Effect of probiotics on the prevention and treatment of cancer and Diabetes mellitus

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14932

Keywords:

Probiotics; Cancer; Diabetes Mellitus.

Abstract

Diet rich in probiotics helps in the prevention and treatment of diseases, as well as in the balance of the intestinal microbiota. This is a literature review that sought to assess the effect of probiotics on the prevention and treatment of cancer and diabetes. The electronic databases were: Scielo, LILACS, Virtual Health Library, Google Scholar, Medline and Pubmed, articles in English, Spanish and Portuguese, descriptors: Probiotics / Probiotics, Probiotics and diabetes / Probiotics and diabetes and Probiotics and cancer / Probiotics and cancer; Inclusion criteria: full articles published in full, available in English, Spanish and Portuguese, in the last 20 years. Initially found 12,000 articles with the descriptor probiotics, other descriptors, the final result of 210 articles was obtained. It was observed that cancer and diabetes are chronic diseases, considered by the World Health Organization (WHO) as priority problems of global public health, studies have shown beneficial actions with the use of probiotics with in vivo and in vitro research in cancer , probiotics reduce mutagenic and genotoxic effects, act with three host protection mechanisms, in diabetes, probiotics can improve metabolic changes such as insulin resistance, hyperglycemia, inflammation, dyslipidemia or NAFLD in animals and act with beneficial mechanisms. The use of probiotics has a beneficial role in the treatment of chronic non-communicable diseases such as cancer and diabetes. In cancer, probiotic bacteria reduce mutagenic and genotoxic effects, the benefits of probiotics in diabetes mellitus are the improvement in metabolic changes associated with diabetes, such as insulin resistance, hyperglycemia and inflammation.

References

American Gut (2018) http://americangut. org/.

Anadón, A., Martínez-Larranaga, M., & Martínez, M. (2006). Probióticos para nutrição animal na Europa União. Regulamentação e avaliação de segurança. Regul. Toxicol. Pharmacol. 45, 91-95.

Andersson, U., Branning, C., Ahrne, S., Molin, G., Alenfall, J., Onning, G., Nyman, M., & Holm, C. (2010). Probióticos diminuem a glicose plasmática no camundongo C57BL / 6J alimentado com alto teor de gordura. Benef. Microbes, 1: 189-196.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (1999). Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – Consea. https://issuu.com/informecaisan/docs/guiaalimentarpopulacaobrasileira_20

Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA). (2013). O relatório de síntese da União Europeia sobre tendências e fontes dezoonoses, agentes zoonóticos e surtos de origem alimentar em 2011. EFSA J. 3129, 1–250.

Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA). (2017). Parecer científico sobre a atualização da lista de QPS recomendados agentes biológicos adicionados intencionalmente a alimentos ou rações, conforme notificado à EFSA (atualização de 2017). EFSA J. 15,1–177.

Balakumar, M., Prabhu, D., Sathishkumar, C., Prabu, P., Rokana, N., Kumar, R., Raghavan, S., Soundarajan, A., Grover, S., Batish, V., Mohan, V., & Balasubramanyam, M. (2016). Melhoria na tolerância à glicose e sensibilidade à insulina por cepas probióticas de origem intestinal indiana em camundongos C57BL / 6J alimentados com dieta rica em gordura. Eur J Nutr.

Barbosa, I., Costa, I., Bernal, M., & Souza, D. (2016). Tendência das taxas de mortalidade pelas dez principais causas de óbitos por câncer no Brasil, 1996-2012. Rev. Ciênc. Plur. 2 (1): 3-16.

Barbosa, K., Costa, N., Alfenas. R., Paula. S., & Minin, V. (2010). Estresse oxidativo: conceito, implicações e fatores moduladores. Revista de Nutrição, 23(4), 629-643.

Bashiardes, S., Shapiro, H., Rozin, S., Shibolet, O., & Elinav, E. (2016). Fígado gordo não alcoólico e microbiota intestinal. Mol Metab. 5 (9): 782-794.

Bezerra, M., Araujo, A., Santos. K., & Correia, R. (2015). Iogurte congelado caprino produzido com polpa de fruta de jambolã fresca e seca por atomização (Eugenia jambolana Lam) e Bifidobacterium animal subespécie lactis BI-07. Ciência Alimentar e Tecnologia. 1, 16.

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Políticatolo Nacional de Alimentação e Nutrição.

Bray, F., Ferlay, J., Soerjomataram, I., Siegel, R., Torre, L., & Jemal, A. (2018). Estatísticas globais de câncer de 2018: estimativas GLOBOCAN de incidência e mortalidade mundial para 36 cânceres em 185 países. CA Cancer J Clin. 68 (6): 394-424.

Cambiaghi, L., Sant’Ana, A., Rezende, M., Greghi, S., & Damante, C. (2013). Os probióticos na odontologia: história, conceitos e aplicações na periodontia. Perionews, 7(1):18-24.

Catana, C., Cristea, V., Miron, N., & Neagoe, I. (2011). A interleucina-17 é um biomarcador pró-aterogênico? Roma. Arco. Microbiol. Immunol. 70 , 124–128.

Damião, A., Leite, A., Lordello, M., & Sipahi, A. (2009). Probióticos no: Waitzberg LD. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. (4a ed.), Editora Atheneu.

Domingo, J. (2017). Revisão do papel dos probióticos nas doenças gastrointestinais em adultos. Gastroenterologia e Hepatologia, 40: 417–429.

Federação Internacional de Diabetes (IDF). (2012). Atualização do atlas de diabetes de 2012:

Fichas técnicas regionais e nacionais. http://www.idf.org/diabetes-atlas-update-2012-reginal-country-factsheets

Federação Internacional de Diabetes (IDF). (2017). IDF Diabetes Atlas (8a ed.), [https://diabetesatlas.org/upload/resources/previous/files/8/IDF_DA_8e-EN-final.pdf

Festi, D., Schiumerini, R., Eusebi, L., Marasco, G., Taddia, M., & Colecchia, A. (2014). Microbiota intestinal e síndrome metabólica. Mundo J. Gastroenterol. 20 (43): 16079-16094.

Fitzmaurice, C., Allen, C., Barber, R., Barregard, L., Bhutta, Z., & Brenner, H. (2017). Incidência global, regional e nacional de câncer, mortalidade, anos de vida perdidos, anos vividos com deficiência e anos de vida ajustados por deficiência para 32 grupos de câncer, 1990 a 2015: Uma análise sistemática para o estudo Global Burden of Disease. JAMA Oncol. 3 (4): 524-548.

Foligné, B., Daniel, C., & Pot, B. (2013). Probióticos da pesquisa ao mercado: as possibilidades, riscos e desafios. Opinião Atual em Microbiologia, 16, 284-292.

Francino, M. (2014). Desenvolvimento precoce da microbiota intestinal e saúde imune. Patógenos, Basileia, 3(3), 769-790.

Gaggia, F., Mattarelli, P., & Biavati, B. (2010). Probióticos e prebióticos na alimentação de animais para produção segura de alimentos. Int. J. Food Microbiol. 141, S15 – S28.

Ganguly, N., Bhattacharya, S., Sesikeran, B., Nair, G., Ramakrishna, B., Sachdev, H., Batish, V., Kanagasabapathy, A., Muthuswamy, V., Kathuria, S., Katoch, V., Satyanarayana, K., Toteja, G., Rahi, M., Rao, S., Bhan, M., Kapur, R., & Hemalatha, R. (2011). ICMR-DBT Diretrizes para avaliação de probióticos em alimentos. Indian J Med Res. 134: 22-5.

Gata, V., Lisencu, C., Vlad, C., Piciu, D., Irimie, A., & Achimas-Cadariu, P. (2017). Tumor infiltrando linfócitos como fator prognóstico no melanoma maligno. Revisão da literatura. J. BUON, 22, 592–598.

Gavanski, D., Baratto, I., & Gatti, R. (2015). Avaliação do hábito intestinal e ingestão de fibras alimentares em uma população de idosos. Revista brasileira de obesidade, nutrição e emagrecimento, 9(49), 3-11.

Hung, S., Tseng, W., & Pan, T. (2016). Lactobacillus paracasei subsp. paracasei NTU 101 melhora a tolerância à glicose diminuída induzida por uma dieta rica em gordura e frutose em ratos Sprague-Dawley. J. Funct. Foods, 24, 472-481.

Kasińska, M., & Drzewoski, J. (2015). Efetividade dos probióticos na diabetes tipo 2: uma meta-análise. Pol Arch Med Wewn. 125 (11): 803-13.

Kim, J., & Sears, D. (2010). TLR4 e resistência à insulina. Gastroenterol Res Pract.20. pii: 212563.

Klein, S., & Fassina, P. (2015). Relação entre o consumo de alimentos funcionais e alterações fisiológicas em praticasountes de atividade física. Caderno Pedagógico. Lajeado, v.12, n.1, p.22-35.

Kumar, M., Kumar, A., Nagpal, R., Mohania, D., Behare, P., Verma, V., Kumar, P., Poddar, D., & Aggarwal, P., (2010) Atributos de probióticos que previnem o câncer: uma atualização. Int. J. Food Sci. Nutr. 61, 473-496.

Kuper, H., Adami, H., & Trichopoulos, D. (2000). Infecções como uma das principais causas evitáveis de câncer humano. J. Intern. Med. 248 , 171-183.

Martins, D., Walder, B., & Rubiatti, A. (2010). Educação nutricional: atuando na formação de hábitos alimentares saudáveis de crianças em idade escolar. Ver Simbiologias. 3(4):86102.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde. (2011). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil: 2011-2022. Brasília (DF).

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff. J., & Altman, D. (2015). Principais itens para relatar Revisões Sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Rev Epidemiol Serv Saúde, 24 (2), 335-342.

Morais, M., & Jacob, C. (2006). O papel dos probióticos e prebióticos na prática pediátrica. J Pediatr. 82 (5): S189-S197.

Naderi, A., Kasra – Kermanshahi, R., Gharavi, S., Fooladi, A., Alitappeh, M., & Saffarian, P. (2014). Estudo dos efeitos antagônicos de cepas de Lactobacillus como probióticos em bactérias multirresistentes (MDR) isoladas de infecções do trato urinário (UTIs). Jornal Iraniano de Ciências Médicas Básicas. 17 (3): 201.

Organização Mundial de Saúde. (2017). Monitor de progresso de doenças não transmissíveis. Genebra: OMS.

Paixão, L., & Dos Santos, F. (2016). Colonização da microbiota intestinal e sua influência na saúde do hospedeiro. Universitas: Ciências da Saúde, 14(1), 85-96.

Prithy, R., & Yoshinori, M. (2012). Avanços recentes no papel de probióticos na inflamação humana e na saúde intestinal. J. Agric.Food Chem, 60, 8249–8256.

Sáez-Lara, M., Robles-Sanchez, C., Ruiz-Ojeda, F., Plaza-Diaz, J., & Gil, A. (2016). Efeitos de probióticos e simbióticos na obesidade, síndrome de resistência à insulina, diabetes tipo 2 e doença hepática gordurosa não alcoólica: uma revisão de ensaios clínicos em humanos. Int J Mol. Sci. 17 (6).

Satokari, R., Fuentes, S., Mattila, E., Jalanka, J., M. de Vos, W., & Arkkila, P. (2014). Transplante fecal Tratamento da colite não-infecciosa induzida por antibióticos e acompanhamento da microbiota a longo prazo. Relatos de Casos em Medicina, 913867, 1-7.

Simon, O. (2005). Microrganismos como aditivos para a alimentação animal - Probióticos. Adv. Porco Prod. 16, 161-167.

Singh, V., Raheja, G., Borthakur, A., Kumar, A., Gill, R., Alakkam, A., Malakooti, J., & Dudejaz, P. (2012). Lactobacillus acidophilus regula positivamente a expressão e função intestinal de NHE3, alt. J. Physiol: Gastrointest. Physiol of the liver. 303, G1393-G1401.

Sudhakar Reddy, R., Ramesh, T., Rajesh Singh, T., Vijayalaxmi, N., & Lavanya, R. (2011). Bactérias na saúde bucal – probióticos e prebióticos uma revisão. Jornal Internacional de Pesquisa Biológica e Médica. 2 (4): 1226-1233.

Sun, Q., Yong Zhang, Y., Li, Z., Yan, H., Lib, J., & Wan, X. (2019). Análise de mecanismo de glicose melhorada homeostase e metabolismo do colesterol em ratos obesos induzidos com alto teor de gordura tratados com La-SJLH001 via transcriptômica e culturômica. Food Funct. 10, 3556.

Toloni, M., Longo-Silva, G., Goulart, R & Taddei, J. (2011). Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches públicas no município de São Paulo. Revista de Nutrição de Campinas, 24(1), 61-70.

Torres-Pereira, C., Angelin-Dias, A., Melo, N., Lemos Jr., C., & Oliveira, E. (2012). Abordagem do câncer de boca: uma estratégia para os níveis primário e secundário de atenção em saúde. Cad Saúde Pública, 28 Supl:S30–9.

Tremaroli, V., & Bäckhed, F. (2012). Interações funcionais entre a microbiota intestinal e o metabolismo do hospedeiro. Natureza. 489 (7415): 242-9.

Yun, S., Park, H., & Kang, J. (2009). Efeito de Lactobacillus gasseri BNR17 nos níveis sanguíneos de glicose e peso corporal em um rato modelo de diabetes tipo 2. J. Appl Microbiol. 107: 1681-1686.

Zhang, Y., Li, S., Gan, R., Zhou, T., Xu, D., & Li, H. (2015). Impactos das bactérias intestinais na saúde e doenças humanas. Revista Internacional de Ciências Moleculares. 16(4), 7493-7519.

Zhu, A., Sunagawa, S., Mende, D., & Bork, P. (2015). Diferenças interindividuais no conteúdo gênico de espécies bacterianas do intestino humano. Genoma Biol. 16:82.

Published

11/05/2021

How to Cite

MIRANDA , B. L. .; LIMA, D. de O. .; BARBOSA, T. .; BARBOSA, M. L. de M. R. .; SILVA , H. J. N. da .; NASCIMENTO, E. M. M. do .; MEIRA, D. E. A. V. .; ROCHA, R. E. da .; ALMEIDA, K. P. .; SOARES, T.; PASSOS, C. R. F. .; OLIVERIA, T. P. .; NASCIMENTO, A. C. O. do .; MACHADO, K. da C. .; SILVA, A. M. da . Effect of probiotics on the prevention and treatment of cancer and Diabetes mellitus. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 5, p. e41910514932, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i5.14932. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14932. Acesso em: 27 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences