Institutionalization of pharmaceutical care in the municipality of Augusto Corrêa, Pará

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25610

Keywords:

Governance; Health Management; Health Information; Pharmaceutical care; Medicine.

Abstract

Objective: To investigate the institutionalization of pharmaceutical care in the municipality of Augusto Corrêa, Pará. Method: Exploratory, retrospective, and descriptive research conducted in 2021. To obtain socioeconomic, demographic, epidemiological indicators, health services, total health expenditures, we used data from the Registry of Health Establishments of the Department of Informatics of the SUS, the Brazilian Institute of Geography and Statistics, the Institute of Applied Economic Research, and the Primary Care Information System. For information on governance practices, planning, management, technical-management and technical-assistance components of Pharmaceutical Assistance, structured forms were used, applied through the Survey Monkey® tool, via Internet®, to the coordination of Pharmaceutical Assistance of the Department Municipal Health in the municipality of Augusto Corrêa, Pará. Results: Augusto Corrêa has an Estimated Population of 46,937 inhabitants in 2021 and a Demographic Density of 37.10 population/km² in 2010. Territorial Area of ​​1,099,619 km² in 2020. It is part of the Amazon Biome, from the Northeast Mesoregion of Pará, Bragantina Microregion. 0.520 of Municipal Human Development Index in 2010. 0.4145 of Gini Index of Percapta Household Income in 2010. Does not fully comply with governance practices at the level of technical coordination of pharmaceutical assistance; in particular, personnel and competencies, principles and behaviors, organizational leadership, relationship with stakeholders, organizational strategy, trans-organizational alignment, governance structure, risk management and internal control, internal audit, accountability, and transparency. Also, I did not fulfill all the components for the Technical Management of Pharmaceutical Assistance and the Clinical Management of Medicines. Conclusion: It was found that the components of technical management of pharmaceutical care and clinical management of the drug were not fully complied with; as well as governance practices at the level of technical coordination of pharmaceutical assistance need to be improved; in particular, personnel and competencies, principles and behaviors, organizational leadership, relationship with stakeholders, organizational strategy, trans-organizational alignment, governance structure, risk management and internal control, internal audit, accountability and transparency.

References

AbouZahr, C., & Wardlaw, T. (2001). Maternal mortality at the end of a decade: signs of progress? Bulletin of the World Health Organization, 79(6), 561–568. Maternal mortality at the end of a decade: signs of progress? - PubMed (nih.gov)

Almeida, H. G. & Silva, G. B. C. (1998). Programa Informações para Gestão Territorial: Socioeconômica do Município de Augusto Corrêa. Belém.

Amorim, A. S. & Campos, R. I. R. De. (2019). Perspectiva de ecoturismo na ilha de Camará-Açu e a relação de pertencimento do pescador local com a APA da Costa do Urumajó. 9(1):4-26. https://www.seer.ufal.br/index.php/ritur/article/view/5539

Araújo, C. E. L., Guilherme, Q. G. & Machado, J. A. (2017). Os municípios brasileiros e os gastos próprios com saúde: algumas associações. Ciências e Saúde coletiva, 22(3), 953-963. https://doi.org/10.1590/1413-81232017223.15542016.

Araújo, G. R. F. (2012). Migração, territorialização e pesca em Augusto Correa, PA (1990-2010). Universidade Federal do Pará [Dissertação Mestrado, Universidade Federal do Pará]. RIUFPA

Araújo, S. Q., Costa, K. S., Luiza, V. L., Lavras, C., Santana, E. A. & Tavares, N. U. L. (2017). Organização dos serviços farmacêuticos no Sistema Único de Saúde em regiões de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 22(4):1181-1191. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.27042016

Barbosa, M. M., Garcia, M. M., Nascimento, R. C. R. M., Reis, E. A., Guerra Junior, A. A., Acurcio, F. A. & Álvares, J. (2017). Avaliação da Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde em Minas Gerais. Ciências e Saúde coletiva. 22(8):2475-2486. https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.10952017

Barreto, J. L. & Guimarães, M. C. L. (2010). Avaliação da gestão descentralizada da assistência farmacêutica básica em municípios baianos, Brasil. Cad. Saúde Pública. 26(6), 1207-1220. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000600014

Barros, R. D. et al. (2017). Acesso a medicamentos: relações com a institucionalização da assistência farmacêutica. Rev Saude Publica. 51(Supl 2):8s. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007138.

Batista, I. M. S. (2012). Histórias e memórias Urumajoenses: novas perspectivas. Sobre o Município (augustocorrea.pa.gov.br)

Beojone, C., Santos, H., Maruyama, L. & Mariano, E. (2016). Expectativa de vida é suficiente para o IDH? https://www.researchgate.net/publication/311617491_Expectativa_de_vida_e_suficiente_para_o_IDH

Bermudez, J. A. Z., Esher, A., Osório-de-Castro, C. G. S. Vasconcelos, G. C. C., Oliveira, M. A., Silva, R. M. & Luiza, V. L. (2018). Assistência Farmacêutica nos 30 anos do SUS na perspectiva da integralidade. Ciência & Saúde Coletiva. 23(6): 1937-1949. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.09022018

Boing, A. F & Blatt, C. R. (2013). Gestão da Assistência Farmacêutica: O uso de ferramentas da epidemiologia na assistência farmacêutica. Universidade Federal de Santa Catarina. Modulo_4_unidade_1_revisado (1).pdf

Braga, M. V. A. (2017). Risco Bottom Up: Uma reflexão sobre o desafio da implementação da gestão de risco no setor público brasileiro. Revista da CGU. 9(15):682-699. https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v9i15.103

Brasil. Ministério da Saúde. (1990). Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Brasil. Ministério da Saúde. (1998). Portaria GM nº 3.916, de 30 de outubro de 1998. Política Nacional de Medicamentos. Brasília. Diário Oficial da União.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. (2004). Resolução CNS nº 338 de 6 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Brasília.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Portaria nº 971/GM/MS, de 3 de maio de 2006. Institui a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), instituída pela publicada no Diário Oficial da União (DOU) nº 84, de 4 de maio de 2006, Seção 1, página 20. Brasília. Distrito Federal.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Planejar é preciso: uma proposta de método para aplicação à assistência farmacêutica / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Editora do Ministério da Saúde. 06_1143_miolo.indd (saude.gov.br)

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (2007). Assistência Farmacêutica no SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (1 ed.). Coleção Progestores: Para entender a gestão do SUS. 180p. Brasília.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (2011). Assistência Farmacêutica no SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Coleção Para Entender a Gestão do SUS. 7, 186. Brasília.

Brasil. Presidência da República. (2011). Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde (SUS), o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 jun. 2011.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. (2012) Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília. Distrito Federal. https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//resolucao-cns-466-12.pdf

Brasil. Congresso Nacional. (2012). Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012. Dispões sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios em ações e serviços públicos de saúde entre outras providências. Brasília. Distrito Federal.

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Portaria GM nº 2.135, de 25 de setembro de 2013. Estabelece diretrizes para o processo de planejamento no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília. Distrito Federal.

Brasil. Tribunal de Contas da União. (2013). Referencial básico de governança/Tribunal de Contas da União. – Brasília: TCU, Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão, Coordenação-Geral de Controle Externo dos Serviços Essenciais ao Estado e das Regiões Sul e Centro-Oeste. 57p.

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Portaria nº 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Publicado no Diário Oficial da União (DOU), 28 de março de 2017, seção 1, página 68. Brasília. Distrito Federal.

Brasil. Ministério da Saúde. (2019). Portaria nº 2.979, De 12 de Novembro de 2019. Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, por meio da alteração da Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017. Brasília. Distrito Federal.

Brasil. Ministério da Saúde. (2019). Portaria n° 2.979, 12 de novembro 2019. Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília. Distrito Federal.

Brasil. Ministério da Saúde. (2020). Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: Rename 2020. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 217p. ISBN 978-85-334-2748-8

Brasil. Ministério da Saúde. (2021). Banco de dados do Sistema Único de Saúde: DATASUS. http://www.datasus.gov.br

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (2021). Planejamento e gestão. Organizadores: Santos, A. O., & Lopes, L. T. Brasília. Distrito Federal. covid-19-volume2.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2021). Gestão do SUS: Banco de Preços em Saúde. http://antigo.saude.gov.br/gestao-do-sus/economia-da-saude/banco-de-precos-em-saude.

Bretas Junior, N., & Eri Shimizu, H. (2017). Reflexões teóricas sobre governança nas regiões de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 22(4),1085-1095. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=63050551007

Bueno, H. (2010). Histórico e avanços na utilização das Salas de Situação em Saúde no Brasil. Organização Pan-Americana da Saúde. Ministério da Saúde. Brasília. Organização Pan-Americana da Saúde; 62p. Título da apresentação do treinamento (paho.org)

Cavalcante, F. V. & Renault, T. B. (2018). Gestão por competência: Uma avaliação das práticas de pessoas em uma instituição pública de ciência e tecnologia em saúde. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde. 15(2). https://doi.org/10.21450/rahis.v15i2.4541

Carvalho, A. L. B, Jesus, W. L. A, Senda, I. M. V. B. (2017). Regionalização no SUS: o processo de implementação, desafios e perspectiva na visão crítica de gestores do Sistema. Ciência e Saúde Coletiva. 22(4):1155-1164. 10.1590/1413-81232017224.30252016

Casanova., A. O. Cruz, M. M., Giovanella, L. Alves, G. dos R. & Cardoso, G. C. P. (2017). A implementação de redes de atenção e os desafios da governança regional em saúde na Amazônia Legal: uma análise do Projeto QualiSUS-Rede. Ciência & Saúde Coletiva. 22. 1209-1224. 10.1590/1413-81232017224.26562016.

Corrêa, E. R. P. & Miranda-Ribeiro, A. de. (2017). Ganhos em expectativa de vida ao nascer no Brasil nos anos 2000: impacto das variações da mortalidade por idade e causas de morte. Ciência & Saúde Coletiva. 22(3):1005-1015. https://doi.org/10.1590/1413-81232017223.26652016.

Correia, E. O. (2020). Análise da infraestrutura e condições de armazenamento dos medicamentos da central de abastecimento farmacêutico, de um município do Extremo Sul Baiano. Caderno Saúde e Desenvolvimento. 9(16). https://cadernosuninter.com/index.php/saude-e-desenvolvimento/article/view/1480/1096

Costa, A. C. P., Leal, A. F. P., Nascimento, L. C. B. do, Mendonça, C. M. C. de, & Guerra, L. C. B. (2018). Alinhamento da gestão de processos com os mecanismos do modelo de governança pública do TCU: O estudo de caso em uma universidade federal da Amazônia Oriental. Revista Do Serviço Público. 69(3):741-772. https://doi.org/10.21874/rsp.v69i3.3183

Costa, J. S. D. & Morimoto, T. (2017). Internações por condições sensíveis à atenção primária, gastos com saúde e Estratégia Saúde da Família uma análise de tendência. Ciências e Saúde Coletiva. https://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/internacoes-por-condicoes-sensiveis-a-atencao-primaria-gastos-com-saude-e-estrategia-saude-da-familia-uma-analise-de-tendencia/16013?id=16013

Dagnino, R. (2016). Gestão Estratégica Publica. Fundação Perseu Abramo.

Feil, A.A. & Schreiber, D. (2017). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: desvendando as sobreposições e alcances de seus significados. Cad. EBAPE.BR. 14(3):667-681 http://dx.doi.org/10.1590/1679-395157473

Ferreira, J. E. De S. M. (2020). Sistema de Informação em Saúde no apoio da Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em saúde. 14(4):970-82. https://doi.org/10.29397/reciis.v14i4.1923

Ferreira, J., Celuppi, I. C., Baseggio, L., Geremia, D. S., Madureira, V. S. F. & Souza, J. B. de. (2018). Planejamento regional dos serviços de saúde: o que dizem os gestores? Saúde e Sociedade. 27(1):69-79. https://doi.org/10.1590/S0104-12902018170296

Ferreira, R. L. & Soler, O. (2021). Prática de governança e gestão técnica da assistência farmacêutica no Município de Xinguara, Pará. Research, Society and Development. 10(4). http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14416

Figueiredo, J. O., Prado, N. M. de B. L., Medina, M. G., Paim, J. S. (2018). Gastos públicos e privado com saúde no Brasil e países selecionados. Saúde debate. 42(spe2). 37-47. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S203

França, E., Teixeira, R., Ishitani, L., Duncan, B. B., Cortez-Escalante, J. J., Morais, Neto O. L. & Szwarcwald, C. L. (2014). Causas mal definidas de óbito no Brasil: método de redistribuição baseado na investigação do óbito. Rev Saude Publica. 48(4):671-681. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005146

Fuginami, C. N., Colussi, C. F. & Ortiga, A. M. B. (2020). Análise dos instrumentos de gestão elaborados pelas Secretarias Municipais de Saúde de Santa Catarina no período de 2014 a 2017. Saúde em Debate, 44(126), 857-870. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012620

Garcia, P. T. & Reis, R. S. (2016). Gestão Pública em Saúde: O plano de saúde como ferramenta de gestão. EDUFMA.

Garnelo, L., Sousa, A. B. L. & Silva, C. de O. da. (2017). Regionalização em Saúde no Amazonas: avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva. 22(4):1225-1234. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.27082016

Gomes, E. G. M. (2009). Gestão por Resultados e eficiência na Administração Pública: uma análise à luz da experiência de Minas Gerais. EAESP/FGV.

Gonçalves, N. V. & Gasparetto, D. (2008). Modelo de análise espaço-temporal da prevalência da malária, no município de Bragança e Augusto Correa, PA, no período de 2001 a 2006. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. 12(270):1-7. Modelo de análise espaço-temporal da prevalência da malária, no município de Bragança e Augusto Correa – PA, no período de 2001 a 2006 (ub.edu)

Habimorad, P. H. L., Catarucci, F. M., Bruno, V. H. T., Beteto, I. S., Fernandes, V. C., Demarzo, M. M. P., Spagnuolo, R. S. & Patricio, K. P. Potencialidades e fragilidades de implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares: revisão narrativa. Cien Saude Colet. 25(2):395-405. https://doi.org/10.1590/1413-81232020252.11332018

Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE). (2021). Município de Augusto Corrêa. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/augusto-correa/panorama

Kleba, M. E., Krauser, I. M. & Vendruscolo, C. (2011). O planejamento estratégico situacional no ensino da gestão em saúde da família. Texto & Contexto – Enfermagem. 20(1):184-193. https://doi.org/10.1590/S0104-07072011000100022

Kleinert, S. & Horton, R. (2011). Brasil: no caminho da sustentabilidade e da igualdade na saúde. Lancet. 1:1-3. 11.

Landmann-Szwarcwald, C. & Macinko, J. (2016). A panorama of health inequalities in Brazil. Int J Equity Health. 15(1):174. 10.1186/s12939-016-0462-1

Lima, L. D. et al. (2019). Arranjos regionais de governança do Sistema Único de Saúde: diversidade de prestadores e desigualdade espacial na provisão de serviços. Cadernos de Saúde Pública. 35(2). https://doi.org/10.1590/0102-311X00094618

Limberger, J. B., Carpes, A. D., Noal, C. B. & Werlang, M. C. Gestão da assistência farmacêutica em hospital de ensino: a contribuição do planejamento estratégico situacional. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde. 13(2). https://doi.org/10.21450/rahis.v13i2.3114

Lucena, K.D.T., Deininger, L.S., Silva, E.A., Figueiredo, D.C.M., Pereira, A.J. & Vianna, R.P.T. (2014). Sala de situação em saúde como ferramenta de gestão: planejamento das ações no território. Rev enferm UFPE. 8(3):702-8. DOI: 10.5205/reuol.5149-42141-1-SM.0803201427

Macinko, J. & Mendonça, C. S. (2018). Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde debate. 42:18-37. https://www.scielo.br/j/sdeb/a/Kr7jdgRFHmdqnMcP3GG8JTB/?format=pdf

Mallmann, E. M. (2015). Pesquisa-ação educacional: preocupação temática, análise e interpretação crítico-reflexiva. Cadernos de Pesquisa, 45(155), 76-98. http://dx.doi.org/10.1590/198053143088

Malta, D. C. et al. (2016). A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 21(2):327-338. https://doi.org/10.1590/1413-81232015212.23602015. ISSN 1678-4561. https://doi.org/10.1590/1413-

23602015.

Maschieto, F. (2018). Avaliação dos indicadores de estrutura, processo e resultado da assistência farmacêutica básica na região metropolitana de Campinas. Piracicaba. Dissertação (Mestrado profissional). Guerra, L. M. (Orientador). Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba. São Paulo. Ficha Catalográfica Online (core.ac.uk)

Mallmann, E. M. (2015). Pesquisa-ação educacional: preocupação temática, análise e interpretação crítico-reflexiva. Cadernos de Pesquisa, 45(155), 76-98. http://dx.doi.org/10.1590/198053143088

Matus, C. (1993). Política, planejamento e governo. Ipea. 1 & 2. Brasília. Brasília; IPEA; 1993. 591 p. ilus, graf.(IPEA, 143).

Minayo, M. C. S.; Costa, A. P. (2018). Fundamentos Teóricos das Técnicas de Investigação Qualitativa. Revista Lusófona de Educação, 40:139-153. ISSN 1645-7250

Montezano, L., Medeiros, B. N., Pinheiro, A. O. & Oliveira, C. A. A. M. de. (2018). Percepção de Servidores de uma Organização Pública Federal Quanto à Implantação da Gestão por Competências. Gestão E Sociedade. 13(34). https://doi.org/10.21171/ges.v13i34.2563

Moraes, D. A. F. (2020). Qualificação da assistência farmacêutica no município de Paraúna, Goiás. Paraúna. Paraúna. Projeto de Intervenção (Especialização). Ferraz, S. F. (Orientador). Escola de Saúde de Goiás: Superintendência da Escola de Saúde de Goiás Escola de Saúde de Goiás. 33p. Goiás. Brasil.

Moya, J., Santos, E. & Mendonça, A.V. (2009). Gestão do Conhecimento em Saúde no Brasil: avanços e perspectivas. Organização Pan-Americana da Saúde. Brasília. 9788579670039_por.pdf (paho.org)

Mucci, C. B. M. R. & Mafra. R. M. (2016). Pesquisa-ação e mediação dialógica como práticas metodológicas para emergência da ação comunicativa em Conselhos Gestores de Políticas Públicas. Rev. Adm. 50(1):107-128. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612136991

Navegantes, C. B. & Reis, N. M. G. (2017). Educação ambiental: uma abordagem sócio educativa na localidade de Pirateua, Augusto Correa/PA. Graduação. Belém. (Trabalho de Conclusão de Curso). Cardoso, V. A. (Orientador). Universidade Federal Rural da Amazônia. Curso de Pedagogia. Pará.

Neto, V. L. C. & Moura, G. L. (2019). Liderança e Autonomia nas novas formas de organização do trabalho: comparando empresas do porto digital de Pernambuco. Revista Gestão Organizacional, 12(4):63-93. 10.22277/rgo.v12i4.4803

Nora, L. C. D. (2016). A Assistência Farmacêutica no planejamento: relação entre a participação dos profissionais e a qualificação da gestão. Brasília. Dissertação (Mestrado). Universidade de Brasília: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde. Tavares, N. U. L. (Orientadora). Distrito Federal. Brasil.

Nora, L. C. D., Costa, K. S. Araújo, S. Q. & Tavares, N. U. L. (2019). Análise da assistência farmacêutica no planejamento: participação dos profissionais e a qualificação da gestão. Cadernos Saúde Coletiva. 27(3):278-286. https://doi.org/10.1590/1414-462X201900030359.

Organização das Nações Unidas (ONU). (2021). Objetivo de Desenvolvimento Sustentável: 3 Saúde e Bem-Estar. https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/3

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) (2014). Manual de planejamento, execução e avaliação de projetos da Representação da OPAS/OMS no Brasil/Organização Pan-Americana da Saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. 62. manual de planejamento 2015_a.pdf (paho.org)

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2010). Salas de Situação em Saúde: compartilhando as experiências do Brasil/Organização Pan-Americana da Saúde. Orgs. José Moya, et al. Organização Pan-Americana da Saúde, Ministério da Saúde. sala_situacao_saude_2010.pdf

Paim, J., Travassos, C., Almeida, C., Bahia, L. & Macinko, J. (2011). O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Lancet. 6736(11):60054-8. 925_brazil1.pdf (actbr.org.br)

Paiva, K. C. M. & Mageste, G. S. (2018). Gestão de competência profissionais: Estudo comparativo com Médicos e Enfermeiros de dois hospitais. Revisa de Administração e Inovação Hospitalar. 15(2). https://doi.org/10.21450/rahis.v15i2.4890

Pena, A.A. (2016). Boas Práticas de Governança e sua Aplicabilidade no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília. Monografia (Especialização). Universidade de Brasília: Curso de Especialização em Gestão Pública na Saúde. Menelau, S. (Orientadora). Distrito Federal. Brasil. https://bdm.unb.br/bitstream/10483/14307/2/2016_AlexandreAntunesPena_tcc.pdf

Pereira, B. dos S. & Tomasi, E. (2016). Instrumento de apoio à gestão regional de saúde para monitoramento de indicadores de saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 25(2):411-418. https://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742016000200019

Pereira, C. M. S. & Fernandes, C. S. E. (2017). Avaliação do ciclo da Assistência Farmacêutica nas farmácias hospitalares de Mogi Guaçu e Mogi Mirim – SP. FOCO: Caderno de Estudos e Pesquisas. 12:73-91. avaliação do ciclo da assistência farmacêutica nas farmácias hospitalares de mogi guaçu e mogi mirim- sp | pereira | foco: caderno de estudos e pesquisas (revistafoco.inf.br)

Pereira, F. Z., Araújo, A. G., Santos, A. M., Naves Silva, L. M. N., Oliveira, L. P. L., Lopes, P. V., Souto, R. & Lima, H. (2021). Mortalidade Infantil e sua relação com as políticas públicas em saúde sob o olhar dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Estado de Goiás. Brazilian Journal of Health Review. 4(1):3331-3348. DOI:10.34119/bjhrv4n1-262

Pinto, V. B. (2016). Armazenamento e distribuição: o medicamento também merece cuidados. OPAS/OMS-Representação Brasil. 1(12). Fasciculo 012a.pdf (paho.org)

Prata, N., Passano, P., Rowen, T., Bell. S., Walsh, J., & Potts. M. (2011). Where there are (few) skilled birth attendants. J Health Popul Nutr. 29(2):81-91. 10.3329/jhpn.v29i2.7812

Preuss, L. T. (2011). O pacto pela saúde nas cidades-gêmeas da fronteira do Rio Grande do Sul com a Argentina e o Uruguai. Doutorado (Tese). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Fernandes, I. (Orientadora). Porto Alegre. Brasil.

Preuss, L. T. (2018). A gestão do Sistema Único de Saúde no Brasil e as regiões de fronteira em pauta. Rev. Katálysis. 21(2):324-335. https://doi.org/10.1590/1982-02592018v21n2p324

Ramos Junior, I. De O., Neto, M. T. R., Kilmnik, Z. M. & Souki, G. Q. (2016). Liderança organizacional: um levantamento bibliográfico. Universitas Gestão e TI. 6(2):87-95. 10.5102/un.gti.v6i2.4189

Reis, A. M. M. & Perini, E. (2008). Desabastecimento de medicamentos: determinantes, consequências e gerenciamento. Cien. Saúde Colet. 13 (suppl):603-610. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000700009

Reis, B. O., Esteves, L. R. & Greco, R. M. (2018). Avanços e desafios para a implementação das práticas integrativas e complementares no Brasil. Rev. APS. 21(3):355 - 364. Vista do avanços e desafios para a implementação das práticas integrativas e complementares no brasil (ufjf.br)

Ribeiro, R. A. A. (2021). Atuação dos auditores internos em organizações de saúde do poder Executivo Federal Brasileiro. Pubsaúde. 5:a101. https://dx.doi.org/10.31533/pubsaude5.a101.

Rodrigues Martins, P. C., Jardim Cury Pontes, E. R., & Higa, L. T. (2018). Convergência entre as Taxas de Mortalidade Infantil e os Índices de Desenvolvimento Humano no Brasil no período de 2000 a 2010. Interações (Campo Grande): 19(2):291-303. https://doi.org/10.20435/inter.v19i2.1552

Roque, E. S. (2017). Assistência farmacêutica: um perfil da gestão municipal. Cuiabá. (Trabalho de Conclusão de Curso). Curso de Saúde Coletiva. Galvão, N. D. (Orientador). Universidade Federal de Mato Grosso. Mato Grosso.

Santos Neto, J. A., Mendes, A. N., Pereira, A. C. & Paranhos, L. R. (2017). Análise do financiamento e gastos do Sistema Único dos municípios da região de saúde Rota dos Bandeirantes do estado de São Paulo. Ciências e Saúde coletiva. 22(4): 1269-1280. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.28452016

Santos, C. L., Santos, P. M., Pessali, H. F. & Rover, A. J. (2020). Os conselhos de saúde e a publicização dos instrumentos de gestão do SUS: uma análise dos portais das capitais brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva. 25(11):4389-4399. https://doi.org/10.1590/1413-812320202511.00042019

Santos, L. (2017). Região de saúde e suas redes de atenção: modelo organizativo sistêmico do SUS. Ciência e Saúde Coletiva. 22(4):1281-1189. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.26392016

Silva, C. R., Souza, T. C. de, Lima, C. M. B. L., & Silva Filho, L. B. e. (2018). Fatores associados à eficiência na Atenção Básica em saúde, nos municípios brasileiros. Saúde Em Debate. 42(117):382–391. https://saudeemdebate.org.br/sed/article/view/205

Silva, I. C. M., Restarepo-Mendez, M. C., Costa, J. C., Ewerling, F., Hellwig, F., Ferreira, L. Z., Ruas, L. P. V., Joseph, G. & Barros, A. J. D. (2018). Mensuração de desigualdades sociais em saúde: conceitos e abordagens metodológicas no contexto brasileiro. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 27(1):e000100017. https://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000100017

Silva, R. M. da., Pereira, N. C., Mendes, L. V. P. & Luiza, V. L. (2016). Assistência farmacêutica no município do Rio de Janeiro, Brasil: evolução em aspectos selecionados de 2008 a 2014. Ciência & Saúde Coletiva. 21(5):1421-1432. 10.1590/1413-81232015215.27692015

Soler, O., Sinimbu, A. V., Figueiredo, D. C., Vieira, H. K. S., Galucio, N. C. R., Pinheiro, P. N. Q., Sena, S. S. I., Silva, V. G., Vieira, V. M. B., & Ledo, Y. (2017). A reorientação da assistência farmacêutica na secretaria municipal de saúde de Belém (PA): Relato de experiência. Revista Eletrônica de Farmácia.14(4):41-55. https://doi.org/10.5216/ref.v14i4.45427.

Souza, G. S., Costa, E. A., Barros, R. D., Pereira, M. T., Barreto, J. L., Guerra-Junior, A. A., Acurcio, F.cA., Guibu, I. A., Álvares, J., Costa, K. S., Karnikowski, M. G. O., Soeiro, O. M., & Leite, S. N. (2017). Caracterização da institucionalização da assistência farmacêutica na atenção básica no Brasil. Revista de Saúde Pública. 51(supl. 2):7s. https://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007135

Teixeira, S. R., Teles, M. & Moreira, P. (2017). Avaliação do Perfil da Assistência Farmacêutica dos Munícipios do Sudoeste da Bahia. Id online. Revista de Psicologia. 11(38):454. 10.14295/idonline.v11i38.912.

Trevisan, L. & Junqueira, L. A. P. (2007). Construindo o “pacto de gestão” no SUS: da descentralização tutelada à gestão em rede. Ciênc. Saúde Colet. 12(4):893-902. 9.4 leonardo.pmd (scielo.br)

Uchimura, L. Y. T., Felisberto, E., Fusaro, E. R., Ferreira, M. P., & Viana, A. L. A. (2017). Evaluation performance in health regions in Brazil. Revista brasileira de saúde materno infantil. 17( suppl 1):S259-S270. 10.1590/1806-9304201700s100012

Venancio, S. I., Rosa, T. E. C., Sanches, M. T. C., Shigeno, E. Y. & Souza, J. M. P. (2016). Efetividade da Estratégia Saúde da Família sobre indicadores de saúde da criança no Estado de São Paulo. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 16(3): 283-293. https://doi.org/10.1590/1806-93042016000300004

Vicentine F. B., Delatorre, T. & Feltrin, A. F. S et al. (2018). Aspectos da gestão que influenciam o processo de planejamento municipal e regional do Sistema Único de Saúde. Medicina. 51(1):1-11. http://www.revistas.usp. br/rmrp/article/view/150073

Vieira, F. S. (2018). Evolução do gasto com medicamentos do Sistema Único no período de 2010 a 2016. Texto para Discussão, 2356, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Brasília. Distrito Federal. TD_2356.pdf (ipea.gov.br)

Wopereis, A. B. (2015). Avaliação da Assistência Farmacêutica de um município catarinense. Sete Lagoas. Graduação (Trabalho de Conclusão de Curso). (Orientador) Colussi, C. F. Universidade Federal de Santa Catarina. Curso de Farmácia. Santa Catarina.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. (5a ed.), Bookman.

Published

23/01/2022

How to Cite

FERREIRA, T. L. S. .; SILVA, T. C. M. .; COSTA, B. W. B. .; LIMA, G. C. de .; CASTANHO, K. C. de O. C. .; SOLER, O. Institutionalization of pharmaceutical care in the municipality of Augusto Corrêa, Pará. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e22611225610, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25610. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25610. Acesso em: 4 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences