Survival factors of brazilian family businesses crossing the third generation of succession

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i12.44112

Keywords:

Succession; Survival of companies; Family businesses; Organizational and work psychology.

Abstract

Family businesses represent 90% of Brazilian companies and play a significant role in the national and global economy. They emerged alongside the establishment of Brazil during the colonial period and were among the country's earliest institutions. Despite their significance, family businesses tend to have a short lifespan. Statistics indicate that only 30% of family businesses survive into the second generation of succession, and only 5% make it to the third generation. These figures reveal an emerging challenge for the Brazilian economy's health, underscoring the importance of identifying the factors involved in succession and potential causes of long-term failure. Therefore, this literature review aimed to understand, through studies on the subject, the importance of family businesses in the Brazilian context and the primary causes of bankruptcy. It also sought to explore the role of organizational and work psychology in the succession process and as a survival factor for these businesses. Additionally, the study aimed to find strategies that could contribute to the longevity of these organizations. From the analyzed studies, it became evident that the primary conflicts affecting family businesses are relational in nature, linked to the lack of professionalism and resistance to modernization. These conflicts often arise from the difficulty in setting boundaries in the relationships between the family and the business, as family behavioral patterns extend beyond personal boundaries, becoming dysfunctional in the business context.

References

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2011). NBR 14724: informação e documentação - trabalhos acadêmicos - apresentação (3a ed.). ABNT.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003). NBR 6022: informação e documentação - artigo em publicação periódica técnica e/ou científica - apresentação. ABNT.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços. (2023). Brasil teve 1,3 milhão de empresas abertas no 1º quadrimestre de 2023.

Bock, A. M. B., Teixeira, M. L. T., & Furtadi, O. (2002). Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia (13a ed.). Saraiva.

Bonfim, E. V. S., de Vasconcelos, C. C., Gregório, S. A., & Saldanha, O. J. (2017). A qualidade de vida no trabalho e a gestão de conflitos: um estudo teórico. Educação, Gestão e Sociedade: revista da Faculdade Eça de Queirós, 7(28).

Cerutti, P. S., Costa, C., Pauli, J., & Laval, L. C. (2023). Relação entre estilos de liderança e conflitos em empresas familiares. BBR. Brazilian Business Review, 20, 518-539.

De Rezende Barbosa, K. C., Braz, M. V., & Hashimoto, F. (2021). Empresas Familiares e os Processos Sucessórios: Contribuições da Psicologia à Dinâmica das Transições. Iberoamerican Journal of Corporate Governance, 8(1), e072-e072.

Dos Santos, A. M. (2020). Psicologia organizacional e do trabalho-Plataforma da gestão do conhecimento. Brazilian Journal of Business, 2(3), 2193-2205.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. (2014). Empresas Familiares.

Laimer, C. G., & Tonial, R. B. (2014). Os padrões comportamentais que influenciam na longevidade da empresa familiar. Revista de Administração IMED, 4(1), 123-140.

Martins, I. G. S., Menezes, P. L., & Bernhoeft, R. (1999). Empresas familiares brasileiras: perfil e perspectivas. Negócio.

Mora, C. (2006). Empresas familiares. Universidad de Carabobo.

Monteiro, G. L., Yamauchi, J. M., Kumanaya, D. R. G., Moraes, L. E. de O., & Bonini, L. M. de M. (2022). Sucessão e profissionalização nas empresas familiares: o rh como fator estratégico nesse processo. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(10), 1449–1465. https://doi.org/10.51891/rease.v8i10.7248

Motta, F. C. P., & Caldas, M. P. (1997). Cultura organizacional e cultura brasileira. Atlas.

Neto, A. B, & Moreira Jr, A. L. (2001). Dificuldades para realizar a sucessão: um estudo em empresas familiares de pequeno porte. Caderno de Pesquisas em Administração, 8(4), 8-9.

Houaiss, A., Villar, M., & Franco, F. M. de M. (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Objetiva.

Pereira, M. G. (2014). Artigos científicos: como redigir, publicar e avaliar. GEN, Guanabara Koogan.

Puga, J. L. G. L. S., et al. (2007). O processo de emergência de estratégias em empresas familiares.

PWC. (2023). Pesquisa Global de Empresas Familiares 2023.

Ricca, D. (2001). Administração Aplicada ao Mercado Imobiliário. AB.

Ricca, D. (2007). Sucessão na empresa familiar. Editora CLA.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista De Enfermagem, 20(2), v–vi. https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

Sasseron, L. H., de Carvalho, A. M. P. (2011). Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em ensino de ciências, 16(1), 59-77.

Santos, L., et al. (2013). Longevidade na empresa familiar o desafio na sucessão empresarial. ETIC-Encontro de Iniciação Científica, 9(9).

Silva, V. R. (2023). Estudo da liderança nas empresas familiares: uma revisão bibliométrica.

Silva Junior, A., Silva, P. de O. M., & Silva, A. R. L. da. (2013). Sistemas de valores e implicações na governança corporativa em um grupo empresarial familiar. Organ. Soc., 20(65), 239-260.

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Integrative review: what is it? How to do it? Einstein, 8(1), 102–106.

Tagiuri, R., & Davis, J. A. (1996). Bivalent attributes on the family firm. Family Business Review, 9(2), 103-218.

Teles, M. S. (1989). O que é Psicologia (19a ed.). Editora Brasiliense.

Published

21/11/2023

How to Cite

BISSANI, L. G. .; MILANO, L. K. B. . Survival factors of brazilian family businesses crossing the third generation of succession . Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 12, p. e133121244112, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i12.44112. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44112. Acesso em: 26 feb. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences