Nursing workload of adult patients hospitalized in an emergency room of a high complexity teaching hospital

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.26054

Keywords:

Workload; Nursing; Patient safety; Emergency room; Administration.

Abstract

Introduction: Recognizing the types of care and workload and their oscillation in time in high complexity emergency rooms and their determinants are essential in care management. Despite this there is a scarcity of these data in the literature. Objective: Evaluating the nursing workload of adult patients hospitalized in 2013 and 2019 in different sectors of an emergency room of a teaching hospital of high complexity and open door. Methodology: The types of care, the degree of complexity and the scores of the instrument of the Santos Patient Classification System for adult patients admitted to the emergency room as a function of the subunit were evaluated. Results: The type of care was dependent on the year of sampling for the General Emergency Room, with the high dependence predominated (X2= 11.43; d.f. = 4; p = 0.022) and for the Clinical Emergency Room with a predominance of intensive care (G = 15.45; d.f. = 4; p = 0.004); while it was not dependent on Clinical-Surgical hospitalization, with the intermediate predominated (G = 1.11; d.f. = 4; p = 0.892). The type of care oscillated between the subunits and reflected the care provided in these units, evidenced when the degree of complexity of care in each subunit was evaluated. Discussion and Conclusion: The results demonstrated the need to evaluate each subunit of the emergency room independently and in time, since they presented different workload profiles. This reflects the specialization, organizational and administrative structure of the emergency room in high complexity units; with a strong impact on patient safety.

Author Biographies

Iolanda Alves Braga, Universidade Federal de Uberlândia

Hospital de Clínicas de Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil

Anna Claúdia Yokoyama dos Anjos, Universidade Federal de Uberlândia

Enfermagem, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Frank José Silveira Miranda, Universidade Federal de Uberlândia

Enfermagem, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Arthur Velloso Antunes, Universidade Federal de Uberlândia

Enfermagem, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Fabiola Alves Gomes, Universidade Federal de Uberlândia

Enfermagem, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil

Clesnan Mendes-Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia

Enfermagem, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

References

Almeida Júnior, E. R., de Oliveira, D. B., dos Santos, G. R., de Oliveira Felice, R., Gomes, F. A., & Mendes-Rodrigues, C. The 4-year experience of Nursing Activities Score use in a Brazilian cardiac intensive care unit. International Journal for Innovation Education and Research, 9(5), 382–401 https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss5.3105.

Antunes et al. (2013). Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem (Relatório Técnico). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia - Hospital de Clínicas de Uberlândia, 2013. 93 p.

Antunes, A. V., & Costa, M. N. (2003). Nursing staff dimensioning at a university hospital. Revista Latino-americana de Enfermagem, 11(6), 832-839. https://doi.org/10.1590/S0104-11692003000600019.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2010). Resolução RDC nº 7 de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Diário Oficial da União. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html.

BRASIL. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. Brasília, DF, 1986. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7498.htm

BRASIL. Ministério da Saúde. Terminologia básica em saúde. 1987. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0112terminologia1.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº. 2048, de 5 de novembro de 2002. Aprova o regulamento técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Brasília; 2002. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html.

Bueno, A. D. A., Bernardes, A., (2010). Emergency medical service nursing staff perceptions about nursing management. Texto & Contexto-Enfermagem, 19(1), 45-53, 2010. https://www.scielo.br/j/tce/a/GRk3jbchCzWrpQx8JVYYSsf/?lang=pt.

Castro, Meire & Almeida, Priscila & Dell'Acqua, Magda & Spiri, Wilza & Cyrino, Claudia & Jensen, Rodrigo. (2020). Avaliação temporal da carga de trabalho de enfermagem em UTI. Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. 10, 3-10. https://doi.org/10.24276/rrecien2020.10.32.3-10

Casarolli, A. C. G., Eberhardt, T. D., Nicola, A. L., & Fernandes, L. M. (2015). Nível de complexidade assistencial e dimensionamento de enfermagem no Pronto-Socorro de um hospital público. Revista de Enfermagem da UFSM, 5(2), 278-285. http://dx.doi.org/10.5902/2179769216811.

Clopton, E. L., & Hyrkäs, E. K. (2020). Modeling emergency department nursing workload in real time: An exploratory study. International Emergency Nursing, 48, 100793. https://doi.org/10.1016/j.ienj.2019.100793

Crane, P. W., Zhou, Y., Sun, Y., Lin, L., & Schneider, S. M. (2014). Entropy: A conceptual approach to measuring situation-level workload within emergency care and its relationship to emergency department crowding. The Journal of emergency medicine, 46(4), 551-559. http://dx.doi.org/10.1016/j.jemermed.2013.08.113

Conselho Federal de Enfermagem (2004). Resolução COFEN nº 293/2004. Fixa e estabelece parâmetros para o dimensionar o quantitativo mínimo dos diferentes níveis de formação dos profissionais de enfermagem para a cobertura assistencial nas instituições de saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF). https://www.portalcoren-rs.gov.br/docs/Dimensionamento/RESOLUCAO2932004.pdf

Conselho Federal de Enfermagem (2017). Resolução COFEN 543/2017. Atualiza e estabelece parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas atividades de enfermagem. Brasília (DF): COFEN. http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-5432017_51440.html.

Fernandes, C. O., Nascimento, A. B., Reis, L. E. A., Abreu, G. R., Freitas, S. L.F., & Nascimento, D. K. B. (2018). Sistema de classificação de paciente: aplicação prática em uma maternidade. In: Anais do Congresso Brasileiro de Enfermagem Obstétrica e Neonatal. Anais. Campo Grande(MS) CCARGC. https://www.even3.com.br/anais/cobeon/68727-sistema-de-classificacao-de-paciente--aplicacao-pratica-em-uma-maternidade/.

Fugulin, F. M. T. (2002). Dimensionamento de pessoal de enfermagem: avaliação do quadro de pessoal das unidades de internação de um hospital de ensino (Doctoral dissertation, Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo.).

Fugulin, F. M. T., Gaidzinski, R. R., & Kurcgant, P. (2005). Sistema de classificação de pacientes: identificação do perfil assistencial dos pacientes das unidades de internação do HU-USP. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13, 72-78. https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000100012 .

Girardi, C., Feldhaus, C., de Oliveira, J. L. C., Schran, L. S., da Luz, M. P., Tonini, N. S., & Bordin, V. (2018). Dimensionamento de pessoal de enfermagem em pronto-socorro hospitalar. Revista de Administração em Saúde, 18(71). http://dx.doi.org/10.23973/ras.71.95.

Guedes, H. M., Ribeiro, L. C. C., Guedes, C. F., Cruz, P. H., & Aguiar, D. N. (2016). Sistema de Classificação de Pacientes: identificação da complexidade assistencial de pacientes em diferentes clínicas de internação. Revista Cientifica Vozes dos Vales, 09(5), 1-13. http://site.ufvjm.edu.br/revistamultidisciplinar/files/2016/06/Liliane.pdf.

Goulart, L. L., Aoki, R. N., Vegian, C. F. L., & Guirardello, E. B. (2014). Carga de trabalho de enfermagem em uma unidade de terapia intensiva de trauma. Revista Eletrônica de Enfermagem, 16(2), 346-51. https://doi.org/10.5216/ree.v16i2.22922.

HCU - Hospital de Clínicas de Uberlândia. Institucional. 2009. http://www.hc.ufu.br/pagina/institucional.

Kochhann, D. S., & Figueiredo, A. E. P. L. (2020). Enfermagem no transplante renal: comparação da demanda de cuidado entre escalas. Acta Paulista de Enfermagem, 33, eAPE20180220. https://doi.org/10.37689/acta-ape/2020AO0220 .

Konder, M., & O’Dwyer, G. (2019). As Unidades de Pronto Atendimento como unidades de internação: fenômenos do fluxo assistencial na rede de urgências. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 29, e290203. https://doi.org/10.1590/S0103-73312019290203.

Laurell, A. C., & Noriega, M. (1989). Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário (pp. 99-144). Hucitec. https://www.forumat.net.br/at/sites/default/arq-paginas/laurel_e_noriega_processo_de_producao_e_saude.pdf

Lorenzetti, J., Oro, J., Matos, E., & Gelbcke, F. L. (2014). Organização do trabalho da enfermagem hospitalar: abordagens na literatura. Texto & Contexto - Enfermagem, 23(4), 1104-1112. https://doi.org/10.1590/0104-07072014001510012 .

Lorenzetti, J., Gelbcke, F. L., & Vandresen, L. (2016). Management technology for hospital inpatient care units. Texto & Contexto - Enfermagem 25, 02, :e1770015. https://doi.org/10.1590/0104-07072016001770015.

HCU - Hospital de Clínicas de Uberlândia. Institucional. 2009. http://www.hc.ufu.br/pagina/institucional.

Magalhães, A. M. M. D., Dall'Agnol, C. M., & Marck, P. B. (2013). Nursing workload and patient safety-a mixed method study with an ecological restorative approach. Revista Latino-americana de Enfermagem, 21, 146-154. https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000700019 .

Mendes-Rodrigues, C.; Antunes, A. V.; Mendonca, G. S.; Braga, I. A.; Gomes, F. A.; & Carbonari, K. F. B. S. F. (2017). Perfil de uma unidade de dor torácica em um hospital universitário quanto ao tipo de cuidado. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), 27, 4, 163-167. http://dx.doi.org/10.29381/0103-8559/20172704S163-7.

Mendes-Rodrigues, C., Antunes, A. V., Mendonça, G. S., Gomes, F. A., Pereira, E. B. S., de Sousa Neto, R. L., & Da Silva, D. V. (2018). Quality indicators applied in a nursing continuing education program of a high complexity university hospital from Brazil: IV-training indicator versus sizing and workload. Bioscience Journal, 34(2), 465-476. https://doi.org/10.14393/BJ-v34n2a2018-36952

Moraes, R. M. R., Nishiyama, J. A. P., Báo, A. C. P., Costa, F. M. D., Aldabe, L. N., & Oliveira, J. L. C. D. (2021). Sizing of nursing staff in clinical, surgical and pediatric hospitalization units. Texto & Contexto-Enfermagem, 30. e20200377 https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2020-0377

Nicola, A. L., & Anselmi, M. L. (2005). Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital universitário. Revista Brasileira de Enfermagem, 58, 186-190. https://doi.org/10.1590/S0034-71672005000200011

Nogueira, T. D. A., Menegueti, M. G., Perdoná, G. D. S. C., Auxiliadora-Martins, M., Fugulin, F. M. T., & Laus, A. M. (2017). Effect of nursing care hours on the outcomes of intensive care assistance. PloS one, 12(11), e0188241. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0188241.

Ohara, R., Melo, M. R. A. D. C., & Laus, A. M. (2010). Caracterização do perfil assistencial dos pacientes adultos de um pronto socorro. Revista Brasileira de Enfermagem, 63, 749-754. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000500009 .

Oliveira, A. C. D., Garcia, P. C., & Nogueira, L. D. S. (2016). Carga laboral de enfermería y ocurrencia de eventos adversos en los cuidados intensivos: revisión sistemática. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(4), 683-694. https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000500020 .

Paixão, T. C. R. D., Campanharo, C. R. V., Lopes, M. C. B. T., Okuno, M. F. P., & Batista, R. E. A. (2015). Dimensionamento de enfermagem em sala de emergência de um hospital-escola. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49, 481-487. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000300017.

Pedro, D. R. C., Silva, G. K. T. D., Molin, T. D., Oliveira, J. L. C. D., Nicola, A. L., & Tonini, N. S. (2016). Conhecimento do paciente sobre a assistência hospitalar recebida durante sua internação. Revista Mineira de Enfermagem, 20, 1-8. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20160048.

Perroca, M. G., & Gaidzinski, R. R. (1998). Sistema de classificação de pacientes: construção e validação de um instrumento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 32, 153-168. https://doi.org/10.1590/S0080-62341998000200009.

R Core Team (2021). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. http://www.R-project.org/.

Rossetti, A. C., Gaidzinski, R. R., & Fugulin, F. M. T. (2013). Carga de trabalho de enfermagem em pronto-socorro geral: proposta metodológica. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21, 225-232. https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000700028.

Rossetti, A. C., Gaidzinski, R. R., & Bracco, M. M. (2014). Determinação da carga de trabalho e do dimensionamento da equipe de enfermagem em um pronto-socorro pediátrico. Einstein (São Paulo), 12, 217-222. https://doi.org/10.1590/S1679-45082014AO2945 .

Santos, F., Rogenski, N. M. B., Baptista, C. M. C., & Fugulin, F. M. T. (2007). Sistema de classificação de pacientes: proposta de complementação do instrumento de Fugulin et al. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15(5), 980-985. http://dx.doi.org/10.1590/S0104- 11692007000500015

Santos, M. P. (2020). Perfil das Unidades de Pronto Socorro de Pediatria e Enfermaria de Pediatria em um Hospital Universitário quanto ao tipo de cuidado. 46 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. http://clyde.dr.ufu.br/handle/123456789/29535.

Vandresen, L., Pires, D. E. P. D., Lorenzetti, J., & de Andrade, S. R. (2018). Classificação de pacientes e dimensionamento de profissionais de enfermagem: contribuições de uma tecnologia de gestão. Revista Gaucha de Enfermagem, 39, e2017-0107. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0107.

Zambonin, F., Lima, K. L. B., de Brito, A. R., de Brito, T. B., Amorim, R. F., & Caldart, R. V. (2019). Classificação dos pacientes na emergência segundo a dependência da enfermagem. Revista Enfermagem UFPE on line; 13, 4, 1133-114. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i04a236792p1133-1141-2019.

Zandomenighi, R. C., Mouro, D. L., Oliveira, C. A. D., & Martins, E. A. P. (2014). Cuidados intensivos em um serviço hospitalar de emergência: desafios para os enfermeiros. Revista Mineira de Enfermagem, 18(2), 404-425. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140031.

Published

05/02/2022

How to Cite

NASCIMENTO, L. I. P. G. do .; BRAGA, I. A. .; ANJOS, A. C. Y. dos .; MIRANDA, F. J. S. .; ANTUNES, A. V. .; GOMES, F. A. .; MENDES-RODRIGUES, C. . Nursing workload of adult patients hospitalized in an emergency room of a high complexity teaching hospital. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e55811226054, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.26054. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26054. Acesso em: 20 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences