A systematic review about the contribution of cooperatives to the sustainability of family-based agriculture

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.26098

Keywords:

Cooperativism; Management; Sustainable development.

Abstract

Family-based agriculture is essential for the economic and social development of society. Cooperatives are organizations that act directly to promote this development process, whether local, regional or national. This study aims to analyze the contribution of cooperatives to the sustainability of family-based agriculture. For this purpose, a systematic review research was carried out, using the Web Of Science database. Fourteen scientific articles compose this review. Cooperation can be seen as an effective way to organize sustainable rural development in a structurally way, and family-based agriculture is the main actor in this process. Thus, cooperatives contribute as institutions of strategic actions in the survival of family-based agriculture, organizing, mobilizing and expanding possibilities and opportunities, prioritizing strategies aimed at rural family development and sustainability. Results permeate between four main topics in the analyzed articles, namely: farmers' perception, cooperative practices, quality of life and management and satisfaction’s degree. It was also possible to perceive essential issues in the context of the insertion of the family farmer to the cooperative, generating more income, stability, security and prosperity on their properties, with the cooperative being seen as a way to promote the contribution in the boost of processes, social organization, management and economic information, as well as sustainable development.

Author Biographies

Willer Carlos de Oliveira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestrando em Desenvolvimento Rural Sustentável (UNIOESTE); Especialista em Filosofia, Sociologia e Ensino Religioso pela Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco (2010), em Métodos e Técnicas de Ensino - Tópicos Especiais de Metodologia de Ensino de Ciências Sociais pela UTFPR (2012) e em Educação a Distância pela UNOPAR (2015), Consultoria Empresarial pela Unipar, (2017) e Auditoria e Perícia Contábil FAVENI (2020). Graduado em História pela FAFIPA (2009), Ciências Contábeis UNESPAR (2013) e Administração UNICESUMAR (em andamento).

Geysler Rogis Flor Bertolini, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Docente do Doutorado em Desenvolvimento Rural Sustentável, do Mestrado Profissional em Administração, do Mestrado em Contabilidade, do Tecnólogo em Gestão Pública - EaD e do curso de Graduação em Administração da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Possui Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009), Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004), Graduação e Especialização em Administração de Empresas pela Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas de Rolândia (1998). Atualmente é Pró-Reitor de Administração e Finanças na UNIOESTE; Líder do Grupo de Pesquisa em Sustentabilidade - GPSA; Membro do Grupo Interdisciplinar e Interinstitucional de Pesquisa e Extensão em Desenvolvimento Sustentável e do Grupo de Pesquisa em Contabilidade e Finanças da Unioeste; Parecerista Ad Hoc para projetos da Fundação Araucária; Avaliador de Cursos (Bacharelados e Cursos Superiores de Tecnologia) do MEC-SINAES/INEP e presta assessoria para empresas. Bolsista Produtividade em Pesquisa (2019-2021) e em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão da Fundação Araucária (2013-2015). Já foi Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UNIOESTE, campus de Cascavel (2012-2019); editor Científico da ComSus - Revista Competitividade e Sustentabilidade; Presidente do Conselho Editorial da Revista Ciências Sociais em Perspectiva; membro do Comitê Gestor Municipal de Cascavel - PR e Pró-Reitor de Administração e Finanças na UNIOESTE (2008-2009). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração Financeira, atuando principalmente nos seguintes temas: operações financeiras, gestão ambiental, percepção e agricultura familiar.

References

Abramovay, R. M. (2010). Representatividade e inovação na governança dos processos participativos: o caso das organizações Brasileiras de agricultores familiares. Porto Alegre: Sociologias, 12(24), 268-306.

Acuña, N. R. F., & Marchant, C. (2016). ¿ Contribuyen las prácticas agroecológicas a la sustentabilidad de la agricultura familiar de montaña? El caso de Curarrehue, región de la Araucanía, Chile. Cuadernos de Desarrollo Rural, 13(78), 35-66.

Andrade, M. C., Alves, D.C. (2013). Cooperativismo e Agricultura familiar: Um Estudo de Caso. Revista de Administração IMED, 3(3), 194-208. https://doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v3n3p194-208. https://seer.imed.edu.br/index.php/raimed/article/view/374/167.

Baccar, M., Bouaziz, A., Dugué, P., Gafsi, M., & Le Gal, P. Y. (2020). Sustainability Viewed from Farmers’ Perspectives in a Resource-Constrained Environment. Sustainability, 12(20), 8671.

Bezerra, G. J.; Schlindwein, M. M. (2017). Agricultura familiar como geração de renda e desenvolvimento local: uma análise para Dourados, MS, Brasil. Revista INTERAÇÕES, 18(1), 3-15. http://www.scielo.br/pdf/inter/v18n1/1518-7012-inter-18-01-0003.pdf .

Bisht, I. S., Rana, J. C., & Pal Ahlawat, S. (2020). The future of smallholder farming in India: Some sustainability considerations. Sustainability, 12(9), 3751.

Boff, L. (2012). Sustentabilidade: o que é, o que não é. Vozes.

Brasil. (2018). Agricultura familiar do Brasil é 8ª maior produtora de alimentos do mundo. http://www.brasil.gov.br/noticias/economia-e-financas/2018/06/agricultura-familiar-brasileira-e-a-8a-maior-produtora-de-alimentos-do-mundo.

Brasil. Lei n° 11.326, de 24 de julho de 2006. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm.

Brasil. Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4504.htm.

Caires, T. C. L. (2012). Sustentabilidade como fator de transformação da cadeia de valor da pecuária de corte. Anais. VI ENAPEGS – Encontro Nacional de Pesquisadores em Gestão Social, São Paulo, Brasil, 21 a 23 de maio.

Castro, A. J., López-Rodríguez, M. D., Giagnocavo, C., Gimenez, M., Céspedes, L., La Calle, A., & Valera, D. L. (2019). Six collective challenges for sustainability of Almería greenhouse horticulture. International journal of environmental research and public health, 16(21), 4097.

Comissão Mundial Sobre O Meio Ambiente E Desenvolvimento. (1988). Nosso futuro comum. Fundação Getúlio Vargas.

Constanty, H. F. P.H., Zonin, W. J. (2016). Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e sustentabilidade: o caso do município de Marechal Cândido Rondon. DMA – Desenvolvimento e Meio Ambiente, 36. https://revistas.ufpr.br/made/article/view/39688.

Conterato, M. A., Schneider, S., & Waquil, P. D. (2010). Estilos de agricultura: uma perspectiva para a análise da diversidade da agricultura familiar. Ensaios FEE, 31(1).

Costabeber, J. A., & Caporal, F. R. (2003). Possibilidades e alternativas do desenvolvimento rural sustentável. Agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável no Mercosul. Santa Maria: Editora da UFSM/Pallotti, 157-194.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. (2017). The state of food and agriculture: innovation in family farming. Roma: FAO. http://www.fao.org.

Furtado, C. (1974). O mito do desenvolvimento econômico. Paz e Terra.

Galdeano-Gomez, E., Zepeda-Zepeda, J. A., VEGA-LÓPEZ, L. L., & PIEDRA-MUÑOZ, L. (2017). Family farm’s features influencing socio-economic sustainability: An analysis of the agri-food sector in southeast Spain. New Medit: Mediterranean Journal of Economics, Agriculture and Environment= Revue Méditerranéenne dʹEconomie Agriculture et Environment, 16(1), 50.

Hooks, T., Macken-Walsh, Á., McCarthy, O., & Power, C. (2017). Farm level viability, sustainability and resilience: a focus on co-operative action and values-based supply chains. Studies in Agricultural Economics, (119), 123-129.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). Área destinada à colheita, quantidade produzida e valor da produção da lavoura permanente. https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/1613.

Lakatos, E. M., Marconi, M. A. (1991). Fundamentos de metodologia. (3a ed.), Atlas.

Lourenzani, W. L. (2005). Modelo Dinâmico Para A Gestão Integrada Da Agricultura Familiar. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção). São Carlos, SP. UFSCAR.

Medeiros, A., Fernando. Q. P., Wellington. S., Souza, J. A. O., Deyvison L. (2012). Control and assessment of performance in family agriculture from the perspective of sustainability of farmers. Custos e @gronegócios online, 8(3).

Meinen, E., Port, M. (2012). O cooperativismo de crédito ontem, hoje e amanhã. CONFEBRAS.

Mello, R.L. (2007). Agricultura familiar sustentável e meio ambiente. http://agro.unitau.br:8080/dspace/handle/2315/137.

Melo, L. E. L., & Cândido, G. A. (2013). O uso do método idea na avaliação de sustentabilidade da agricultura familiar no município de Ceará-Mirim–RN. REUNIR Revista de Administração Contabilidade e Sustentabilidade, 3(2), 1-19.

Moura, L. G. V. (2002). Indicadores para a avaliação da sustentabilidade em sistemas de produção da agricultura familiar: o caso dos fumicultores de Agudo. Dissertação de mestrado. Desenvolvimento Rural. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Nascimento, F. S., Collado, Á. C., Benito, R. M. (2019). Economía social y solidaria y agroecología en cooperativas de agricultura familiar em Brasil como forma de desarrollo de una agricultura sostenible. Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, nº98. https://www.researchgate.net/publication/340379116_Economia_social_y_solidaria_y_agroecologia_en_cooperativas_de_agricultura_familiar_en_Brasil_como_forma_de_desarrollo_de_una_agricultura_sostenible.

Niederle, P.A. (2009). Mercantilização, estilos de agricultura e estratégias reprodutivas dos agricultores familiares de Salvador das Missões. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural. UFRGS, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Nogueira, J. M., Froehlich, A. G. (2008). Relação das inovações tecnológicas e do Meio Ambiente na agricultura do Estado de Mato Grosso: desafios para sustentabilidade. 115 f. Dissertação Mestrado em Economia. Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

OCB. (2019). Anuário do cooperativismo brasileiro. https://www.ocb.org.br/publicacao/53/anuario-do-cooperativismo-brasileiro-2019.

OCB. (2017). Fundamentos do cooperativismo. Sistema OCB.

OCB. (2019). Fundamentos do cooperativismo. https://www.ocb.org.br/publicacao/29/fundamentos-do-cooperativismo.

OCB. (2020). Organização das Cooperativas Brasileiras. https://www.ocb.org.br/.

Oliveira, A. F. S. (2007). A sustentabilidade da agricultura orgânica familiar dos produtores associados à APOI (associação dos produtores orgânicos da Ibiapaba-CE). 97f. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Ceará, Ceará, Brasil.

Reyes, S. R. C., Miyazaki, A., Yiu, E., & Saito, O. (2020). Enhancing sustainability in traditional agriculture: Indicators for monitoring the conservation of globally important agricultural heritage systems (GIAHS) in Japan. Sustainability, 12(14), 5656.

Riedner, L. N., Bertolini, G. R. F., Ribeiro, I., Brandalise, L. T. (2018). Avaliação da sustentabilidade da agricultura familiar no Oeste do Estado do Paraná, em propriedades produtoras de mandioca, considerando sua participação nas fecularias. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 8(1).

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Roos, E., Fischer, K., Tidåker, P., & Nordström Källström, H. (2019). How well is farmers’ social situation captured by sustainability assessment tools? A Swedish case study. International Journal of Sustainable Development & World Ecology, 26(3), 268-281.

Sampaio, R. F., & Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Brazilian Journal of Physical Therapy, 11(1), 83-89.

Schneider, S. (2003). Teoria social, Agricultura Familiar e pluriatividade. Revista brasileira de Ciências. Sociais, 18(51), 99-122

Schneider, S. (2010). Situando o desenvolvimento rural no Brasil: o contexto e as questões em debate. Brazilian Journal Of Political Economy, 30(3), 511-531.

Silva, R. A., & Torres, M. B. R. (2020). Sustentabilidade e educação ambiental na Agricultura familiar: o caso de uma cooperativa no semiárido potiguar. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 55.

Soler, E. G. (2006). Cooperativismo y globalización. Boletín de la Asociación Internacional de Derecho Cooperativo= International Association of Cooperative Law Journal, (40), 49-62.

Tierling, I. M. B. M. (2016). Ação Coletiva no contexto da agricultura familiar: um estudo na associação de produtores de Corumbataí do Sul. 158 f. Dissertação Mestrado em Desenvolvimento regional e do Agronegócio. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Toledo, Paraná, Brasil.

Veiga, J. E. (2010). Desenvolvimento sustentável o desafio do século XXI. Editora Garamond.

Vieira, P. G. L., Pinheiro, A. M. (2014). Cooperativismo passo a passo. Juruá.

Wiewiórska, A. W., Gajewska, A.K., & Sulewski, P. (2020). Between the social and economic dimensions of sustainability in rural areas—in search of farmers’ quality of life. Sustainability, 12(1), 148.

Wilkinson, J. (2003). Food Processing and Manufacturing in Developing Countries: Driving Forces and the Impact on Small Farms andFirms, FAO.

Wilkinson, J.; Castelli, G. P. (2002). A Transnacionalização da Indústria de Sementes no Brasil, Actionaid:

Wilkinson, J. (2002). The final foods industry and the changing face of the global agro–food system. Sociologia ruralis, 42(4), 329-346.

Published

30/01/2022

How to Cite

OLIVEIRA, W. C. de; BERTOLINI, G. R. F. A systematic review about the contribution of cooperatives to the sustainability of family-based agriculture . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e43411226098, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.26098. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26098. Acesso em: 20 feb. 2024.

Issue

Section

Review Article