Approaching the medical student to the community health problems: A look closely at self-medication prevention

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25687

Keywords:

Self-medication; Health promotion; Health education.

Abstract

Precariousness of health care, difficulties in emergency care affect society and prevent the immediate resolution of their health problems. Thus, when disease is present, the community resorts to different means to solve it, such as self-medication practice. The present study aimed to discuss quantitative and qualitative data resulting from a community intervention project involving Healthcare Units users and to promote pedagogical reflections in medical students professional training. This is a quantitative-qualitative cross-sectional study idealized from an intervention project focused in the conversation wheels. Absolute and relative frequency analyses were performed by Jamovi® program. The data obtained as a result of experiences from the project and information collected in all conversation rounds. It was recorded that 73% of Healthcare Units users knowing the self-medication risks, but even so, this practice is reported by 89% of them. The main reasons for self-medications: convenience in acquisition (72.3%), delay in outpatient care (33.2%) and difficult access to health professionals (27.7%). It was also observed that strategies used in the project made possible to promote social reflections through interactive dialogues focused on the causes and consequences of self-medication linking the community problems to the teaching-learning process of the students, resulting in a closer relationship between the students and community.

References

Amaral, O., Veiga, N., Nelas, P., Coutinho, E., & Chaves, C. (2019). Automedicação na comunidade: um problema de saúde pública. International Journal of Developmental and Educational Psychology. Revista INFAD de Psicología, 3(1), 423-432.

Andrade, S. M., Cunha, M. A., Holanda, E. C., Coutinho, G. S. L., Verde, R. M. C. L, & Oliveira, E. H. (2020). Caracterização do perfil das intoxicações medicamentosas por automedicação no Brasil, durante o período de 2010 a 2017. Research, Society and Development, 9(7), 1-16.

Araújo, A. P. (2014). Estudos brasileiros sobre automedicação: uma análise da literatura. Monografia (Bacharelado em Farmácia), Universidade de Brasília, Brasília, BSB, Brasil. https://bdm.unb.br/handle/10483/8734

Arrais, P. S. D., Fernandes, M. E. P., Dal Pizzol, T. S., Ramos, L. R., Mengue., S. S., Vera, L. L., Tavares, N. U. L., & Farias, M. R. (2016). Prevalence of self-medication in Brazil and associated factors. Revista de Saúde Pública, 50 (supl 2:13s), 1s-11s.

Boing, A. F., Matos, I. B., Arruda, M. P., Oliveira, M. C., & Njaine, K. (2010). Prevalência de consultas médicas e fatores associados: um estudo de base populacional no sul do Brasil. Revista da Associação Médica Brasileira, 56(1), 41-6.

Brasil. (2016). Casos, Óbitos e Letalidade de Intoxicação Humana. Recuperado 25 de novembro, 2021, de https://sinitox.icict.fiocruz.br/dados-nacionais.

Brito-Silva, A. L., Sousa, S. C., Chaves, A. C. F., Sousa, S. G. C., Andrade, T. M., & Filho, D. R. R. (2019). Importância da Extensão Universitária na Formação Profissional: Projeto Canudos. Revista de Enfermagem UFPE on line, 13(e242189), 1-8.

Cortez, A. C. L., Silva, C. R. L., Silva, R. C. L., & Dantas, H. M. (2019). Aspectos gerais sobre a transição demográfica e epidemiológica da população brasileira. Enfermagem Brasil, 18(5), 700-709.

Dias-da-Costa, J. S., Gigante, D. P., Horta, B. L., Barros, F. C., Victora, C. G. (2008). Utilização de serviços de saúde por adultos da coorte de nascimentos de 1982 a 2004-5, Pelotas, RS. Rev Saúde Pública. 42(Suppl 2), 51-9).

Feitosa, A. L. F., Silva, F. L., Santos, K. S. O. Silva, L. K. G., Rocha., M. C. G., & Andrade, M. F. L. O. (2019). Sala de espera: estratégia de educação em saúde no contexto da atenção básica. Revista Brasileira de Educação e Saúde, 9(2), 67-70.

Lima, M. G., Álvares, J., Junior, A. A. G., Costa, E. A., Guibu, I. A., Soeiro, O. M., Leite, S. N., Karnikowski, M. G. O., Costa, K. S., & Acurcio, F. A. (2017). Indicadores relacionados ao uso racional de medicamentos e seus fatores associados. Revista de Saúde Pública, 51(Supl 2:23s), 1s-9s.

Matos, J. F., Pena, D. A. C., Parreira, M. P., Santos, T. C., & Coura-Vital, W. (2018). Prevalência, perfil e fatores associados à automedicação em adolescentes e servidores de uma escola pública profissionalizante. Cadernos Saúde Coletiva, 26 (1): 76-83.

Melo, E. S. (2019). Roda de Conversa como Estratégia para Gestão e Educação Permanente em Saúde. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 4(2), 1152–1159.

Melo, J. R. B., Duarte, E. C., Moraes, M. V., Fleck, K., & Arrais, P. S. D. (2021). Automedicação e uso indiscriminado de medicamentos durante a pandemia da COVID-19. Cadernos de Saúde Pública, 37(4), 1-5.

Oliveira, J. V. L., Costa, F. B., Porfírio, V. N., Silva, M. M. M., Cunha, A. B. O. C., Silva, N. C., Nascimento, V. J. O. A., França, A. M. M., Melo, M. L. R. S., Silva, R. F. C., Costa, M. D. T., & Filho, L. S. S. (2021). A automedicação no período de pandemia de COVID-19: Revisão integrativa. Research, Society and Development, 10(3), 1-11.

Oliveira, V. C., Cavalcante, M. G., Vasconcelos, L. F. & Carvalho, A. M. R. (2018). Perfil da automedicação em uma farmácia comunitária no município de Itapipoca-CE. Revista Expressão Católica Saúde, 3(1), 64-70.

Pan American Health Organization. (2020). Ongoing living update of COVID-19 therapeutic options: summary of evidence. https://iris.paho.org/handle/10665.2/52719.

Paula, C. S., Costa, C. K., Miguel, M. D., Zanin, S. M. W., & Spinillo, C. G. (2009). Análise crítica de bulas sob a perspectiva do usuário de medicamentos. Visão Acadêmica, 10(2), 123-133.

Pinto, C. A. S. (2014). A indústria farmacêutica da américa latina: um estudo comparativo. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, SP, Brasil. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/115740.

Secoli, S. R., Marquesini, E. A., Fabretti, S. C., Corona, L. P., & Romano-Lieber, N. S. (2018). Tendência da prática de automedicação entre idosos brasileiros entre 2006 e 2010: Estudo SABE. Revista Brasileira de Epidemiologia, 21(suppl2:e180007. supl.2), 1-18.

Silva, I. D. D., Bezerra, I. N., M., Pimenta, I. D. S. F., Silva, G., Wanderley, V. B., Nunes, V. M. A., Souza, D. L. B., & Piuvezam, G. (2019). Acesso e implicações da automedicação em idosos na atenção primária à saúde. Journal Health NPEPS, 4(2), 132-150.

Silva, T. F. Q., Grillo, L. P., Lacerda, L. L. V., & Mezadri, T. (2020). Prevalência de automedicação e características de acesso a anti-inflamatórios em adultos no município de Navegantes, Santa Catarina. Revista Ciências em Saúde, 10(2), 20-27.

World Health Organization. (2020). Noncommunicable diseases: Progress monitor 2020. World Health Organization, 2020. https://www.who.int/publications/i/item/9789240000490.

Published

27/01/2022

How to Cite

RAETANO, M. da S. .; MATEUS, L. da S.; SANTANA, R. K. L. de; LIRA, P. G. B. .; LEITE, P. L. S. S. .; RIJO, M. de M.; LÓPEZ, J. C. C. .; MAFASSINI, N. F. .; CARMO, B. C. M. do; GOLZIO, A. M. F. de O.; SILVA, M. A. E. da. Approaching the medical student to the community health problems: A look closely at self-medication prevention . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e35411225687, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25687. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25687. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences