Benefits of the applicability of the Braden scale in patients in the Intensive Care Unit in a hospital in Teresina-PI

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8845

Keywords:

Nursing; Application; Scale; Intensive care unit; Ulcer by pressure.

Abstract

Introduction: The Intensive Care Unit (ICU) is one of the sectors of the hospital where patients are at critical stages. Due to the clinical situation of the patient and the period of stay in the unit, several injuries can occur to the patient, among them, the pressure injury, which is caused by the lack of oxygen and nutrients supply in the tissues. Objective: To evaluate the benefits of the applicability of the Braden Scale in patients in the Intensive Care Unit. Methodology: This is a qualitative research with a descriptive approach. It was performed in four ICUs of a philanthropic hospital in Teresina-PI. The research subjects were eight nurses of the sector. Data were collected from September to November 2017, through a semi-structured interview script. For the analysis of the data, the technique of Collective Subject Discourse was used. Results and Discussion: The data were organized into two thematic categories: Applicability of the Braden Scale to patients in the Intensive Care Unit and Benefits provided by the Braden Scale to inpatients. The applicability of the scale as a fundamental method for the prevention of Pressure Injury is evidenced. And as for the benefits, there are several as fewer expenses with special dressings and a shorter hospital stay. Conclusion: The applicability of the Braden Scale in the ICU context proved to be effective in the prevention of Pressure Injury. Its use of admission, multidisciplinary visit and patient evolution provide predictive measures of this aggravation. The benefits promoted by the use of the scale are mainly the prevention of Pressure Injury, the identification of patients at risk, the recognition of risk factors for the development of LPP and the subsidy to guide care practices.

References

Andrade, E. M. L. R., de Sousa, J. E. R. B., Silva, H. F., de Moura Rabelo, C. B., Bezerra, S. M. G., & Luz, M. H. B. A. (2012). Fatores de risco e ocorrência de úlcera por pressão em idosos institucionalizados. Revista de Enfermagem da UFPI, 1(1), 36-41.

Araújo, T. M. D., Araújo, M. F. M. D., & Caetano, J. Á. (2012). O uso da escala de Braden e fotografias na avaliação do risco para úlceras por pressão. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(4), 858-864.

Araújo, T. M. D., Moreira, M. P., & Caetano, J. Á. (2011). Avaliação de risco para úlcera por pressão em pacientes críticos. Rev enferm. UERJ, 58-63.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo 4ªed. Lisboa: Edições, 70, 1977.

Barros, M. P. L., de Oliveira Ferreira, P. J., Maniva, S. C. D. F. J., & Holanda, R. E. (2016). Caracterização de feridas crônicas de um grupo de pacientes acompanhados no domicílio. Revista Interdisciplinar, 9(3), 1-11.

Bavaresco, T., Medeiros, R. H., & Lucena, A. D. F. (2011). Implantação da Escala de Braden em uma unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(4), 703-710.

Bezerra, S. M. G., Barros, K. M., de Brito, J. A., Santana, W. S., Moura, E. C. C., & Luz, M. H. B. A. (2013). Caracterização de feridas em pacientes acamados assistidos pela Estratégia Saúde da Família. Revista Interdisciplinar, 6(3), 105-114.

Bolton, L. (2007). Which pressure ulcer risk assessment scales are valid for use in the clinical setting?. Journal of Wound Ostomy & Continence Nursing, 34(4), 368-381.

Borghardt, A. T., Prado T.N., Araújo, T.M.R., Rogenski, N.M.B., & Bringuente, M.E.O. (2015). Avaliação das escalas de risco para úlcera por pressão em pacientes críticos: uma coorte prospectiva. Rev Latino-Am Enfermagem. 23(1), 28-35.

Stuque, A. G., Sasaki, V. D. M., Teles, A. A. D. S., Santana, M. E. D., Rabeh, S. A. N., & Sonobe, H. M. (2017). Protocolo para prevenção de úlcera por pressão. Rev Rene [Internet], 272-82.

Agência Nacional De Vigilância Sanitária. Nota Técnica GVIMS/GGTES Nº03/2017. Práticas seguras para prevenção de Lesão por Pressão em serviços de saúde. São Paulo. 2017. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/271855/Nota+T%C3%A9cnica+GVIMS-GGTES+n%C2%BA+03-2017/54ec39f6-84e0-4cdb-a241-31491ac6e03.

CALIRI, M. H. L., Santos, V. L. C. G., Mandelbaum, M. H. S., & Costa, I. G. (2016). Classificação das lesões por pressão-consenso NPUAP 2016: adaptada culturalmente para o Brasil. Assoc Bras Estomaterapia–SOBEST e da Assoc Bras Enferm em Dermatologia-SOBENDE.

Costa, I. G., & Caliri, M. H. L. (2011). Validade preditiva da escala de Braden para pacientes de terapia intensiva. Acta Paulista de Enfermagem, 24(6), 772-777.

Defloor, T., & Grypdonck, M. F. (2005). Pressure ulcers: validation of two risk assessment scales. Journal of clinical nursing, 14(3), 373-382.

DGS. Direção Geral da Saúde. Escala de Braden: Versão Adulto e Pediátrica (Braden Q). Lisboa: DGS, 2011.

Fernandes, L. M., Caliri, M. H. L., & Haas, V. J. (2008). Efeito de intervenções educativas no conhecimento dos profissionais de enfemagem sobre prevenção de úlceras pressão. Acta Paul Enferm., 21(2), 305-311.

Freitas, M. C. D., Medeiros, A. B. F., Guedes, M. V. C., Almeida, P. C. D., Galiza, F. T. D., & Nogueira, J. D. M. (2011). Úlcera por pressão em idosos institucionalizados: análise da prevalência e fatores de risco. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(1), 143-150.

Furman, G. F., da Rocha, A. F., de Menezes Guariente, M. H. D., de Almeida Barros, S. K. S., Morooka, M., & Mouro, D. L. (2010). ÚLCERAS POR PRESSÃO: INCIDÊNCIA E ASSOCIAÇÃO DE FATORES DE RISCO EM PACIENTES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, 4(4).

Hans, M., Bitencourt, J. V. D. O. V., & Pinheiro, F. (2011). Fatores de risco adicionais à Escala de Braden: um risco para úlceras de pressão. Enfermagem em Foco, 2(4), 222-225.

Jesus, J. A. P., Machado, D. G., dos Santos Almeida, J., de Brito Rodrigues, A. P., Maranhão, T. A., & da Silva, G. B. (2018). NURSING KNOWLEDGE AND PRACTICE ON THE PREVENTION OF PRESSURE INJURY. Revista Prevenção de Infecção e Saúde, 4.

Lamão, L. C. L., Quintão, V. A., & Nunes, C. R. (2016). Cuidados de enfermagem na prevenção de lesão por pressão. Múltiplos Acessos, 1(1), 122-132.

Marques, A. D. B., Branco, J. G. D. O., Cavalcante, R. D. C., Brito, M. D. C. C., Deus, S. R. M. D., & Luz, M. H. B. A. (2017). Conhecimento dos profissionais de Saúde da Família Sobre úlcera por pressão. ESTIMA, 15(2),63-73

Medeiros, A. B. F., Lopes, C.H.A.F., & Jorge, M.S.B. (2009). Análise da prevenção e tratamento das úlceras por pressão propostos por enfermeiros. Rev esc enferm USP,43(1),223-228.

Morita, A. B. P. S., Poveda, V. B., dos Santos, M. J., & Marcelino, A. L. (2012). Conhecimento dos enfermeiros acerca dos instrumentos de avaliação de risco para úlcera por pressão. Revista Eletrônica de Enfermagem do Vale do Paraíba, 1(02), 9-23.

National Pressure Ulcer Advisory Panel, European Pressure Ulcer Advisory Panel

and Pan Pacific Pressure Injury Alliance. Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide [Internet]. Washington, DC (EUA): National Pressure Ulcer Advisory Panel, 2009. Disponível em: <http://www.epuap.org/guidelines/Final_Quick_Prevention.pdf>.

Otto, C., Schumacher, B., de Lemos Wiese, L. P., Ferro, C., & Rodrigues, R. A. (2019). Fatores de risco para o desenvolvimento de lesão por pressão em pacientes críticos. Enfermagem em Foco, 10(1), 7-11.

Pereira, M. C. A., Évora, Y. D. M., de Camargo, R. A. A., de Souza Teixeira, C. R., Cruz, A. C. A., & Ciavatta, H. (2014). Ambiente virtual de aprendizagem sobre gerenciamento de custos de curativos em úlceras por pressão. Revista Eletrônica de Enfermagem, 16(2), 321-9.

Pereira, M. O., Ludvich, S. C., & Omizzolo, J. A. E. (2016). Segurança do paciente: prevenção de úlcera por pressão em unidade de terapia intensiva. Inova Saúde, 5(2), 29-44.

Pinho, C. M., Ruana, N.C., Valença, M.P., Aracelle, T.,A.C., Gomes, E.T.(2014). Use of the air mattress in the reduction of pressure ulcers: efficacy and perceptions of nursing. Rev Enferm UFPE, 8(8), 2729-35.

Pinto, J., Bastos, L., Carvalho, L. (2012) Dificuldades Sentidas pelos Enfermeiros na utilização da Escala de Braden. Tese de doutorado, Barcarena: Universidade Atlântica, Brasil.

Serpa, L. F., Santos, V. L. C. D. G., Campanili, T. C. G. F., & Queiroz, M. (2011). Validade preditiva da Escala de Braden para o risco de desenvolvimento de úlcera por pressão em pacientes críticos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(1), 50-57.

Silva Pereira, M., & Schuster, C. M. (2016). A aplicação da Escala de Braden na Assistência de Enfermagem. Revista da Mostra de Iniciação Científica e Extensão, 1(1).

Silva, A.M.A. Efectividade de um programa de intervenção na percepção de sobrecarga dos familiares cuidadores de pessoas idosas com demência. (2014). Dissertação (Mestrado em Cuidados Paliativos) – Faculdade de Medicina de Lisboa, Universidade de Lisboa, Lisboa.

Stuque, A. G., Sasaki, V. D. M., Teles, A. A. D. S., Santana, M. E. D., Rabeh, S. A. N., & Sonobe, H. M. (2017). Protocolo para prevenção de úlcera por pressão. Rev Rene [Internet], 272-82.

Vasconcelos, J. D. M. B., & Caliri, M. H. L. (2017). Ações de enfermagem antes e após um protocolo de prevenção de lesões por pressão em terapia intensiva. Escola Anna Nery, 21(1), 1-10.

Published

07/10/2020

How to Cite

CUNHA, F. E. B. S.; SANTANA, R. da S.; COSTA, G. O. P. da; JANSEN, R. C. S. .; LOPES, M. K. .; FERNANDES, C. R. S. .; RIBEIRO, A. M. N. .; SANTOS, J. M. dos . Benefits of the applicability of the Braden scale in patients in the Intensive Care Unit in a hospital in Teresina-PI. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e5509108845, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8845. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8845. Acesso em: 8 aug. 2022.

Issue

Section

Health Sciences