Spatial distribution and characterization of Chagas disease cases in the State of Maranhão, Brazil from 2008 to 2018

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9279

Keywords:

Trypanosoma cruzi; Nasturtium disease; Epidemiology.

Abstract

This study refers to a retrospective and descriptive epidemiological study of a population nature, using secondary data from cases of patients with ACD from 2008 to 2018 (n = 59) in the state of Maranhão - Brazil. This data is complete in the Notification Disease Information System (SINAN). The information was made available on the website of the Department of Informatics of the Unified Health System (DATASUS). The cartographic data, ie the digital map with the mesh of the municipalities of MA, were obtained by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) in a file compatible with Terra View software 4.2.2. Between 2008 and 2018, according to SINAN, in Maranhão, there were a total of 59 confirmed cases of ACD, with higher prevalence in males, aged between 20 and 39 years, oral contamination is the main form of Transmission 89.8 of the cases evolved to cure and 91.5% of the cases were confirmed by laboratory examination. Disease distribution occurred heterogeneously, possibly due to the demographic dynamics of the municipality. Moreover, Chagas disease remains an important health problem in the state of Maranhão and local aspects influence the monthly distribution of confirmed cases, also presented age range affected and the treatment employed by the government is satisfactory. Different relationships between the variables studied and the occurrence of the disease were observed, many corroborating the literature data.

Author Biography

Evaldo Hipólito de Oliveira, Universidade Federal do Piauí

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal da Paraíba (1990), graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal da Paraíba (1991), graduação em Direito pela Universidade Federal do Piauí (1999), Doutorado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários (2010), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (2002), especialização em Vigilância Sanitária e Epidemiológica (1997) e Citologia Clínica (2005). Foi Diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Piauí-LACEN-PI (2003 a 2007). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal do Piauí de microbiologia clínica e imunologia clínica (1994). Tem experiência na área de Farmácia (Interdisciplinaridade), atuando principalmente nos seguintes temas: análises clínicas ( bacteriologia, virologia, imunologia, citologia e hematologia ) e Vírus Linfotrópico de Células T Humanas-1/2-HTLV-1/2, HIV, HBV e HCV (Epidemiologa, Imunologia e Análise Molecular).

References

Antunes, J. L. F., & Cardoso, M. R. A. (2015). Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 24(3): 565-576.

Araújo, P. F. et al. (2017). Sexual transmission of American trypanosomiasis in humans: a new potential pandemic route for Chagas parasites. Mem Inst Oswaldo Cruz. 112(6):437-446.

Bozelli, Carlos Eduardo, et al. (2006). Perfil clínico-epidemiológico de pacientes com doença de Chagas no Hospital Universitário de Maringá, Paraná, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 22(5): 1027-1034.

Brasil. (2017). Guia de Vigilância em Saúde. Brasília: MInistério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil (2019). Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN). Brasília: Ministério da Saúde; 2019 (citado 2019 nov 19). Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/denguepb.def

Brasil (2019). Doença de Chagas Aguda e distribuição espacial dos triatomíneos de importância epidemiológica, Brasil 2012 a 2016. Boletim Epidemiológico - Secretaria de Vigilância em Saúde, 50(2): 1 – 10.

Costa, Pedro H. A. et al. (2017). Tecnologias de acesso livre para georreferenciamento e análise de sistemas e redes de atenção aos usuários de drogas. RECIIS – Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde, 11(4), 1-18

Coura, J. R. (2015). The main sceneries of Chagas disease transmission. The vectors, blood and oral transmissions - A comprehensive review. Mem Inst Oswaldo Cruz, 110 (3): 277-282.

Dias, João Carlos Pinto, et al. (2016). II Consenso Brasileiro em doença de Chagas, 2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25, 7-86.

Galvão, C., & Gurgel-Gonçalves, R. (2014). Vetores conhecidos no Brasil. GALVÃO C, Organizador. Vetores da Doença de Chagas no Brasil. Sociedade Brasileira de Zoologia, Série Zoologia: guias e manuais de identificação. Curitiba, Brasil, 88-170.

Lucena Filho, M. L. de. (2015). Ecoepidemiologia de Triatoma brasiliensis nos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte: indicadores entomológicos e estruturas ecotípica e composicional etária. Dissertação Pós-Graduação – Universidade Federal da Paraíba, Rio Tinto-PB, 129.

Oliveira, E. H. et al. (2020). Doença de Chagas aguda na região nordeste do Brasil: epidemiologia e evolução temporal. Research, Society and Development, 9(8), 1-17.

Oliveira, F. L. B. (2017). Extensão universitária e as ações educativas para o controle dos vetores da doença de Chagas em Santa Cruz-RN. Revista Ciência em Extensão, 13(1), 128-136.

Oliveira, M. G. S. et al. (2018). Análise espacial e epidemiológica da Doença de Chagas: distribuição e incidência no Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras-PB, 83.

Pereira, C. M. L. et al. (2017). Perfil clínico e epidemiológico da doença de chagas aguda no estado de Minas Gerais. Revista de Atenção à Saúde, 15 (52), 49-54.

Pinheiro, E. et al. (2017). Chagas disease: review of needs, neglect, and obstacles to treatment access in Latin America. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 50(3), 296-300.

Pinto, A. Y. N. et al. (2008). Fase aguda da doença de Chagas na Amazônia brasileira. Estudo de 233 casos do Pará, Amapá e Maranhão observados entre 1988 e 2005. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 41(6), 602-614.

Pinto, A. Y. das N. et al. (2015). Dupla abordagem de infecções por Trypanosoma cruzi e/ou Plasmodium spp. aplicada ao diagnóstico de doença de Chagas e exposição vetorial triatomínica na Amazônia brasileira. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 6(1), 35-43.

Rios, A. et al. (2018). Can sexual transmission support the enzootic cycle of Trypanosoma cruzi? Mem Inst Oswaldo Cruz., 113(1), 3-8.

Santos, V. R. C. et al. (2018). Acute Chagas disease in the state of Pará, Amazon Region: is it increasing? Mem Inst Oswaldo Cruz., 113(5), 1-6.

Simioni, P. U. et al. (2019). Métodos de Prevenção e Tratamento para a Doença de Chagas. Ciência & Inovação, 4(1), 61-67.

Who. (2018). Chagas Disease. Disponível em: https://www.who.int/chagas/epidemiology/en/ Acesso em: 3 de nov de 2019.

Who. (2009). Guia para Vigilância, prevenção, controle e manejo clínico da doença de Chagas Aguda transmitida por alimentos. Geneva: Organização Pan Americana de Saúde.

Zicker, F. (1988). Chagas' disease and social security: a case-control study in an urban area, Goiás, Brazil. Revista de saúde pública, 22, 281-287.

Published

24/10/2020

How to Cite

GOMES, L. da S. .; SILVA JÚNIOR, F. T. dos S. .; MATOS, L. F. L. .; NUNES, D. B. .; FEITOSA, E. L. .; OLIVEIRA, E. H. de . Spatial distribution and characterization of Chagas disease cases in the State of Maranhão, Brazil from 2008 to 2018. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e8989109279, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.9279. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9279. Acesso em: 26 jun. 2022.

Issue

Section

Health Sciences