The organizational practices of representing as an organizational-city management tool: the case of the administrative city of Minas Gerais

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8647

Keywords:

Organizational practices; Practices of representation; Administrative city of Minas Gerais.

Abstract

This study analyses the Administrative City of Minas Gerais (CAMG), from the perspective of organizational practices. It is a qualitative study that collected data through non-participating observation, documents and visual elements. Specifically, the data were collected to address the representation practices evidenced in the object of the building complex of the CAMG and to inquire about the organizational practice of representation as a management tool of the organization-city. Three strategies of process data analysis were used, namely: narrative, temporal framing and visual mapping. In this sense, the present study employs an analytical strategy that allows presenting the collected and analyzed data through a linear process with beginning, middle and end, to better illustrate a narrative that employs visual elements. As a result of this work, there was evidence that managers make use of various tools in the field of representation practices that aim to maintain power. It is concluded that Public Administration does not use the organizational practices of representation to give meaning to their practices, but as a tool that offers modes of planning and control for the public management produced.

Author Biographies

Bruno Dornelas A. F., Universidade Federal do Espírito Santo

Aluno programa de pós graduação em Administração (mestrado)

Bruno Luiz Américo, Instituto Federal de Santa Catarina

Doutor em Administração e professor do IFSC

Leonardo Alexandrino de Almeida, Universidade Federal do Espírito Santo

Aluno programa de pós graduação em Administração (doutorado)

Rachel Dornelas de Azevedo Fernandes, Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais

Cientista Social pela Universidade Federal de Viçosa e professora de Sociologia da Rede Estadual de MG.

References

Bedran, L. M. (2011). Cultura urbana, linguagem visual e publicidade nos tempos do Rio Moderno. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 34(2), 37-53.

Brasil, J. C., Ribeiro, R. G., Gonçalves, R. M., & de Souza, E. J. (2018). Plano de mobilidade urbana corporativa: a cidade administrativa do governo de Minas Gerais.

Canclini, N. G. (2002). Cidades e cidadãos imaginados pelos meios de comunicação. Opinião Pública, 8(1), 40-53.

Coimbra, K. E. R., & Saraiva, L. A. S. (2013). Territorialidade em uma organização-cidade: o movimento quarteirão do soul. Gestão & Regionalidade, 29(86), 34-46.

Colares, A. F. V., & Saraiva, L. A. S. (2016). Representações sociais da cultura em Belo Horizonte. Revista Gestão & Conexões, 5(1), 19-37.

Duarte, F. (2006). Rastros de um rio urbano: cidade comunicada, cidade percebida. Ambiente & Sociedade, 9(2), 105-122.

Fischer, T. (1997). A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades e ressonâncias culturais Salvador, BA, cidade puzzle. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 31(3), 74-88.

Gioia, D. A., Corley, K. G., & Hamilton, A. L. (2013). Seeking qualitative rigor in inductive research: Notes on the Gioia methodology. Organizational research methods, 16(1), 15-31.

Jayme, J. G., & Neves, M. A. (2010). Cidade e espaço público: política de revitalização urbana em Belo Horizonte. Caderno CRH, 23(60), 605-617.

Langley, A. (1999). Strategies for theorizing from process data. Academy of Management review, 24(4), 691-710.

Muratori, M. (2020, 04 março). Transformações marcam os 10 anos da Cidade Administrativa. Estado de Minas. Belo Horizonte. Recuperado a partir de https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2020/03/04/interna_politica,1125929/transformacoes-marcam-os-10-anos-da-cidade-administrativa.shtml

Nascimento, D. D., & Bitencourt, J. B. (2008). De granito e de bronze: marcos da identidade carbonífera em cidades catarinenses. Varia Historia, 24(39), 329-343.

Oscar Niemeyer: Cidade Administrativa, BH (2010, 01, setembro). Projeto. Brasília. Recuperado a partir de: https://revistaprojeto.com.br/acervo/oscar-niemeyer-cidade-administrativa-belo-horizonte/

Sánchez, F. (2001). A reinvenção das cidades na virada de século: agentes, estratégias e escalas de ação política. Revista de sociologia e política, (16), 31-49.

Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2012). Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública. 46(2), 547-576.

Silverman, D. (2013). Doing qualitative research: A practical handbook. SAGE.

Souki, L. G., & Filgueiras, C. A. C. (2018). Decisões para a construção da Cidade Administrativa em Belo Horizonte. O Público e o Privado, 16(32 jul. dez), 229-252.

Published

27/09/2020

How to Cite

DORNELAS A. F., B. .; AMÉRICO, B. L. .; ALMEIDA, L. . A. de .; FERNANDES, R. D. de A. . The organizational practices of representing as an organizational-city management tool: the case of the administrative city of Minas Gerais. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e3059108647, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8647. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8647. Acesso em: 28 jun. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences