Impact of a systematic educational video for physical examination in the discent practice of physiotherapy in an Intensive Care Unit

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14940

Keywords:

Physiotherapy; Intensive care unit; Instructional film and video; Curriculum.

Abstract

Introduction: Physiotherapy goes through moments of historical and curricular evolution that culminate today in the search for the best way to train professionals who are more general and close to the needs of society. However, the curricular changes that the profession goes through are not always able to supply what the student needs for a more complete training. Objective: To evaluate student practice before and after using an educational video about the physical therapy physical examination of the critical patient at the bedside. Methods: Single-arm clinical trail study with undergraduate students (n = 25) from the last year of Physiotherapy at a Public University in the State of Pará, from August to December 2018. The protocol consisted of the inclusion of a video educational in the students' routine and their evaluative complement through the Miniex instrument. Results: Average evaluation time of the pre and post-video phases of 9.2 ± 3.5 and 13.4 ± 1.9 (p < 0.0001). Improvement in the pre and post-video scores in the items of the Miniex (p < 0.0001); skill in physical examination 2.2 ± 1.2 and 7.4 ± 1.2, humanistic qualities/professionalism 2.0 ± 1.3 and 6.3 ± 2.4, clinical reasoning 2.3 ± 1.4 and 7.5 ± 1.3, guidance skills 2.6 ± 1.6 and 7.3 ± 1.4, organization/efficiency 2.0 ± 1.0 and 6.7 ± 2.1 and general clinical competence 2.4 ± 1.4 and 7.4 ± 1.3. Conclusion: The proposed educational video proved to be an efficient tool in the Physiotherapy student practice scenario.

References

Aguilar-da-Silva, R. H., & Júnior, A. M. R. (2010). Avaliação da problematização como método ativo de ensino-aprendizagem nos cenários de prática do curso de fisioterapia. Revista e-curriculum, 5(2).

Alves, A. N. (2012). A importância da atuação do fisioterapeuta no ambiente hospitalar. Ensaios e Ciência C Biológicas Agrárias e da Saúde, 16(6).

Arruda, F. T., Danek, A., Abrão, K. C., & Quilici, A. P. (2012). Elaboração de vídeos médicos educacionais para treinamento de habilidades de estudantes do curso de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 36(3), 431-435.

Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva - ASSOBRAFIR. (2008). Relatório Final da Comissão de Ensino. São Paulo. Assobrafir. https://assobrafir.com.br/relatorio-comissao-de-ensino-da-assobrafir/.

Ayres, M., Ayres Junior, M., Ayres, D. L., & Santos, A. S. (2010). Bioestat 5.0 - Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas.Belém, PA: ONG Mamiraua.

Badaró, A. F. V., & Guilhem, D. (2011). Perfil sociodemográfico e profissional de fisioterapeutas e origem das suas concepções sobre ética. Fisioter. mov. (Impr.) 24 (3),445-454. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000300009. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-51502011000300009&lng=en&nrm=iso.

Berbel, N. A. N. (2012). As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas,32(1), 25-40.

Bertoncello, D., & Pivetta, H. M. F. (2015). Diretrizes curriculares nacionais para a graduação em fisioterapia: reflexes necessárias. Cad Edu Saude e Fis., 2(4), 71-84.

Bispo Júnior, J. P. (2009, Setembro). Formação em fisioterapia no Brasil: reflexões sobre a expansão do ensino e os modelos de formação. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 16(3), 655-668.

Brasil. (1963). Conselho Federal de Educação. Câmara de Ensino Superior. Parecer Nº 388, 10 de dezembro de 1963. Define o currículo mínimo e a duração dos cursos de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional. http://www.revistas.usp.br/fpusp/article/view/75027.

Brasil. (1969). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto-Lei Nº 938, de 13 de outubro de 1969. Provê sôbre as profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, Seção 1. 14 out. 1969. Retificado no DOU de 16 out. 1969. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/Del0938.htm.

Brasil. (1983). Conselho Federal de Educação. Resolução Nº 4, de 28 de fevereiro de 1983. Fixa os mínimos de conteúdos e duração dos cursos de fisioterapia e terapia ocupacional. http://www.prolei.inep.gov.br/pesquisar.do;jsessionid= A05389F814EE4C24BA 603F755C800E7D?codThesaurus=37179.

Cardoso, A. F., et al. (2012, October). Effect of a vídeo on developing skills in undergraduate nursing students for the management of totally implantable central venous access ports. Nurse education today, 32 (6), 709-13. 10.1016/j.nedt.2011.09.012

Carvalho, E., Stina, A. P., Marmol, M. T., Garbin, L. M., Braga, F., Moreli, L., & Zamarioli, C. M. (2014). Efeito de vídeo educativo no comportamento de higiene bucal de pacientes hematológicos. Revista Eletrônica de Enfermagem, 16(2), 304-11.

Condrade, T. V. L., Aprile, M. R., Paulino, C. A., Karsch, Ú. M., & Bataglia, P. U. R. (2010). Humanização da saúde na formação de profissionais da fisioterapia. Rev. Equil. Corporal e Saúde, 2, 25-35.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. (2011). Resolução Nº 402, de 03 de agosto de 2011. Disciplina a Especialidade Profissional Fisioterapia em Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília. https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3165.

De Souza, J. F. (2015, Junho). Avaliação de um aplicativo para auxilio à tomada de decisão de mobilizar pacientes críticos. Saúde.com, 11(1), 59-68. http://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/344.

Dos Santos, M. L. M., & Lanza, F. C. (2012). Formação do Fisioterapeuta Intensivista: Aonde se está e aonde se quer chegar. PROFISIO Programa de Atualização em Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto. Ciclo 03: Artmed Panamericana.

Estrela, C. (2018). Metodologia científica: ciência, ensino, pesquisa. Artes Médicas.

Ferreira, M., Godoy, S., Góes, F., Rossini, F., & Andrade, D. (2015). Câmera e ação na execução do curativo do cateter venoso central. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(6),1181-1186.

França, E. E. T., et al. (2012). Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 24(1), 6-22.

Gadioli, B., et al. (2018). Construção e validação de um objeto virtual de aprendizagem para o ensino da semiologia vascular venosa periférica. Esc. Anna Nery, 22(4), 20180043.

Ghisleni, A. P. (2009). A construção da identidade profissional do fisioterapeuta atuante em UTI. In: Congresso Brasileiro De Sociologia, 14, 2009. Anais.Rio de Janeiro. Grupo de Trabalho Ocupações e Profissões.

Gosselink, R., et al. (2008). Physiotherapy for adult patients with critical illness: recommendations of the European Respiratory Society and European Society of Intensive Care Medicine Task Force on physiotherapy for critically ill patients. Intensive care medicine, 34(7), 1188-1199.

Haddad, A. E. (2006). A trajetória dos cursos de graduação na saúde: 1991-2004. In: A Trajetória dos cursos de graduação na saúde: 1991-2004. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Hodgson, C. L., et al. (2014). Expert consensus and recommendations on safety criteria for active mobilization of mechanically ventilated critically ill adults. Critical Care, 18(6), 658.

Kahwage Neto, S. G., et al. (2017, Junho). O Ensino de Habilidades Clínicas e a Aplicabilidade de um Guia Simplificado de Exame Físico na Graduação de Medicina. Rev. bras. educ. med., 41(2),299-309.

Lira, A. L. B. C., et al. (2016, Abril). Estratégia de aprimoramento do ensino do exame físico em enfermagem. Enfermagem em Foco, 6(1/4), 57-61. http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/578.

Marques, A. P., & Sanches, E. L. (1994). Origem e evolução da fisioterapia: aspectos históricos e legais. Fisioterapia e Pesquisa, 1(1), 5-10.

Martinez, B. P. (2014). Diagnóstico fisioterapêutico na unidade de terapia intensiva. In: ASSOBRAFIR; Martins, J. A., Andrade, F. M. D., Dias, C. M. (org.). PROFISIO Programa de Atualização em Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto: Ciclo 5. Porto Alegre: Artmed Panamericana, Sistema de Educação Continuada a Distância, 1, 9-35.

Mavis, B. E. (2000, October). Does studying for an objective structured clinical examination make a difference? Med Educ., 34(10), 808-12.

Megale, L., Gontijo, E. D., Motta, J. A. C. (2009, Junho). Avaliação de competência clínica em estudantes de medicina pelo Miniexercício Clínico Avaliativo (Miniex). Rev. bras. educ. med., 33(2), 166-175.

Miner S., & Stefaniak, J. E. (2018). Learning via vídeo in Higher education: An exploration of instructor and student perceptions. Journal of University Teaching & Learning Practice, 15(2), 1-14. https://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ1182696.pdf.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 28/2001, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília:DF, p. 31. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução Nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html.

Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 3.432, de 12 de agosto de 1998. Estabelece critérios de classificação para as Unidades de Tratamento Intensivo – UTI. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3432_12_08_1998.html.

Ministério de Estado da Educação e Cultura. Portaria Ministerial Nº 511, de 23 de julho de 1964. Estabelece o currículo mínimo do curso superior de fisioterapia numa versão técnica. Brasília.

Mondadori, A. G., Zeni, E. M., Oliveira, A., Silva, C. C., Wolf, V. L. W., & Taglietti, M. (2016). Humanização da fisioterapia em unidade de terapia intensiva adulto: estudo transversal. Rev. Fisioter. Pesq., 23(3)294-300.

Motter, A. A., Vieira, L. A., Bertola, I. P., & Ferreira, M. P. (2014). Sentimentos vivenciados por acadêmicos de fisioterapia ao estagiar em unidade de terapia intensiva. Cad Edu Saude e Fis., 1(2), 73-84.

Mutou, F. M. L. (2019, Fevereiro). A humanização na fisioterapia: uma revisão sistemática. Revista Científica UMC, 4(1).

Razera, A. P. R., et al. (2016, Agosto) Vídeo educativo: estratégia de treinamento para cuidadores de crianças com fissura labiopalatina. Acta paul. enferm., 29(4), 430-438.

Rodrigues Júnior, J. C., RebouEças, C. B. A., Castro, R. C. M. B., Oliveira, P. M. P., Almeida, P. C., & Pagliuca, L. M. F. (2017). Construção de vídeo educativo para a promoção da saúde ocular em escolares. Texto Contexto Enferm, 26(2), e06760015.

Santos, W. V., Rosa, I. A. S., Santos, G. S., Resende, J., Pernambuco, A. P., & Chaves, C. M. C. M. (2017). Estudo do perfil e da satisfação profissional do egresso de Fisioterapia de uma instituição privada de ensino superior de 2003 a 2014. Revista Interdisciplinar Ciências Médicas – MG, 1(2),16-25.

Silva, C. C. B. M., Carvalho, S. L. P. T., & Carvalho, C. R. F. (2009, Março). Desenvolvimento de um recurso didático multimídia para o ensino de higiene brônquica. Fisioter. Pesqui., 16(1), 76-81.

Silva, N., Silva, N., Ribeiro, V., Iunes, D., & Carvalho, E. (2017, Dezembro). Construção e validação de um vídeo educativo sobre a reflexologia podal. Revista Eletrônica de Enfermagem, 19.

Stina, A. P. N., Zamarioli, C. M., & Carvalho, E. C. (2015, Junho). Efeito de vídeo educativo no conhecimento do aluno sobre higiene bucal de pacientes em quimioterapia. Esc. Anna Nery, 19(2), 220-225.

Teixeira, R. C., Muniz, J. W. C., & Nazaré, D. L. (2017). O currículo para a formação do fisioterapeuta e sua construção histórica. Cad. Edu saúde e Fis., 4(7), 27-39.

Universidade do Estado do Pará - UEPA. (2004). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Curso de Fisioterapia. Projeto Político-Pedagógico do Curso de Fisioterapia. Belém., PA.

Universidade do Estado do Pará - UEPA. (2016). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Curso de Fisioterapia. Projeto Político-Pedagógico do Curso de Fisioterapia. Belém, PA.

Viana, R. T., et al. (2012). O estágio extracurricular na formação profissional: a opinião dos estudantes de fisioterapia. Fisioterapia e Pesquisa, 19(4), 339-344.

Weintraub, M., Hawlitschek, P., & Joao, S. M. A. (2011, Setembro). Jogo educacional sobre avaliação em fisioterapia: uma nova abordagem acadêmica. Fisioter. Pesqui., 18(3), 280-286.

Wong, G., Apthorpe, H. C., Ruiz, K., & Nanayakkara, S. (2018, February). An innovative educational approach in using instructional videos to teach dental local anaesthetic skills. Eur J Dent Educ., 23(1), 28-34.

Zomorodi, M., Topley, D., & Mcanaw, M. (2012). Developing a mobility protocol for early mobilization of patients in a surgical/trauma ICU. Crit Care Res Pract., 964547. 10.1155/2012/964547.

Published

06/05/2021

How to Cite

SOUZA FILHO, L. E. C. de .; CUNHA, K. da C.; SANTOS, M. C. de S.; FALCÃO, L. F. M.; NORMANDO, V. M. F. Impact of a systematic educational video for physical examination in the discent practice of physiotherapy in an Intensive Care Unit . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 5, p. e26910514940, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i5.14940. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14940. Acesso em: 3 feb. 2023.

Issue

Section

Education Sciences