Nurses' performance in relation to the quality of life of climacteric women with urinary incontinence: integrative literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26513

Keywords:

Urinary incontinence; Nursing; Pelvic floor; Quality of life.

Abstract

The objective was to identify UI as a factor associated with decreased QoL in climacteric women, and it became relevant to support strategies aimed at promoting health, relieving symptoms, preventing and controlling UI. And in this way, improve the QOL of these women with an inclusive, holistic and humanized approach. The final sample of this review consisted of nine articles dated between 1998 and 2021. In the selection of the materials used, the results obtained in the characterization of the scientific production on the forms of evaluation of the strength of the pelvic floor muscles and techniques of strengthening this, in women with UI. The current review showed that the publications carried out in this area, and especially by nurses, still have little representation, and that due to the relevance of the topic we need to develop other studies showing the relevance of the nurse's work, in the act of the nursing consultation and its legal support., evaluating the strength of the pelvic floor muscles, and if there is a detection of muscle weakness, start the guidance on the importance of muscle strengthening in the support and continence of Organs pelvic organs, in addition to guiding that this strengthening. Advise that it should be a supervised activity with the proper guidelines during consultations and in focus groups, in order to improve the QOL of the female population in general, with easy information, which convey security to women and encourage this treatment that allows maintaining the routine and social life of women.

References

Andrade, S. R. et al. (2017). O estudo de caso como método de pesquisa em enfermagem: uma revisão integrativa. Texto & contexto enferm. 26(4), e5360016.

Arruda, R. M. et al. (2007). Hiperatividade do detrusor: comparação entre oxibutinina, eletroestimulação funcional do assoalho pélvico e exercícios perineais. Estudo randomizado. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 29 (9).

Berquó, M. S. et al. (2013). Fisioterapia no tratamento da urgência miccional feminina. Rev. FEMINA. 41(2): 108-112.

Bertoldi, J. T. et al. (2014). Fisioterapia na incontinência urinária de esforço: revisão de literatura. Cinergis; 15(4): 224-229.

Botelho F. et al. (2007). Incontinência urinária feminina. Acta Urológica. 24(1): 79-82.

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Saúde sexual e reprodutiva. Caderno de Atenção Básica. Brasília - DF. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sal de_sexual_saude_reprodutiva.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2008). Manual de atenção à mulher no climatério/menopausa. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publi cacoes/manual_atencao_mulher_climaterio.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2016). Protocolos da atenção básica: saúde das mulheres. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/p rotocolos_atencao_basica_saude_mulheres.pdf

Caldas, C. P. et al. (2010). Terapia comportamental para incontinência urinária da mulher idosa: uma ação do enfermeiro. Texto Contexto Enferm, 19(4): 783-8.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. (2016). Parecer de câmara técnica nº 04/2016/CTAS/COFEN. http://www.cofen.gov.br/parecer-no-042016ctascofen_45837.html

Dreher, D. Z. et al. (2009). O fortalecimento do assoalho pélvico com cones vaginais: programa de atendimento domiciliar. Scientia Medica., 19(1): 43-49.

Ferreira M., SANTOS, P. (2009). Princípios da Fisiologia do Exercício no Treino dos Músculos do Pavimento Pélvico. Acta urológica., 26(3): 31-38.

Gonçales, A. T. et al. (2012). Avaliação da qualidade de vida após o uso da eletroestimulação associada a exercícios perineais de kegel no tratamento de incontinência urinária por esforço relato de caso. Revista Hórus, 7(2): 41-23.

Guarisi, T. et al. (2001). Incontinência urinária entre mulheres climatéricas brasileiras: inquérito domiciliar. Rev. Saúde Pública, 35(5): 428-435.

Gouveia, P. F. et al. (2013). Métodos de avaliação do assoalho pélvico. Moreira Jr. Editor, 70(6): 232-238.

Herrmann, V. et al. (2003). Eletroestimulação transvaginal do assoalho pélvico no tratamento da incontinência urinária de esforço: avaliações clínicas e ultrassonográficas. Rev. Assoc. Med., 49(4): 401-405.

Higa, R. et al. (2008). Fatores de risco para incontinência urinária na mulher. Rev. esc. enferm. USP, 42(1): 187-192.

Lopes, M. H. B. M. et al. (2017). Programa de reabilitação do assoalho pélvico: relato de 10 anos de experiência. Rev. Bras. Enferm., 70(1): 219-23.

Lucas, M. G. et al. (2012). diretrizes para incontinência urinária. Tradução da European Association of Urology - EAU, do “Guidelines Office”. https://uroweb.org/wp-content/uploads/Urinary-Incontinence-2012-pocket-1.pdf

Marques, K. S. F., Freitas, P. A. C. (2005). A cinesioterapia como tratamento da incontinência urinária na unidade básica de saúde. Fisioterapia em Movimento, 18(4): 63-67.

Matheus, L. M. et al. (2002). Influência dos exercícios perineais e dos cones vaginais, associados à correção postural, no tratamento da incontinência urinária feminina. Rev. bras. fisioter., 10(4): 387-392.

Morales, M. M. (2012). Incontinencia urinaria Femenina. Revista medica de costa rica y centroamerica, (602) 225-230.

Mourão, L. F. et al. (2017). Caracterização e Fatores de Risco de Incontinência Urinária em Mulheres Atendidas em uma Clínica Ginecológica. ESTIMA, 15(2): 82-91.

Netter, F. H. (2015). Atlas de anatomia humana. 6. ed. Brasil: Rio de Janeiro: Elsevier; 624p.

Oliveira, L. G. P. et al. (2018). Incontinência urinária: a atuação do profissional de enfermagem. Revista Eletrônica Acervo Saúde, (18), e118. https://doi.org/10.25248/reas.e118.2019

Paris. (2008). International Continence Society. Recommendations of the International Scientific Committee: evaluation and treatment of urinary incontinence, Pelvic Organ Prolapse and Faecal Incontinence. 4ª International Consultation on Incontinence.

Ramos, A. L., Oliveira, A. A. C. (2010). Incontinência urinária em mulheres no climatério: efeitos dos exercícios de kegel. Revista Hórus, 4(2): 264-275.

Santos Menezes, C. N. (2021). Os benefícios da fisioterapia pélvica na melhora da libido no período pós-parto. Revista Cathedral, 3(2), 56-65.

Silva, A. M. N., Oliva, L. M. P. (2011). Exercícios de Kegel associados ao uso de cones vaginais no tratamento da incontinência urinária: estudo de caso. Scientia Medica, 21(4): 264-275.

Sousa, C. B., Souza, V. S., & Figueredo, R. C. (2020). Disfunções sexuais femininas: recursos fisioterapêuticos na anorgasmia feminina pela fraqueza do assoalho pélvico. Multidebates, 4(2), 176-188.

Sousa, J. G. et al. (2011). Avaliação da força muscular do assoalho pélvico em idosas com incontinência urinária. Fisioter Mov., 24(1): 39-46.

Souza, M. T. et al. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, 8(1):102-106.

SOBRAC. (2003). Sociedade Brasileira de Climatério. Consenso brasileiro multidisciplinar de assistência à mulher climatérica [http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/ pt/lis-LISBR1.1-21461

Published

23/02/2022

How to Cite

ANDRADE, . Ângela R. L. de .; PONTES, A. F. .; SILVA FILHO, J. C. da .; SANTOS, I. C. R. V. . Nurses’ performance in relation to the quality of life of climacteric women with urinary incontinence: integrative literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e31611326513, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26513. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26513. Acesso em: 24 sep. 2023.

Issue

Section

Health Sciences