Sexually Transmitted Infections: vulnerability of women deprived of freedom

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9021

Keywords:

Sexually Transmitted Infections; Female penitentiary; Nursing.

Abstract

The objective was to describe the scientific evidence that analyzes the relationship of STIs in women deprived of their liberty, as well as the impact of the disease and risk factors in female prisons for this population. an integrative literature review study was carried out, with a descriptive qualitative approach. articles published in the databases Pubmed, Google Scholar (Google Scholar), Scientific Eletronic Library Online (SciElo) and Virtual Health Library (BVS), published in the period from 2015 to 2019, were searched using the descriptors: “Sexually Transmitted Infections”, “Women's Penitentiary” and “Nursing”. 89 articles were found, of these, 13 were used to construct the article. The articles were divided into two thematic axes of greatest interest, the first deals with the prevalence of STIs in women's prisons, with 5 articles, thus realizing that there are still few articles dedicated to analyzing the prevalence of STIs in female inmates; the second deals with the factors associated with the contamination of women incarcerated by STIs, for which 11 articles were found, demonstrating that there are many vulnerability factors that increase the occurrence of diseases within female prisons. It is concluded that in view of the high prevalence of sexually transmitted infections in the prison environment, the identification of sociodemographic characteristics and risk behaviors undertaken by incarcerated women are important for understanding this problem.

References

Araújo, T. M. E., Araujo Filho, A. C. A., & Feitosa, K. V. A. (2015). Prevalência de sífilis em mulheres do sistema prisional de uma capital do nordeste brasileiro. Revista Eletrônica de Enfermagem, 17(4).

Bezerra, R. C. C., & Fernandes, R. A. Q. (2015). Perfil social e de saúde de mulheres apenadas de uma penitenciária da cidade de São Paulo. Perspectivas Médicas, 26(2), 21-30.

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. A., & Macedo, M. O. (2011). Método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5 (11), 121-136.

Brasil. C. F. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Carvalho, S. A. D. (2018). A saúde no sistema prisional brasileiro: uma revisão integrativa. (Trabalho de Conclusão de Curso, Bacharelado em Enfermagem). Universidade de Brasília, Brasília.

Costa, E. D. S., Santos, J. D. M., Rocha, M. R. C., Viana, L. M. M., Oliveira, D. M., Silva, B. D. J. C., & Lira, A. P. S. (2017). Mulheres Encarceradas: perfil, sexualidade e conhecimento sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis. Revista Uningá, 52(1).

Costa, N. C. C. S. (2018). Análise da Representação Social do processo saúde-doença da Sífilis adquirida em mulheres em idade fértil. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Amazonas.

Domingues, E. A. R., Evaristo, L. R., de Carvalho, M. R. F., Silva, R. S., & de Carvalho, A. F. S. (2019). Situação de saúde de mulheres privadas de liberdade em um município do Sul de Minas Gerais. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 16(3).

Fernandes, M. A., Bezerra, M. M., Pires, F. M. D. J. S., Alencar, N. E. S., Lima, F. F. F., & Castro, A. E. D. (2016). Infecções sexualmente transmissíveis e as vivências de mulheres em situação de reclusão. Revista Enfermagem UERJ, 24(6), 27774.

Job Neto, F. (2019). Doenças infeciosas no sistema prisional: dados dos sistemas de informação de saúde e do sistema prisional. Universidade Federal do Espírito Santo.

Moura, F. M. J. S. P., Bezerra, M. M., Fernandes, M. A., Alencar, N. E. S., Lima, F. F. F., & Ibiapina, A. R. S. (2015). Doenças sexualmente transmissíveis: sentimentos das presidiárias. Revista Interdisciplinar, 8(3), 162-168.

Martins, N. V. D. N. (2018). Vulnerabilidades às Infecções Sexualmente Transmissíveis de mulheres privadas de liberdade em Santarém-Pará (Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo). São Paulo

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. D. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto enfermagem, 17(4), 758-764.

Nascimento, J. A. D. D. L. (2019). Atenção à saúde de mulheres sob privação de liberdade: uma revisão integrativa. (Trabalho de Conclusão de Curso, Bacharelado em Enfermagem). Centro de Educação e Saúde, Universidade Federal de Campina Grande, Cuité – Paraíba – Brasil.

Negreiros, D. E. H., & Vieira, D. S. (2017). Prevalência de hepatites b, c, sífilis e hiv em privados de liberdade-Porto Velho, Rondônia. Revista Interdisciplinar, 10(1), 43-52.

Neves, Ú. (2019). Sífilis: aumento mais de 4.000% dos casos no Brasil. Recuperado em 19 fevereiro, 2020, de https://pebmed.com.br/sifilis-aumento-mais-de-4-000-dos-casos-no-brasil/.

Nichiata, L., Martins, N., Viana, L., Torres, A., Silva, G., Oliva, N., Correa, D., Santos, L., & Figueira, I. (2019). Prevalência de infecções sexualmente transmissíveis em mulheres privadas de liberdade. Saúde (Santa Maria), 45(1).

Oliveira, K. R. V. D., Santos, A. A. P. D., Silva, J. M. D. O., Sanches, M. E. T. D. L., Albuquerque, J. D. M., & Moraes, M. M. D. (2019). Comportamentos de saúde nas experiências sexuais de mulheres em situação de cárcere. Revista Brasileira de Enfermagem, 72, 88-95.

Pinto, V. M., Basso, C. R., Barros, C. R. D. S., & Gutierrez, E. B. (2018). Fatores associados às infecções sexualmente transmissíveis: inquérito populacional no município de São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23, 2423-2432.

Portaria Interministerial n.º 1.777 de 9 de setembro (2003). Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Brasília: Ministério da Saúde, Ministério da Justiça. Recuperado em 10 junho 2020, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2003/pri1777_09_09_2003.html.

Santos, S. B., Machado, A. P. A., Sampaio, L. A., Abreu, L. C., & Bezerra, I. M. P. (2019). Sífilis adquirida: construção e validação de tecnologia educativa para adolescentes. Journal of Human Growth and Development, 29(1), 65-74.

Silva, P. A. S., Gomes, L. A., Amorim-Gaudêncio, C., Lima, K. P. N., Medeiros, L. B. D., & Nogueira, J. D. A. (2018). Sífilis em mulheres egressas do sistema prisional: prevalência e fatores associados. Revista Rene, 19, e3321.

Xavier, L. D. D. A., Silva, C. F. D., Torres, E. F., Almeida, S. M. O., & Santos, R. B. D. (2017). Câncer de colo uterino e infecção sexualmente transmissível: percepção das mulheres privadas de liberdade. Rev. enferm. UFPE online, 2743-2750.

Published

18/10/2020

How to Cite

LEOCÁDIO, A. F.; ASSIS, D. A. de; GUIMARÃES , T. M. M. Sexually Transmitted Infections: vulnerability of women deprived of freedom. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e7609109021, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.9021. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9021. Acesso em: 25 jun. 2022.

Issue

Section

Health Sciences