Knowledge of intensive care nurses from a public hospital about sepsis

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25767

Keywords:

Nursing; Sepsis; Nursing care; Intensive Care Unit.

Abstract

Objectives: To evaluate the intensivist nurses' knowledge about sepsis, to identify which nursing actions should be performed early regarding patients with suspected sepsis in the Intensive Care Unit, and to list the nurses' main difficulties in caring for patients with suspected or diagnosed sepsis. Method: This was a field, quantitative, descriptive and exploratory study. Data collection was performed from July to September 2021, by virtual means, in Google Forms© containing questions about the characterization of the population and sepsis. The study had a sample of 24 intensivist nurses working in a public hospital. Results: The mean number of correct answers for the applied questionnaire was 50.46% and although sepsis is a frequently discussed topic, nurses are unaware of the updated definition of sepsis according to the Latin American Institute of Sepsis, as well as identification of early signs and symptoms. It is noteworthy that the nurses obtained assertive answers regarding the actions performed daily in intensive care and is associated with care practice.  Conclusion: It is suggested that permanent education actions should be taken, as well as the elaboration of institutional protocols, in order to promote the updating of intensive care nurses, regarding sepsis in the care of critically ill patients.

References

Almeida, A. H. (2020). Mulheres negras e a realidade da enfermagem no Brasil. Conselho Federal de enfermagem, COFEN.

Branco, C. A., Costa, J. S., Arruda, G. B., Souza, W. G. A. A. G., Santos, A. M., Santos, F. G. T., Cruz, J. C. R., Cabral, L. E. S., Lopes, A. C., Nascimento, O. J. L. & Fonseca, M. M. R. F. F. (2021). Sepse- Conduta baseada no protocolo clínico utilizado na Unimed Recife. Revista Avanços em medicina 2021. 1 (1): 51-57.

Cárnio, E. C. (2019) Novas perspectivas no tratamento do paciente com sepse. Revista Latino Americano de Enfermagem.

Conselho Nacional de Saúde. (2013). Resolução nº 466/2012 que trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Ministério da Saúde.

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (2020). Sepse: um problema de saúde pública, a atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. COREN-São Paulo.

Duarte, R. T., Oliveira, A. P. A., Moretti, M. M. S. & Urbanetto, J. S. (2019). Associação dos fatores demográficos, clínicos e do desfecho de pacientes sépticos atendidos em uma emergência hospitalar. Revista de enfermagem da UFSM.

Ferreira, E. G. C., Campanharo, C. R. V., Piacezzi L. H., Rezende, M. C. B. T. L, Batista, R. E. A. & Miura, C. R. M. (2020). Conhecimento de enfermeiros de um serviço de emergência sobre sepse. Enfermagem em foco. 11(3): 210-217.

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2009) Métodos de Pesquisa. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Editora UFRGS.

Hospital do Coração HCOR (2020). Protocolo gerenciado da sepse. Associação beneficente Síria. Instituto Latino Americano de Sepse ILAS (2015). Sepse: um problema de saúde pública. Conselho federal de medicina.

Instituto Latino Americano de Sepse. (2015). Sepse: Um problema de Saúde pública. Conselho Federal de Medicina.

Instituto Latino Americano de Sepse. (2018). Implementação de protocolo gerenciado de sepse, protocolo clínico, atendimento ao paciente adulto com sepse/choque séptico. Instituto Latino Americano de Sepse.

Lobo, S. M., Rezende, E., Mendes, C. L. & Oliveira, M. C. (2019). Mortalidade por sepse no Brasil em um cenário real: projeto UTIs Brasileiras. Revista Brasileira de Terapia Intensiva.

Kny, K. T., Ferreira, M. A. P. & Pizzol, T. S. D. (2018). Utilização da vasopressina no tratamento de choque séptico refratário. Revista brasileira de terapia intensiva, 30 (04): 423-428.

Machado, H. M., Wilson, A. F., Lacerda, W. F., Oliveira, E.; Lemos, W., Wermelinger, M., Vieira, M., Santos, M. R., Junior, P. B. S., Justino, e., & Barbosa, C. (2015). Características gerais da enfermagem: O perfil sócio demográfico. Enfermagem em Foco 6 (1/4): 11-17.

Machado, R. R., Assunção, M. S. C., Cavalcanti, A. B., Japiassu, A. M., Avezedo, L. C. P. & Oliveira, M. C. (2016). Chegada a um consenso: vantagens e desvantagens do sepsis 3 considenrando países de recursos limitados. Revista brasileira de terapia intensiva. 2016;28(4): 361-365.

Maioline, B. B. N., Pinto, R. L., Forato, K. F., Rodrigues, M. V. P., Rossi, R. C, Santos, E. C. N. & Giuffrida, G. (2020) Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em unidade de terapia intensiva de um hospital de ensino. Revista Colloq Vitae. 12 (3): 47-64.

Ministério da Saúde. (2013). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Conselho Nacional de Saúde.

Ospina-Táscon, G. A. & Madriñán-Navia, H. (2015). A ressuscitação volêmica na sepse grave e choque séptico deve ser guiada pela microcirculação? Revista brasileira de terapia intensiva. 27(2):92-95.

Reiner, G. L., Vietta, G. G., Vignardi, D., Gama, F. O. & Klingelfus,F. S. (2020). Desfecho clínico e fatores associados ao óbito em pacientes com sepse internados em unidade de terapia intensiva. Revistas arquivos catarinenses de medicina. 49 (1): 02-09.

Rodrigues, J. C., Santos, P. P. M. & Aben-Athar, C. Y. U. P. (2019). As estratégias utilizadas pelo enfermeiro na identificação da sepse em pacientes internados nas unidades de terapia intensiva. Revista cientifica multidisciplinar núcleo do conhecimento, 06, 05-31.

Santos, M. C. S., Sanches, C. T., Moraes, U. R. O., Albanese, S. P. R., Carrilho, C. M. D. M., Volpato, M. P. & Grion, C. M. C. (2019). Aspectos clínicos e procedência de pacientes sépticos atendidos em um hospital universitário. Acta Paulista de Enfermagem. São Paulo, 2019-1

Silva, D. F., Brasil, M. H. F., Santos, G. C., Guimarães, K. S. L., Oliveira, F. M. R. L., Leal, N. P. R., Gomes, G. L. L. G. & Barbosa, K. T. F. (2021). Conhecimento de enfermeiros emergencistas acerca do protocolo clínico de sepse. Revista de enfermagem online, 2021. 15, e245947.

Silva, E. F. G. C, Silva, J. L. L., Santos, L. C. G., Dias, A. L. P., Almeida, G. L., Silva, J. V. L. & Soares L. S. (2020). Atuação do enfermeiro na unidade de terapia intensiva identificação dos sinais e sintomas da sepse. Revista de pesquisa, sociedade e desenvolvimento.

Souza, T. V., Melchior, L. M. R., Bezerra, M. L. R., Filha, F. S. S. C., Santos, O. P., Pereira, M. C., Féliz, K. C. & Filho, I. M. M. (2020). Conhecimentos de enfermeiros sobre sepse e choque séptico em um hospital escola. Journal Health NPEPS. 5:132-146.

Taniguchi, L. U., Azevedo, L. C. P., Bozza, F. A., Cavalcanti, A. B., Ferreira, E. M., Carrara, F. S. A., Sousa, J. L., Salomão, R. & Machado, F. R. (2019). Disponibilidade de recursos para tratamento da sepse no Brasil: uma amostra aleatória de instituições brasileiras. Revista Brasileira de Terapia Intensiva.

Published

24/01/2022

How to Cite

SILVA, K. B. .; NOGUEIRA, V. de O. . Knowledge of intensive care nurses from a public hospital about sepsis. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e26911225767, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25767. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25767. Acesso em: 20 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences