Guidance for pregnant women monitored in prenatal care by multiprofessional family health teams

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9054

Keywords:

Prenatal care; Postpartum period; Breast feeding; Community health nursing.

Abstract

The present study aimed to identify the guidelines made available to pregnant women on childbirth, breastfeeding and newborn care based on prenatal consultations carried out by professionals from three Family Strategy and Health teams in a Basic Health Unit in the south of Rio Grande do Sul. It is a qualitative, descriptive research carried out with seven pregnant women, in the last trimester of pregnancy, who were undergoing prenatal care in November 2019. Data collection was through semi-structured interviews and the findings treated through the operative proposal of content analysis. The project was approved under opinion number 3,666,875 by a Research Ethics Committee. The interviewees also seek guidance in electronic media, such as the internet and applications. The most discussed topic was about breastfeeding. They also reported a lack of information and hearing about feelings, anxieties, insecurities and fears that still existed and doubts about the delivery, despite being under prenatal care. The pregnant women felt they were receiving qualified attention, but still, in an insufficient way, guidance on childbirth and care for the newborn. Further studies are needed to explore strategies for primary care professionals to invest in different health education devices for pregnant women in prenatal care.

Author Biographies

Rosane Oliveira Braga, Universidade Federal de Pelotas

Enfermeira egressa da Universidade Federal de Pelotas

Adrize Rutz Porto, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente na Universidade Federal de Pelotas

Helena Ribeiro Hammes, Universidade Federal de Pelotas

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem pela UFPel

Juliane Portella Ribeiro, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande. Docente da UFPel.

Amanda do Rosário Tavares, Universidade Federal de Pelotas

Acadêmica de Enfermagem na UFPel

Sidnéia Tessmer Casarin, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Ciências pela UFPel. Docente na UFPel

References

Almeida, F. S.; Oliveira, R. A. F. de & Coelho, E. O. E. (2016). A importância do acompanhamento pré-natal pelo profissional enfermeiro. REMAS - Revista Educação, Meio Ambiente e Saúde, 6(2), 155-169.

Avanzi, S. M.; Dias, C. A.; Leão e Silva, L. O.; Brandão, M. B. F. & Rodrigues, S. M. (2019). Importância do apoio familiar no período gravídico-gestacional sob a perspectiva de gestantes inseridas no PHPN. Revista de Saúde Coletiva da UEFS, 9, 55-62.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 320p.

Brasil. (2012b) Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 , de 12 de dezembro de 2012. Brasil: Ministério da Saúde.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido : guia para os profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde.

Calderon, T. M., Cestari, M. E. W., Dobkowski, A. C. & Cavalheiro, M. D. (2016). O uso da internet como ferramenta de apoio ao esclarecimento de dúvidas durante a gestação The use of the Internet as a support tool to clarify questions during pregnancy. Journal of Health & Biological Sciences, 4(1), 18-22.

Conselho Federal de Enfermagem. Decreto n° 94.406/87. Regulamenta a Lei n° 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n° 585 de 7 de agosto de 2018. Estabelece e reconhece Acupuntura como especialidade e/ou qualificação do profissional de Enfermagem. Recuperado de: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/35902014/do1-2018-08-08-resolucao-n-585-de-7-de-agosto-de-2018-35902008

Cunha, V. B. (2017). Grupo de mães e gestantes: orientação da mulher quanto aos cuidados na gravidez, puerpério e da criança em uma Unidade Básica de Saúde de Viana–MA. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação em Atenção Básica em Saúde) - Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde - Programa Mais Médicos, Universidade Federal do Maranhão, UNASUS, 20f.

Cruz, M. V; França, S. Q. N & Gruber, C. (2011). Informação e qualidade de vida no período gestacional. Cadernos da Escola de Saúde, 1(5), 14-22.

De Moura, S. G.; Melo, M. M. M.; César, E. S. R.; Silva, Vagna, C. L.; Dias, M. D. & Ferreira Filha, M. O. (2015) Assistência pré-natal realizada pelo enfermeiro (a): um olhar da mulher gestante. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 7(3), 2930-2938.

Donelli, T. M. S.; Chemello, M. R. & Levandowski, D. C. (2017). Ansiedade materna e maternidade: Revisão crítica da literatura. Interação em Psicologia, 21(1).

Furtado, A. D. & Nascimento, J. O. (2017). Atuação do enfermeiro da estratégia saúde da família na promoção do aleitamento materno, 15f.

Gomes, A. L. M..; Rocha, C. R.; Henrique, D. M.; Santos, M. A. & Silva, L. R. (2015). Conhecimentos de familiares sobre os cuidados com recém-nascidos. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 16(2), 258-265.

Guimarães, W. S. G.; Parente, S. P. P.; Guimarães, T. L . F. & Garnelo, F. (2018). Acesso e qualidade da atenção pré-natal na Estratégia Saúde da Família: infraestrutura, cuidado e gestão. Cadernos de Saúde Pública, 34, p. e00110417.

Livramento, D. V. P.; Backes, M. T. S.; Damiani, P. R.; Castillo, L. D. R.; Backes, D. S. & Simão, A. M. S. (2019). Percepções de gestantes acerca do cuidado pré-natal na atenção primária à saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, 40, e20180211.

Mafetoni, R. R.; Rodrigues, M. H.; Jacob, L. M. S. & Shimo, A. K. K. (2018). Efetividade da auriculoterapia sobre a ansiedade no trabalho de parto: ensaio clínico randomizado. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26, e3030.

Marques, L. S. (2017). Humanização na assistência ao pré-natal e puerpério. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) - Centro de Formação de Professores, Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras, Paraíba, Brasil, 74f.

Medeiros, R. M. K.; Davi, L. A.; Cardoso, S. R. M.; Maier, S. R. O.; Gimenes, L. C. V. & Sudré, G. A. (2017). Aspectos relacionados à preferência da gestante pela via de parto. Revista Eletronica Gestão & Saúde, 1(3), 603-621.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. Hucitec.

Oliveira, J. M., et al. (2017). Sombras no dar à luz: estudo sobre a ansiedade em grávidas do 1. º e 3. º trimestre de gestação.

Prefeitura Municipal de Pelotas. (2017). Rede Bem Cuidar. Recuperado de: http://www.pelotas.rs.gov.br/saude/rede-bem-cuidar Acesso em: 29 de maio de 19.

De Santana, T. C. P.; Silva, L. M.; Silva, L. R. F. G.; Rocha, L. M.; Canhoto, C. T. S.; Silva, A. C. F. A.; Melo, M. I. B.; Martins, M. R. R.; Barros, S. C. M. R.; Ramos, K. S.; Rocha, M. C. M.; Mendonça, C. R. S.; Souza e Silva, R. G.; Barros, J. F. S. & Gouveia J. S. (2019). Dificuldades dos enfermeiros no atendimento ao pré-natal de risco habitual e seu impacto no indicador de morbimortalidade materno-neonatal. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 20, p. e711-e711.

Santos, F. P. (2016). Desafios do enfermeiro no acompanhamento pré-natal/Sidneia Santana Machado.

Silva, M. F. R.. (2017). Informações sobre parto e puerpério estratégias e conteúdo da educação em saúde no pré-natal. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 95f.

Souza, B. V. P. S. (2019). Aplicativos móveis para gestantes: uma revisão da literatura. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Saúde Coletiva) – Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Tostes, N. A. & Seidl, E. M. F. (2016). Expectativas de gestantes sobre o parto e suas percepções acerca da preparação para o parto. Temas em Psicologia, 24(2), 681-693.

Viellas, E. F.; Domingues, R. M. S. M.; Dias, M. A. B.; Gama, S. G. N.; Theme Filha, M. M.; Costa, J. V.; Bastos. M. H. & Leal, M. C. (2014). Prenatal care in Brazil. Caderno de Saúde Pública, 30(supl 1), 85-100.

Weschenfelder, D. T.; Reolon-Costa, A. & Ceolin, S. (2019). O enfermeiro na assistência do pré-natal de primigestas: a realidade de uma estratégia de saúde da família. Revista Enfermagem Contemporânea, 8(1), 7-16.

World Health Organization. (2016). WHO recommendations on antenatal care for a positive pregnancy experience. World Health Organization.

Published

18/10/2020

How to Cite

BRAGA, R. O.; PORTO, A. R.; HAMMES, H. R.; RIBEIRO, J. P.; TAVARES, A. do R.; CASARIN, S. T. Guidance for pregnant women monitored in prenatal care by multiprofessional family health teams. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e7929109054, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.9054. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9054. Acesso em: 8 aug. 2022.

Issue

Section

Health Sciences