Bibliometric study and analysis of research trends in geographical indications

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9146

Keywords:

Geographical indications; Bibliometry; Clusters.

Abstract

The Geographical Indication (GI) is the recognition used to indicate the origin of a product or service in a given region or locality. Protection for products or services, with specific characteristics attributable to the geographical environment, has been growing around the world and GI, constituted as an instrument of intellectual property, are becoming increasingly important for regional development and international trade. In this perspective, this article carried out a bibliometric study in order to know the scenario and research trends on the theme of GI at an international level, by surveying the scientific productions contained in the Scopus and Web of Science research bases, in the period between 2010 to 2019. For that, the keywords “Geographical Indication” or “Indication of Provenance” or “Indication of origin” were used as an article search method, along with the Article title, Abstract and Keywords descriptors of the databases consulted. After refinement and adequacy of the identified works, 374 publications were analyzed. The results of this study point to Italy, France and Brazil with the highest occurrences of publications. Biological and Agricultural Sciences (45%), Social Sciences (26%), Business, Management and Accounting (12%), Environmental Science (9%) and Economics, Econometrics and Finance (8%) contemplate the areas of concentration of studies on IG. It was identified as clusters of scientific production content networks related to GI and its legal aspects, GI and differentiation, Governance and rural development.

Author Biographies

Fabrício Carvalho da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Doutorando em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe. Mestre em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe. Bacharel em Administração pela Universidade Federal do Piauí e especialista em Gestão Pública e Gerenciamento de Projetos. Servidor Público efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, pertencente ao quadro dos docentes do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, Campus Uruçuí-PI.

Wanderson Vasconcelos Rodrigues da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Professor de Tecnologia da Informação do Instituto Federal do Piauí (IFPI) e pesquisador do Laboratório de Pesquisas e Estudos em Computação (LAPEC); Membro do Grupo de Pesquisa em Gestão e Inovação Tecnológica (Grupitec) e Coordenador de Projetos do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC); Cursando Doutorado em Ciência da Propriedade Intelectual na Universidade Federal de Sergipe (PPGPI/UFS); Mestre em Ciência da Propriedade Intelectual na Universidade Federal de Sergipe (PPGPI/UFS); Especialista em Engenharia de Sistemas; Especialista em Computação Forense e Perícia Digital; Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Gislene Vieira da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Graduada em Administração pela Faculdade das Atividades Empresariais de Teresina - FAETE (2011), em Marketing Empresarial pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI (2002) e Ciências Contábeis pelo Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba - CESVALE (1995), Mestra em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe. Gislene Vieira da Silva, também é especialista com MBA em Gestão de Negócios pela Universidade Estadual do Piaui - UESPI (2008) e Administração Financeira pela Universidade Salgado Oliveira - UNIVERSO/RJ (1997) e cursando Mestrado em Ciência da Propriedade Intelectual (2018) pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Tem experiência profissional na área de Administração (ênfase em gestão organizacional, financeira e de recursos humanos) e na área acadêmica como Professora dos cursos de Administração e Ciências Contábeis.

Cleide Ane Barbosa da Cruz, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Sergipe

Doutora em Ciência da Propriedade Intelectual pela UFS (2020). Mestra em Ciência da Propriedade Intelectual pela UFS (2016). Especialista em MBA em Logística e Operações pela Faculdade São Luís de França (2014). Graduada em Bacharelado em Administração pela Faculdade José Augusto Vieira (2013). Atuou como professora visitante no Instituto de Ensino Teológico nas disciplinas Gestão de Comércio Exterior e Economia. Foi instrutora do Senac na unidade situada na Cidade de Lagarto/SE e instrutora presencial no curso Técnico de Administração do IFS Campus Lagarto. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Logística e Empreendedorismo, atuando principalmente nos seguintes temas: Logística (distribuição e movimentação de materiais), Empreendedorismo (incubadoras), Inovação, Propriedade Intelectual, Prospecção Tecnológica. Pesquisador dos Grupos de Pesquisa em Gestão, Comunicação e Inovação Tecnológica - com ênfase em Comunidades Tradicionais da Amazônia (GesComIT/Amazônia/IFAP), Gestão de Negócios (GPGN/IFS) e Informática Aplicada (GPINFO/IFS/CNPq). Atualmente é professora substituta do Curso Técnico de Comércio do IFS Campus Tobias Barreto.

Laercio Ferreira Oliveira , Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Piauí (2006) e Especialização em Auditoria e Controladoria pela Universidade Estadual do Piauí (2010). Atualmente é Professor da Universidade Estadual do Piauí, Campus Dra Josefina Demes e Contador no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Campus Floriano. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciências Contábeis.

Renata Silva-Mann, Universidade Federal de Sergipe

Renata Silva-Mann concluiu o doutorado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras em 2002. Durante o doutorado estagiou na área de genética molecular e melhoramento na Brigham Young University (BYU-Utah/EUA) (doutorado Sanduíche-CAPES). Estágio pós-doutoral na Wageningen Research University (WUR).É Professora Associada IV da Universidade Federal de Sergipe. Atua nas áreas de Genética e Melhoramento, Genética de Populações, Tecnologia de Sementes e Propriedade Intelectual. Orienta nos Programas de Pós-Graduação em Agricultura e Biodiversidade e em Ciência da Propriedade Intelectual. É membro da Comissão Interna de Biossegurança da UFS, da Comissão de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia (COMPITEC-UFS) da Comissão Coordenadora do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (COMPIBIC) e da Comissão de Pesquisa (COMPQ). Atua como Conselheira do Crea-SE ? Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe - Câmara Especializada de Agronomia e em Educação em Agronomia. Atuou como Coordenadora de Assuntos Internacionais na UFS, período no qual atuou como coordenadora local de Projeto Erasmus Mundus. É vice-diretora do Centro de Ciências Agrárias Aplicadas (CCAA).

Ana Eleonora Almeida Paixão, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal de Sergipe (1980), mestrado em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Campinas (1990) e doutorado em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Campinas (1995). Foi, de 2005 a 2009, Diretora Geral do CISE - CENTRO INCUBADOR DE EMPRESAS DE SERGIPE, incubadora de empresas de base tecnológica vinculada à UFS, onde trouxe o Programa PRIME, da FINEP, tendo sido uma das 3 âncoras do programa no Nordeste. Tem experiência na área de Engenharia Química, com ênfase em Operações Industriais e Equipamentos para Engenharia Química, atuando principalmente nos seguintes temas: transporte pneumático, alimentos, frutas regionais, planejamento experimental e óleo de mamona. Especialista em PI - Propriedade Intelectual, participou do programa CAPACITE-NE: Capacitação em Inovação para Empresários do Nordeste, financiado pelo CNPq. Atualmente, participa, desde maio de 2017, como Orientadora, do Programa ALI - Agentes Locais de Inovação, do SEBRAE em parceria com o CNPq.

References

Arfini, F., Cozzi, E., Mancini, M. C., Ferrer-Perez, H., & Gil, J. M. (2019). Are geographical indication products fostering public goods? Some evidence from Europe. Sustainability, 11(1), 272.

Belletti, G., Marescotti, A., Sanz-Cañada, J., & Vakoufaris, H. (2015). Linking protection of geographical indications to the environment: Evidence from the European Union olive-oil sector. Land Use Policy, 48, 94-106.

Dayısoylu, K , Yörükoğlu, T , Ançel, T . (2017). Kahramanmaraş'ın Coğrafi İşaretli Ürünleri ve İlin Potansiyel Durumu . KSÜ Doğa Bilimleri Dergisi , 20 (1) , 80-88.

Dentoni, D., Menozzi, D., & Capelli, M. G. (2012). Group heterogeneity and cooperation on the geographical indication regulation: The case of the “Prosciutto di Parma” Consortium. Food Policy, 37(3), 207-216.

Deselnicu, O. C., Costanigro, M., Souza-Monteiro, D. M., & McFadden, D. T. (2013). A meta-analysis of geographical indication food valuation studies: What drives the premium for origin-based labels?. Journal of Agricultural and Resource Economics, 204-219.

Gonçalves, L. A. D. S., Almeida, B. D. A., & Bastos, E. M. S. (2019). PANORAMA DAS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS NO BRASIL. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, 3(41).

Ion, R. A., Boboc, D., & Turek Rahoveanu, A. (2011). Protection of wine by controlled appellation of origin and geographical indications. Quality–Access to Success, 121, 242-244.

Lambin, E. F., Meyfroidt, P., Rueda, X., Blackman, A., Börner, J., Cerutti, P. O., ... & Walker, N. F. (2014). Effectiveness and synergies of policy instruments for land use governance in tropical regions. Global environmental change, 28, 129-140.

Marinkovic, A. R. (2013). A Comparison of Geographical Indications and Trademarks in Conceptual Terms and with Regard to Internationally Accepted Standards of Protection. Zbornik PFZ, 63, 189.

Menapace, L., Colson, G., Grebitus, C., & Facendola, M. (2011). Consumers’ preferences for geographical origin labels: evidence from the Canadian olive oil market. European Review of Agricultural Economics, 38(2), 193-212.

de Oliveira, E. S., Vieira, A. C. P., Yamaguchi, C. K., & de Oliveira, A. H. P. (2019). Management of knowledge in wildlife in the south of Santa Catarina: Maturity assessment from the implementation of a Geographical Indication. Revista GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, 9(1), 4710-4724.

Paserangi, H., Sakharina, IK, Heryani, W., & Famauri, AT (2019). Pulut Mandoti: potencial GI da Regência de Enrekang na Indonésia.

Ramos, B. D., Fernandes, L. R. R. D. M. V., & De Souza, C. G. (2012). An overview of geographical indications in Brazil.

Sakamoto, Cleusa Kazue & Silveira, Isabel Orestes. (2019). Como fazer projetos de Iniciação Científica. Pia Sociedade de São Paulo-Editora Paulus.

Sasongko, W. (2018). Geographical Indications Protection Under The New Regulation In Indonesia. Journal of Social Studies Education Research, 9(4), 403-419.

Silva, C. K. V., Brito, L. M., & de Souza Dantas, T. K. (2016). A indicação geográfica como promotora do desenvolvimento local e regional: o caso (em potencial) do bordado do Seridó. Revista GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, 6(1), 2982-2990.

Silva, Fabrício Carvalho da. (2017). Indicação Geográfica no artesanato piauiense para o polo cerâmico do Poti Velho e renda de bilro de Ilha Grande. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciência da Propriedade Intelectual, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão- SE, Brasil.

Tortorelli, C. E. (2010). Geographical Indications and Appellations of Origin-Intellectual Property in Progress. Revista Chilena de Derecho, 37, 207.

Valente, M. E. R., Perez, R., Ramos, A. M., & Chaves, J. B. P. (2012). Indicação geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, 42(3), 551-558.

Carvalho Pinto Vieira, A., & Bressan Smith Lourenzani, A. E. (2020). As indicações geográficas como instrumento de criação de valor para o setor cafeeiro brasileiro. Desarrollo Local Sostenible.

Zanandrea, G., Priesnitz, M. C., dos Santos Dullius, A. I., Menegotto, M. L. A., Camargo, M. E., Russo, S. L., & Fabris, J. P. (2018). Produtos Tradicionais Portugueses: Indicação Geográfica. Revista GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, 8(1), 4250-4258.

Published

17/10/2020

How to Cite

SILVA, F. C. da; SILVA, W. V. R. da .; SILVA, G. V. da; CRUZ, C. A. B. da .; OLIVEIRA , L. F.; SILVA-MANN, R. .; PAIXÃO, A. E. A. Bibliometric study and analysis of research trends in geographical indications. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e7469109146, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.9146. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9146. Acesso em: 8 aug. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences