Foster family: Adoption process, filiation, and belonging

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i12.44030

Keywords:

Reception; Adopter; Subjectivity; Family of origin.

Abstract

The purpose of this paper is to discuss the adoption process as a possibility in the foster family service, as well as to present the importance of affiliation and belonging in the development of the subjective self of the children and adolescents participating in this service. It also seeks to understand how the process of removing children from their families of origin takes place and how they are reintegrated when this is still possible. The methodology used to carry out this work was a systematic bibliographical review in order to better identify the results found and thus use concepts from psychology to analyze all the family contexts of these individuals, in addition to demonstrating the importance of monitoring before and after the adoption is carried out. In the end, the aim is to gain a better understanding and give greater visibility to the subject by providing information to people who are interested in the subject, which is of the utmost importance today.

References

Alvarenga, L. L. D., & Bittencourt, M. I. G. D. F. (2013). A delicada construção de um vínculo de filiação: o papel do psicólogo em processos de adoção. Pensando famílias, 17(1), 41-53.

Botelho, L. L. R., De Almeida Cunha, C. C. & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade. 5 (11), 121-3

Brasil (1957). Lei Federal n. 3.133, de 8 de maio de 1957. Atualiza o instituto da adoção prescrita no Código Civil. Brasil: Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/l3133.htm.

Brasil (2009). Lei Federal n. 12.010, de 3 de agosto de 2009. Dispõe sobre a adoção. Brasil: Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12010.htm.

Brasil (2017). Lei Federal n. 13.509, de 22 de novembro de 2017. ECA, Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasil: Presidência da República.https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13509.htm.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidente da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil (1957). Constituição da República Federativa do Brasil de 1957. Brasília, DF: Presidente da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/l3193.htm.

Campos, N. M. V., & Costa, L. F. (2004). A subjetividade presente no estudo psicossocial da adoção. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17, 95-104.

Da Silva, W. M. & De Macedo, E. B. (2022). A importância da avaliação psicológica em processos de adoção: uma revisão de literatura. Facit Business and Technology Journal. 1 (38).

Dos Santos, D. G. G., & Guimarães, M. (2020). Pertencimento: um elo conectivo entre o ser humano, a sociedade e a natureza. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 37(3), 208-223.

Fonseca, C. L. W. “Legitimidade” e pertencimento em famílias adotivas brasileiras: meio século de mudanças a partir da análise de narrativas de adotados 1. Cidadania e direitos humanos: pontos de vista antropológicos, 23.

Fonseca, F. M. M. et al. (2020) A contribuição da psicologia no processo de adoção. PubSaúde, Manaus (p. 1-14).

Giusti, T. (2023) Serviços, programas, projetos e benefícios na Assistência Social: por que precisam trabalhar integrados? Portabilis Tecnologia. https://blog.portabilis.com.br/servicos-programas-projetos-e-beneficios-na-assistencia-social-o-que-sao-e-por-que-precisam-trabalhar-integrados/#:~:text=Tratam%2Dse%20de%20instrumentos%20de,programas%20espec%C3%ADficos%20conforme%20suas%20necessidades.

Gonçalves, B. C. (2021). O papel do psicólogo jurídico nos processos de adoção. Anais do Salão de Iniciação Cientifica Tecnológica.

Godinho, N. (2018). Guia orientador para a elaboração de trabalhos escritos, referências bibliográficas e citações: Norma APA. Centro de Documentação e Biblioteca da ESEL. Obtido de https://www. esel. pt/sites/default/files/migratedfiles/9347-GuiaOrientadorvs2018. pdf.

Pereira, S. K. R. (2020) Tornar-se família: o processo de filiação na adoção tardia. Universidade de Brasília, Brasília.

Pereira, C. S. et al. (2012). Família é a gente com quem se conta: o Programa Família Acolhedora ampliando a rede de pertencimento. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Rech, N. B., De Marco, T. T., & Silva, N. M. F. (2017). O papel do psicólogo na adoção. Anuário Pesquisa e Extensão Unoesc Videira.

Rother. E. T. (2007). Revisão Sistemática x Revisão Narrativa. Acta Paul Enfarm. https://www.scielo.br/j/ape/a/z7zZ4Z4GwYV6FR7S9FHTByr/?format=pdf&lang=pt

Silva, P. S. da et al. (2017). A equipe psicossocial na colocação da criança nos processos de adoção. Psicologia: ciência e profissão, (p. 608-623)

Soares, L. C. E. C., & Moreira, L. E. (2020) Psicologia Social na trama do(s) Direito (s) e da Justiça. Abrapso editora.

Souza, E., Felippe, A, & Sartori, C. (2022). Adoção tardia no Brasil: uma análise a partir das contribuições de Winnicott e da Psicologia Jurídica. Cadernos de Psicologia.

Published

15/11/2023

How to Cite

FUZI, J. A. da S. .; DELFINO, D. da C. . Foster family: Adoption process, filiation, and belonging. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 12, p. e77121244030, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i12.44030. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44030. Acesso em: 26 feb. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences