Stratification of Vunerability Level to coronavirus disease (COVID-19) in particular areas of Family Health Strategy in the city of Crato, Ceará

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8241

Keywords:

Infection by the coronavirus; COVID-19; Vulnerability in health care; Social Vulnerability; Health surveillance; Primary attention.

Abstract

To stratify the level of vulnerability related to the new coronavirus in families of particular areas of two Strategies of Family Health (SFH) and describe preventive interventions performed along with families in more risk. It is about a study descriptive transversal held in Crato, Ceara, Brazil, during the months from april to july 2020. In one of the SFH, 512 families were qualified according to its level of vulnerability, considering that, 74 (14,4%) were high level, 285 (55,7%) medium level and 153 (29,9%) low level. In the second SFH were qualified 253 families being 19 (7,5%) of high level, 149 (58,9%) medium level and 85 (33,6%) low level of vulnerability. The intervention along with more vulnerable families took place through home visits and educational actions, based on the level of vulnerability and aimed at the most vulnerables families. The study of vulnerability related to the new coronavirus in the territory justified the elaboration of preventive interventions of informative purposes. 

References

Ahmed, F., Ahmed, N., Pissarides, C., & Stiglitz, J. (2020). Why inequality could spread COVID-19. Lancet Public Health, (5), e240. doi: 10.1016/S2468-2667(20)30085-2.

Boehs, A. E., Monticelli, M., Wosny, A. M., Heidemann, I. B. S., & Grisotti, M. (2007). A interface necessária entre enfermagem, educação em saúde e o conceito de cultura. Texto contexto – enferm, 16(2), 307-314. doi: 10.1590/S0104-07072007000200014.

Brasil. (2007). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde do Idoso. Estatuto do Idoso. (2a ed.), Brasília. Recuperado de: https://conselho.saude.gov.br/biblioteca/l ivros/estatuto_idoso2edicao.pdf.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Plano de Resposta às Emergências em Saúde Pública/ Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Brasília. Recuperado de: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2014/outub ro/07/plano-de-resposta-emergencias-saude-publica-2014.pdf.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília (DF). Recuperado de: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm /2017/prt2436_22_09_2017.html.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Política Nacional de Vigilância em Saúde (PNVS). Brasília. Recuperado de: https://www.saude.gov.br/vigilancia-em-saude/politica-nacional-de-vigilancia-em-saude.

Brasil. (2020a). Ministério da Saúde. Brasil confirma primeiro caso da doença. Brasília. Recuperado de: https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46435-brasil-confirma-primeiro-caso-de-novo-coronavirus#:~:text=O%20Minist%C3%A9rio%20da%20Sa%C3% BAde%20 confirmou,para%20It%C3%A1lia%2C%20regi%C3%A3o%20da%20 Lombardia.

Brasil. (2020b). Ministério da Saúde. Protocolo de Manejo Clínico do Coronavírus (COVID-19) na Atenção Primária à Saúde. Versão 7. Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS). Brasília (DF). Recuperado de: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202004/14140606-4-ms-protocolomanejo-aps-ver07abril.pdf.

Brasil. (2020c). Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Boletim Epidemiológico 07. Recuperado de: https://www.saude.gov.br/images/pd f/2020/April/06/2020-04-06-BE7-Boletim-Especial-do-COE-Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf.

Carmo, M. E., & Guizardi, F. L. (2018) O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cad. Saúde Pública, 34 (3), 1-14. doi: 10.1590/0102-311X00101417.

Chen, T., Wu, D., Chen, H., Yan, W., Yang. D., & Chen, G. (2020). Clinical characteristics of 113 deceased patients with coronavirus disease 2019: retrospective study. BMJ, (368). doi: 10.1136/bmj.m1091. 368.

Costa, I. B. S. D. S., Bittar, C. S., Rizk, S. I., Araújo-Filho, A. E., Santos, K. A. Q., & Machado, T. I. V. (2020). The Heart and COVID-19: What Cardiologists Need to Know. Arq Bras Cardiol, 114(5), 805-816. doi: 10.36660/abc.20200279.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto. (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Freitas, A. R. R., Napimoga, M., Donalisio, M. R. (2020) Análise da gravidade da pandemia de Covid-19. Epidemiol. Serv. Saúde, 29(2), 1-5. doi: 10.5123/S1679-49742020000200008.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projeto de pesquisa. (5a ed.), São Paulo: Atlas.

Haushofer, J., & Metcalf, C. J. F. (2020). Which interventions work best in a pandemic? We can exploit randomized controlled trials, compartmental models, and spillovers. Science, 368(6495), 1063-1065. doi: 10.1126/science.abb6144.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. IBGE cidades: Crato - CE. (2018). Recuperado de: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/crato/panorama.

IntegraSUS (CE). (2020) Transparência da Saúde do Ceará. Transparência COVID-19. Recuperado de: https://integrasus.saude.ce.gov.br/.

Iser, B. P. M., Stopa, S. R., Chueiri, P. S., Szwarcwald, C. L., Malta, D. C., Monteiro, H. O. C., Duncan, B. B., & Schmidt, M. I. (2015). Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde, 24(2), 305-314. doi: 10.5123/S1679-49742015000200013.

Magalhães, S. S. A., & Machado, C. J. (2014) Conceitos epidemiológicos e as pandemias recentes: novos desafios. Cad. Saúde. coletiva, 22(1), 109-110. doi: 10.1590/1414-462X201400010016.

Malagón-Oviedo, R. A., & Czeresnia, D. (2015). The concept of vulnerability and its biosocial nature. Interface (Botucatu), 19(53), 237-49. doi: 10.1590/1807-57622014.0436.

Organização Panamericana de Saúde – OPAS. (2020). Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coranavírus). Recuperado de: https://www.paho.org/ bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875.

Peduzzi, M., Norman, I. J., Germani, A. C. C. G., Silva, J. A. M. D., & Souza, G. C. D. (2013). Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Ver. Esc. Enferm USP, 47(4), 977-983. doi: 10.1590/S0080-623420130000400029.

Pires, L. N., Carvalho, L., & Xavier, L. L. (2020). COVID-19 e desigualdade: a distribuição dos fatores de risco no Brasil. Experiment Findings. Recuperado de: https://ondasbrasil.org/wp-content/uploads/2020/04/COVID-19-e-desigualdade-a-distribuição-dos-fatores-de-risco-no-Brasil.pdf. doi: 10.13140/RG.2.2.27014.73282.

Rodrigues, L. M., Araújo, N. J. S., Silva, V. W. T., Cavalcante, E. G. R., Martins, A. K. L, Brito-Júnior, F. E. (2019). Territorialização e matriciamento em saúde coletiva: processo de trabalho ecossistêmico com base na classificação de risco. In: Moreira, R. M. C., Brito-Júnior, F. E., & Cândido, J. A. B (Org). Trabalho, saúde e sustentabilidade. 178-201. Fortaleza: EdUECE.

Sales, C. M. M., Silva, A. I., & Maciel, E. L. N. (2020). Vigilância em saúde da COVID-19 no Brasil: investigação de contatos pela atenção primária em saúde como estratégia de proteção comunitária. Epidemiol. Serv. Saúde, 29(4), 1-6. doi: 10.5123/S1679-49742020000400011.

Santos, J. P. C., Siqueira, A. S. P., Praça, H. L. F., & Albuquerque, H. G. (2020). Vulnerabilidade a formas graves de COVID-19: uma análise intramunicipal na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, 36 (5), 1-12. doi: 10.1590/0102-311X00075720.

Silva, J. H., Oliveira, E. C., Hattori, T. Y., Lemos, E. R. S., & Terças-Trettel, A. C. P. (2020) Descrição de um cluster da COVID-19: o isolamento e a testagem em assintomáticos como estratégias de prevenção da disseminação local em Mato Grosso. Epidemiol. Serv. Saúde, 29(4), 1-9. doi: 10.5123/s1679-49742020000400005.

Tonin, C. F., & Barbosa, T. M. (2017). A Interface entre Saúde Mental e Vulnerabilidade Social. Tempus, 11(3), 50-68. doi: 10.18569/tempus.v11i3.2281.

Vitória, A. M., & Campos, G. W. S. (2020) Conselhos de Secretarias Municipais de Saúde do estado de São Paulo. Só com APS forte o sistema pode ser capaz de achatar a curva de crescimento da pandemia e garantir suficiência de leitos UTI. Recuperado de: http://www.cosemssp.org.br/noticias/dicadogestor-so-com-aps-forte-o-sistema-pode-ser-capaz-de-achatar-a-curva-de-crescimento-da-pandemia-e-garantir-suficiencia-de-leitos-uti/.

Xiong, T. Y., Redwood, S., Prendergast, B., & Chen, M. (2020). Coronaviruses and the cardiovascular system: acute and long-term implications. Eur. Heart. J, (41),1798–1800. doi: 10.1093/eurheartj/ehaa231.

Published

18/09/2020

How to Cite

ANDRADE, A. O.; FERNANDES, P. A. de S.; PEREIRA, G. F. .; BRITO, F. L. S. de .; CANUTO, A. F. A.; SAMPAIO, J. M. F. .; PEIXOTO, M. Q.; LUNA, A. L. N. da L.; PEREIRA, S. M. P. D.; BRITO JÚNIOR, F. E. de . Stratification of Vunerability Level to coronavirus disease (COVID-19) in particular areas of Family Health Strategy in the city of Crato, Ceará. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e549108241, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8241. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8241. Acesso em: 27 jun. 2022.

Issue

Section

Health Sciences