., & Oliveira, T. D. (2018). Arborização Urbana: importância e benefícios no planejamento ambiental das cidades. Anais. In: XVI Seminário Internacional de Educação do Mercosul.

Choo, C. W. (2006). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2. ed. São Paulo: SENAC.

Cidade Verde. Prefeitura alcança marca de um milhão de mudas plantadas em Teresina. (2019). https://cidadeverde.com/noticias/309177/prefeitura-alcanca-marca-de-um-milhao-de-mudas-plantadas-em-teresina.

Cuiabália, C. et al. (2011). Pesquisa Quali-Quanti. Programa em Ciência Ambiental. Universidade de São Paulo-SP.

Dutra, T. R., Grazziotti, P. H., Santana, R. C., & Massad, M. D. (2012). Desenvolvimento inicial de mudas de copaíba sob diferentes níveis de sombreamento e substratos. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza-CE, 43(2), 321-329.

Gonçalves, E. O. et al. (2004). Avaliação qualitativa de mudas destinadas à arborização urbana no estado de Minas Gerais. R. Árvore, Viçosa-MG, 28(4), 479- 486.

Gonsalves, E. P. (1999). Métodos e Técnicas da Pesquisa Social. 5ed. São Paulo: Atlas.

Lima, I. M. M. (2009). Teresina-cidade verde. Ed. Cortez.

Lima, J. R., & Oliveira Filho, L. S. (2020). Publicações sobre arborização urbana na região nordeste, Brasil. Revsbau, Curitiba - PR, 15(3), 56-69.

Lima, V., & AMORIM, M. C. C. T. (2006). A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Revista Formação, 13, 139-165.

Loboda, C. R., & Angelis, B. L. D. (2009). Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, 1(1), 125-39.

Macedo, A. C. (1993). Produção de Mudas em Viveiros florestais espécies nativas. São Paulo, Fundação Florestal. 18p.

Machado, R. R. B. et al. (2006). Árvores nativas para a arborização de Teresina, Piauí. Revsbau, Curitiba - PR, 1(1), 10-18.

Mendes, Silvano. (2000). Teresina é uma das cidades mais quentes do Brasil. Diário do Grande ABC. http:// www.dgac.com.br>mobile>teresina-e-uma-das-cidades-mais-quentes-do-brasil.

Moura, I. R. (2010). Arborização urbana: estudo das praças do bairro centro de Teresina. 2010. 127f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas.

Moraes, L. A., Araújo, M. F. V., & Conceição, G. M. (2021). Levantamento florístico das angiospermas do Parque Estadual Cânion do rio Poti, Buriti dos Montes – PI. Revista Brasileira de Geografia Física, 14, 4, 1987-2014, 2021. DOI: 10.26848/rbgf.v14.4.p1987-2014.

Mussi, R. F. F., Mussi, L. M. T., Assunção, E. T. C., & Nunes, C. P. (2019). Pesquisa Quantitativa e/ou Qualitativa: distanciamentos, aproximações e possibilidades. Revista Sustineire, Rio de Janeiro, 7, 414-430.

Oliveira, M. C. et al. (2005). Viveiros e produção de mudas de algumas espécies arbóreas nativa do cerrado. Embrapa Cerrados.

Oliveira, M. C. et al. (2016). Manual de viveiro e produção de mudas: espécies arbóreas nativas do Cerrado. Editora Rede de Sementes do Cerrado.

Pagliari, S. C. et al. (2013). Arborização urbana: importância das espécies adequadas. http://editora.unoesc.edu.br/index.php/acet/ article/download/1083/pdf_2.

Panasolo, A. et al. (2014). Áreas verdes urbanas privadas de Curitiba: uma proposta de valorização para conservação (estudo de caso). Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, 10(19), 2731-44.

Perehouskei, N. A., & Angelis, B. L. D. (2012). Áreas verdes e saúde: paradigmas e experiências. Diálogos & Saberes, Mandaguari - PR, 8(1), 55-77.

Perehouskei, N. A., & Angelis, B. L. D. (2014). A influência das áreas verdes nos serviços públicos de saúde na cidade de Mandaguari, Paraná, Brasil. Jornal Health Biol Sci., 2(2), 74-83.

Philippi Júnior., A., Romero, M. A., & Bruna, G. C. (2014). Curso de Gestão Ambiental. Barueri – SP: Manole.

Prefeitura de Teresina. (2018). Projeto Teresina Mais Verde ultrapassa todos os projetos de Arborização da Cidade. http://www.portalpmt.teresina.pi.gov.br/noticia/Projeto-Teresina-MaisVerde-ultrapassatodos-os-projetos-de-Arborizacao-da-Cidade/11699.

Reis, S. M., Marimon-Júnior, B. H., Morandi, P. S., Oliveira-Santos, C., Oliveira, B., & Marimon, B. S. (2016). Desenvolvimento inicial e qualidade de mudas de Copaifera langsdorffii desf. sob diferentes níveis de sombreamento. Ciência Florestal, Santa Maria -RS, 26(1), 11-20.

Robba, F., & Macedo, S. S. (2002). Praças Brasileiras. São Paulo: EDUSP.

Rodrigues, C. & Blasttmann, U. (2014). Gestão da informação e a importância do uso de fontes de informação para geração de conhecimento. Perspectivas em Ciências da Informação, Belo Horizonte -MG, 19(3), 2-29.

Rodrigues, C. A. G. et al. (2002). Arborização urbana e produção de mudas de essências florestais nativas em Corumbá, MS / Corumbá: Embrapa Pantanal.

Schuch, M. I. S. (2006). Arborização Urbana: uma contribuição à qualidade de vida com uso de geotecnologia. Dissertação (mestrado em geomática) -Universidade Federal de Santa Maria - RS.

Scremin-Dias, E. (2006). Produção de mudas de espécies florestais nativas: manual. Campo Grande, MS: Ed. UFMS. 59p.

Silva, J. V. L., & Silveira, R. L. L. (2020). Urbanização, Planejamento e Arborização: uma análise da cidade de Santa Cruz Do Sul/RS. Colóquio - Revista do Desenvolvimento Regional, Taquara/RS, 17(1), 161-180.

Souza J. R., & Melo, C. A. S. M. (2014). Os parques urbanos como indicadores de qualidade de vida: análise dos parques urbanos de Uberlândia-MG. Periód Téc Científ Cidades Verdes., 2(3), 68-85.

Torres, M. et al. (2013). Saúde e bem-estar em meio urbano: das políticas à prática. Revista Port. Saúde Pública. 31(1), 95-107.

Viana, A. I. G., & Lima, I. M. M. F. (2017). Parques ambientais urbanos de Teresina, Piauí: ambiente, conservação e uso pela população local. In: XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, Campinas- SP. https://www.researchgate.net/publication/323323875_Parques_ambientais_urbanos_de_Teresina_Piaui_ambiente_conservacao_e_uso_pela_populacao_local.

Villela, F. A., & Menezes, N. L. (2009). O Potencial de Armazenamento de Cada Semente. Seed News, Ano XIII, n.3, 2009.

Xanxerê. Secretaria de Políticas Ambientais. (2009). Manual da Arborização Urbana de Xanxerê. Xanxerê: Secretaria Municipal. 20p.

Published

31/01/2022

How to Cite

MORAES, L. A.; PASSOS , T. L. de S. .; SANTOS, L. A. dos .; LIMA , A. de S. .; BATISTA , W. F. de M. .; SANTOS, K. P. P. .; MACHADO, R. R. B. . The importance of seedling production for urban afforestation: public nurseries in the city of Teresina, Piauí, Brazil . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e22111225475, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25475. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25475. Acesso em: 25 jul. 2024.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences