Work process of Community Agents and mental health: health workers’s perceptions in a municipality in the interior of Ceará

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25520

Keywords:

Mental Health; Worker's health; Community Health Agents; Primary Health Care.

Abstract

Introduction: The role of the community health agent in Primary Care is fundamental, as it is the link between the community and the health team. In the development of work activities, these professionals face many challenges, which can generate frustration and hopelessness, causing psychological distress. Objective: To understand the factors that generate mental suffering in the work routine of community health agents. Method: Qualitative research, using semi-structured interviews carried out between August and September 2020 with seven community health agents working in a Basic Health Unit in Iguatu- Ceará. The empirical material generated was transcribed and analyzed using thematic Content Analysis technique. Results: The work context generates psychological distress because it is permeated by pressure, demands, many impasses in the micro-area, accumulation of work and the challenge of being a resident, worker and user of health services in the same territory. Conclusion: It is necessary to plan actions to improve the work process of the community health agent, in order to reduce mental suffering and improve the quality of life of these workers.

Author Biography

Ana Carolina Souza Torres, Universidade Federal da Bahia

Graduada em Odontologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2011. Concluiu a Residência Multiprofissional em Saúde da Família na Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP-FIOCRUZ), em 2013. Mestre em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em 2016. Doutoranda do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC-UFBA).

References

Alcântara, M. A. de, & Assunção, A. Á. (2016). Influência da organização do trabalho sobre a prevalência de transtornos mentais comuns dos agentes comunitários de saúde de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 41(0), 1–11.

Almeida, M. C. dos S., Baptista, P. C. P., & Silva, A. (2016). Cargas de trabalho e processo de desgaste em Agentes Comunitários de Saúde. Revista Da Escola de Enfermagem, 50(1), 95–103.

Amarante, P. (2007). Saúde mental, territórios e fronteiras. Fiocruz.

Andrade, C. C. B., Paschoalin, H. C., Sousa, A. I., Greco, R. M., & Almeida, G. B. S. (2018). Agentes comunitários de saúde: perfil sociodemográfico, condições laborais e hábitos de vida. Revista de Enfermagem UFPE on Line, 12(6), 1648.

Araujo, E. F. dos S., Paz, E. P. A., Ghelman, L. G., Mauro, M. Y. C., Donato, M., & Farias, S. N. P. de. (2018). Os agentes comunitários de saúde nas práticas educativas: potencialidades e fragilidades. Revista Enfermagem UERJ, 26, e18425.

Bezerra, Y. R. do N., & Feitosa, M. Z. de S. (2018). A afetividade do agente comunitário de saúde no território: Um estudo com os mapas afetivos. Ciencia e Saude Coletiva, 23(3), 813–822.

Brasil (2016) Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Diário Oficial da União.

Brasil (2012) Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012.Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União.

Brasil (2002) Lei no 10.507, de julho de 2002. Diário Oficial da União.

Brasil (2006) Lei nº 11.350 de 05 de outubro de 2006. Diário Oficial da União.

Chuengue, A. P. G., & Franco, T. B. (2018). O reconhecer e o lidar dos agentes comunitários de saúde diante da bioética: entre a ética do cuidado e os poderes disciplinares. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 28(4), 1–18.

Cremonese, G. R, Motta, R. F, & Traesel, E. (2013). Implicações do trabalho na saúde mental dos Agentes Comunitários de Saúde. Cadernos de Psicologia Social Do Trabalho, 16(2), 279–293.

Dejours, C. (1987). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. Cortez Editora, (5a ed.), 1–168.

Dejours, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. Atlas.

Dejours, C. (1993). Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. Atlas.

Fernandes, G. A. B., Coelho, A. da C. O., Paschoalin, H. C., Sarquis, L. M. M., & Greco, R. M. (2018). Demandas Psicológicas, Controle E Apoio Social No Trabalho De Agentes Comunitários De Saúde. Cogitare Enfermagem, 23(4).

Filho, N. D. A., Coelho, M. T. Á., & Peres, M. F. T. (1999). O conceito de saúde mental. Revista USP, 0(43), 100.

Foucault, M. (2004). Ética, sexualidade e política (Ditos e Escritos, V). Forense Universitária.

Franco, T. B., & Hubner, L. C. M. (2019). Clínica, cuidado e subjetividade: afinal, de que cuidado estamos falando? Saúde Em Debate, 43(spe6), 93–103.

Guanaes-Lorenzi, C., & Pinheiro, R. L. (2016). A (des)valorizeção do agente comunitário de saúde na Estratégia Saúde da Família. Ciencia e Saude Coletiva, 21(8), 2537–2546.

Lopes, D.M.Q, Filho, W.D.L, Beck, C.L.C, Coelho, A. P. . (2018). Cargas De Trabalho Do Agente Comunitário De Saúde: Pesquisa E Assistência Na Perspectiva Convergente-Assistencial. Texto & Contexto - Enfermagem, 27(4), 1–10.

Menegussi, J.M, Ogata, M.N, Rosalini, M. H. . (2014). O Agente Comunitário De Saúde Como Morador, Trabalhador E Usuário Em São Carlos,São Paulo. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, 12(1), 87–106.

Moreira, I. J. B., Horta, J. A., Duro, L. N., Borges, D. T., Cristofari, A. B., Chaves, J., Bassani, D. C. H., Cerizolli, E. D., & Teixeira, R. M. (2016). Perfil sociodemográfico, ocupacional e avaliação das condições de saúde mental dos trabalhadores da Estratégia Saúde da Família em um município do Rio Grande do Sul, RS. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 11(38), 1–12.

Oliveira, J. D. S., & Nery, A. A. (2019). Condições de trabalho e saúde de agentes comunitários de saúde. Revista de Enfermagem UFPE on Line, 13(5), 1503.

Oliveira, L. A. (2019). O prazer-sofrimento psíquico no trabalho e a perspectiva de Christophe Dejours. Revista Psicologia & Saberes, 8(11), 360–369.

Paim, J. S., (2017). Sociedade, saúde e história. Porto Alegre: Rede Unida.

Peduzzi, M., & Agreli, H. F. (2018). Teamwork and collaborative practice in primary health care. Interface: Communication, Health, Education, 22, 1525–1534.

Peduzzi, M., Schraiber, B., Do, N., Pioneiramente, C., Cec, M., & Donnangelo, F. (2008). Marina Peduzzi e Lília Blima Schraiber. 1–11.

Pereira, A. M., Jucá, A. L., Lima, I. de A., Facundes, V. L. D., & Falcão, I. V. (2018). A qualidade de vida do agente comunitário de saúde e possíveis contribuições da terapia ocupacional. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 26(4), 784–796.

Santos, A. C, Hoppe, A. S, & Krug, S. B. (2018). Agente Comunitário de Saúde: implicações dos custos humanos laborais na saúde do trabalhador. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 28(4), 1–18.

Santos, D. de S., Mishima, S. M., & Merhy, E. E. (2018). Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: Potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciencia e Saude Coletiva, 23(3), 861–870.

Silva Filho, O. C. da. Minayo M. C. S., & Costa A. P. (2019). Técnicas que fazem uso da Palavra, do Olhar e da Empatia: Pesquisa Qualitativa em Ação. Aveiro: Ludomedia, 2019. Ciência & Saúde Coletiva, 25(5), 1991–1992.

Souza, H. A., & Bernardo, M. H. (2019). Prevenção de adoecimento mental relacionado ao trabalho: a práxis de profissionais do Sistema Único de Saúde comprometidos com a saúde do trabalhador. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 44, 1–8.

Speroni, K. S, Fruet, I. M. A, Dalmolin, G. L, & Lima, S. B. (2016). Percepções dos agentes comunitários de saúde: contribuições para a gestão em saúde. Revista Cuidarte, 7(2), 1325–1337.

Published

18/01/2022

How to Cite

COSTA, I. S. da S. .; TORRES, A. C. S. .; BEZERRA, M. I. C. .; PIRES, R. R. . Work process of Community Agents and mental health: health workers’s perceptions in a municipality in the interior of Ceará . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e4711225520, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25520. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25520. Acesso em: 21 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences