Analysis of infant mortality from preventable causes in Paraná, 2010-2020

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i12.43966

Keywords:

Infant mortality; Cause of death; Public health surveillance.

Abstract

The infant mortality rate reflects multiple aspects of the health of a population, so this study aimed to analyze infant mortality, following preventability criteria, in the state of Paraná from 2010 to 2020. It was a descriptive study with a quantitative approach with based on secondary data from the Mortality Information System and the Live Birth Information System, available in the Information Technology Department of the Unified Health System. The following variables were used: number and percentage of infant deaths in children under 5 years of age due to preventable causes, ill-defined and not clearly preventable causes; age group, race/color and sex. Data were collected, analyzed and tabulated in Microsoft Office Excel spreadsheets. During the period and location studied, 21,442 deaths were recorded, 63% were due to preventable causes, mainly due to ineffective care for pregnant women and newborns, in white and male cases. 45.8% of children died in the first week of life. This scenario of preventable deaths demonstrates the need to strengthen Public Policies aimed at health care for mother and child, as well as improving access to health services and intersectorality as an essential factor in reducing health inequities.

References

Adamski, K., Silva, T. G., Silva Pereira, P. P., Santos Farias, E., Cantarelli, K. J., & Mendes, V. A. (2022). Mortalidade infantil por causas evitáveis em macrorregião de saúde: série temporal 2007 a 2020. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 15(8), 1-9.

Andrade, I. S. N (2014). Aleitamento materno e seus benefícios: primeiro passo para a promoção a saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 27 (2), 149-150.

Araújo, A. M. G., Melo, L. S., Souza, M. E. C. A., Freitas M. M. S. M., Lima, M. G. L., & Lessa, R. O. (2016). A experiência do método canguru vivenciada pelas mães em uma maternidade pública de Maceió/AL. Revista Iberoamericana de Educación e Investigación en Enfermería, 6(3), 19-29.

Assis, D. N. C. (2020). Descentralização e resultados na saúde infantil no Brasil. Estudos Econômicos, 50(3), 447-484.

Barbosa, T. A. G. S., Gazzinelli, A. & Andrade, G. N. (2019). Mortalidade infantil evitável e vulnerabilidade social no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Revista Mineira de Enfermagem, 23, 1-8.

Barros, M. D. S. (2022). Perfil epidemiológico de mortes evitáveis de crianças entre 0 e 4 anos em Alagoas nos anos de 2015 a 2019 (Trabalho de conclusão de curso). UNIVAG, Cuiabá, MT.

Brasil (2021). Boletim Epidemiológico: Mortalidade infantil no Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde, 52(37), 1-15.

Brasil (2023a). Mortalidade. Brasília: Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Estatísticas Vitais. https://datasus.saude.gov.br/mortalidade-desde-1996-pela-cid-10.

Brasil (2023b). Nascidos Vivos. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de https://datasus.saude.gov.br/nascidos-vivos-desde-1994.

Caldas, A. D. R., Santos, R. V., Borges, G. M., Valente, J. G., Portela, M. C., & Marinho, G. L. (2017). Mortalidade infantil segundo cor ou raça com base no Censo Demográfico de 2010 e nos sistemas nacionais de informação em saúde no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 33(7), 1-15, 2017.

Camilo, A. D., Silva, C. C., Oliveira, C. G. J., Resende, M. A., & Reis, T. M. (2018) Ações de enfermagem frente ao desconforto e à dor do recém-nascido. Revista Eletrônica Acervo em Saúde, sppl. 1, 1040-1052.

Comissão Social sobre Determinantes Sociais de Saúde (2008). As causas sociais das iniqüidades em saúde no Brasil. Manguinhos, RJ, Editora Fiocruz. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/causas_sociais_iniquidades.pdf.

Freitas, A. L., Costa, S. S., Júnior, A. L. R., Pessoa, D. L. R., Bringel, K. K. M. C., & Mendes, L. C. (2022). Mortalidade por causas evitáveis na infância nas regiões brasileiras entre 2010-2019. Research, Society and Development, 11(4), 1-15.

Freitas, J. L. G., Moreira, K. F. A., Silva Pereira, P. P., Rodrigues, M. A. S., Riva, C. P. D., Barbosa, A. L. S., & Farias, E. S. (2020). Mortalidade infantil em uma capital do norte do Brasil: estudo de série temporal. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 12(11), 1-9.

Gaíva, M. A., Lopes, F. S. P., Ferreira, S. M. B., & Mufato, L. F. (2018). Óbitos neonatais de recém-nascidos de baixo peso ao nascer. Revista Eletrônica de Enfermagem, 20(18), 1-10.

Guedes, W. M., Costa, D. M. C., Neves, M. N. S. S., Quintela, M. G. (2023). Tendência da mortalidade infantil por causas evitáveis no Estado do Amapá, 2010-2019. Research, Society and Development, 12(2), 1-9.

Guerreiro, L. C. Z., Gehring, B. C. F., Habermann, M. A. M., & Souza, A. P. (2023). Análise da mortalidade infantil por causas evitáveis na região do alto vale do rio do peixe. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, 27(4), 2085-2109.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2017). Cidades e Estados. Paraná. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. IBGE. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pr.html.

Lima, S. S., Braga, M. C., Vanderlei, L. C. de M., Luna, C. F. & Frias, P. G. (2020). Avaliação do impacto de programas de assistência pré-natal, parto e ao recém-nascido nas mortes neonatais evitáveis em Pernambuco, Brasil: estudo de adequação. Cadernos de Saúde Pública, 36(2), 1-12.

Maia, L. T. S., Souza, W. V., & Mendes, A. C. G. (2020). Determinantes individuais e contextuais associados à mortalidade infantil nas capitais brasileiras: uma abordagem multinível. Cadernos de Saúde Coletiva, 36(2), 1-19.

Malta, D. C., Duarte, E. C., Almeida, M. F., Dias, M. A. S., Neto, O. L. M., Moura, L., Ferraz, W., & Souza, M. F. M. (2007). Lista de causas de mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 16(4), 233-244.

Malta, D. C., Prado, R. R., Saltarelli, R. M. F., Monteiro, R. A., Souza, M. F. M., Alemida, M. F. (2019). Mortes evitáveis na infância, segundo ações do Sistema Único de Saúde, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 22, 1-9.

Mangiavacchi, B. M., Oliveira, J. B., Rangel, A. L. F. R., Rodrigues, M. F., & Jacomini, L. S. (2021). Imunização no primeiro ano de vida: a vulnerabilidade brasileira em tempos de pandemia. Múltiplos Acessos, 5(1), 216-229.

Martins, J. L. A., Durans, K. C. N., Brito, J. D., & Freitas, D. S. (2022). Mortalidade infantil por causas evitáveis de crianças de 0-4 anos no Maranhão entre 2015 a 2019. Research, Society and Development, 11(7), 1-12.

Martins, K. M., Santos, W. L., & Álvares, A. C. M. (2019). A importância da imunização: revisão integrativa. Revista de Iniciação Científica e Extensão, 2(2), 96-101.

Martins, P. C. R., & Pontes, E. R. C. (2020). Mortalidade infantil por causas evitáveis em municípios de fronteira e não fronteira. Cadernos de Saúde Coletiva, 28(2), 201-210.

Martins, P. C. R., Pontes, E. R. J. C., & Higa, L. T. (2018). Convergência entre as Taxas de Mortalidade Infantil e os Índices de Desenvolvimento Humano no Brasil no período de 2000 a 2010. Interações, 19(2), 291-303.

Mendonça, K. S., Rocha, A. C. S., Marques, K. S. C. M., Bispo, L. V. S., Nascimento, R. Z., Costa, C. R. B. (2022). Infant mortality due to preventable causes. Revista Uningá, 59, 1-9.

Oliveira, A. P. L. (2020). Perfil das mortes por causas evitáveis em crianças de zero a cinco anos de idade (Trabalho de conclusão de curso). UNIVAG, Cuiabá, MT.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka. R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM

Pícoli, R. P., Cazola, L. H. D. O., & Nascimento, D. D. G. (2019). Mortalidade infantil e classificação de sua evitabilidade por cor ou raça em Mato Grosso do Sul. Ciência & Saúde Coletiva, 24(9), 3315-3324.

Portaria nº 1.130 de 5 de agosto de 2015. (2015). Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1130_05_08_2015.html.

Rede Interagencial de Informação para a Saúde [RIPSA] (2008). Indicadores Básicos para a Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde. Recuperado de http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/livroidb/2ed/indicadores.pdf.

Saltarelli, R. M. F., Prado, R. R., Monteiro, R. A., Machado, I. E., Teixeira, B. S. M., & Malta, D. C. (2019). Mortes evitáveis por ações do Sistema Único de Saúde na população da Região Sudeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 24(3), 887-898.

Silva, A. L. A., Mendes, A. C. G., Miranda, G. M. D., & Santos Neto, P. M. (2016). Childbirth care in Brazil: a critical situation has not yet been overcome. 1999-2013. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 16(2), 129-137.

United Nations Children’s Fund [UNICEF] (2018). Levels and Trends in Child Mortality Report 2018. UNICEF. https://www.unicef.org/reports/levels-and-trends-child-mortality-report-2018.

United Nations Children’s Fund [UNICEF] (2022). Levels & Trends in Child Mortality. New York: UNICEF. https://data.unicef.org/resources/levels-andtrends-in-child-mortality/.

United Nations Children’s Fund [UNICEF] (2023). Uma criança, um adolescente ou um jovem morreu a cada 4,4 segundos em 2021, segundo relatório da ONU. New York: UNICEF. https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/uma-crianca-um-adolescente-ou-um-jovem-morreu-a-cada-quatro-virgula-quatro-segundos-em-2021.

Viellas, E. F., Domingues, R. M. S. M., Dias, M. A. B., Gama, S. G. N., Theme Filha, M. M., Costa, J. V., Bastos, M. H., & Leal, M. C. (2014). Assistência pré-natal no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30(11), 85- 100.

Published

16/11/2023

How to Cite

CERON, B. .; SILVA, J. F. .; SANTOS , M. C. dos .; HAIDAR, S. R. .; LORENCETE, T. V. .; SILVA, R. D. F. da . Analysis of infant mortality from preventable causes in Paraná, 2010-2020. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 12, p. e80121243966, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i12.43966. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/43966. Acesso em: 26 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences