Evaluation of biosafety standards in health professionals at a public hospital and a rehabilitation center in Aracaju city

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.23369

Keywords:

Biosafety; Contagion; Personal Protection Equipment; Physiotherapy.

Abstract

Biosafety approaches prevention as a primordial topic for workers, especially health professionals, due to the work environment that presents most susceptibility to accidents. It is about avoiding health risks through the use of personal protection equipment and collective protection equipment, in addition to following the rules that minimize contamination. However, it is necessary to emphasize the importance of prior knowledge about biosafety during the academic phase to remain with the knowledge through the professional phase. Thus, the research aimed to evaluate the applicability of biosafety rules in hospital and outpatient place. This is an observational, cross-sectional, field study, with quali-quantitative nature, carried out after Informed and Free Consent Form signed by the health professionals and academic. Data collection was carried out at Ninota Garcia Health Center and at Governador João Alves Filho Health Emergency Hospital. The sample was by convenience, consisting of 114 participants. Regarding the results achieved, it was possible to show that health academics showed greater adherence to biosafety rules, while professionals need interventions to update their knowledge about safety measures. Thus, they were highlighted as beneficial disadvantages of frequent updating of preventive rules that reflect the use of personal protection equipment, as well as the reduction of the acidentes risk, with training in biosafety rules being an essential condition for students and health professionals.

Author Biographies

Maria Luísa de Lucena Moraes, Universidade Tiradentes

Discente do curso de Fisioterapia 10º período da Universidade Tiradentes (UNIT/SE). Instrutora de Pilates formada em Pilates Clássico pela Active Pilates 2020-2021 Vice - presidente da Liga Acadêmica de Fisioterapia em Saúde da Mulher (UNIT/SE) 2020-2021 Integrante da Rede de Ligas Acadêmicas Interprofissionais em Saúde da Mulher (LAFSM - IFRJ)/(2021.1) Pesquisadora do Grupo Tiradentes de Biossegurança - GTBIO da Universidade Tiradentes (UNIT/SE) 2019-2021 Diretora de Marketing da Liga Acadêmica Sergipana de Imagenologia (UNIT/SE) 2019-2020 Estagiária do programa de Estágio em Pesquisa em Cardiologia do Centro de Ensino e Pesquisa Prof. José Augusto Barreto - Fundação São Lucas (CEPeqFSL). Atividade relacionada com a coleta de dados para as linhas de pesquisa do centro de estudos: SOLAR (Síndrome Coronariana Aguda - SCA), CONGESTÃO (Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC), SINAIS (Acidente Vascular Encefálico - AVE), TRATE-SE (Hipertensão Arterial Sistêmica - HAS), CUIDE-SE (Diabetes Mellitus - DM) e BATIDAS (Fibrilação Atrial - FA) - 02/2020 - 08/2020 Fundadora vitalícia da Liga Acadêmica de Saúde Pública da Universidade Tiradentes (UNIT/SE) 10/2018-02/2020. Integrante do Centro acadêmico de Fisioterapia da Universidade Tiradentes (UNIT/SE) 02/2018-03/2019. Pesquisadora do grupo GPGARE - Grupo de Pesquisa em Ginásticas e Atividades Rítmicas Expressivas com aprendizado contínuo através de pesquisas científicas do Laboratório de Biociência da Motricidade Humana - LABIMH - (UNIT/SE) 03/2018-11/2018. Pesquisadora do grupo GPMAFS - Grupo de Estudo e Pesquisa Multiprofissional em Atividade Física e Saúde com aprendizado contínuo através de pesquisas científicas do Laboratório de Biociência da Motricidade Humana - LABIMH - (UNIT/SE) 01/2019-06/2019. Pesquisadora do grupo ECTM - Grupo de Estudos em Coluna vertebral e terapia manual com aprendizado contínuo no ITC Vertebral (Aracaju/SE) 04/2019-07/2019.

Alice dos Santos Bittencourt , Universidade Tiradentes

Graduanda em Fisioterapia pela Universidade Tiradentes.

Davi Santana Sousa, Universidade Tiradentes

Graduado em Fisioterapia pela Universidade Tiradentes (2021.1) com período Sanduíche na Universidad Popular Autónoma del Estado de Puebla (UPAEP), Puebla, México. Pós-Graduação em Neurorreabilitação pela União Brasileira de Faculdades e em Gestão Hospitalar e Auditoria em Serviços de Saúde pela Faculdade Estratego. Professor Consultor (nível I) no Centro Universitário UNIPLAN, campus Itabaiana, onde ministra as disciplinas Microbiologia, Imunologia e Parasitologia; Fisiologia; e Bioquímica. Professor Colaborador da Liga Acadêmica Sergipana de Fisioterapia Dermatofuncional e Estética (LISERFE). Membro da Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia (ABENFISIO) e da Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia de Sergipe (ABENFISIO-SE). Membro do Grupo de Divulgação Científica Biotecnologia To You (Biotec2u), associado ao Laboratório de Biomateriais do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP/SE). Membro e Orientador do Grupo de Ciência e Tecnologia em Fisioterapia Aplicada (ScienceTech+), associado ao Grupo de Estudo em Fisioterapia (GEFIS) da Universidade Tiradentes (UNIT/SE) e do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP/SE). Socorrista pelo Núcleo de Ensino em Saúde e Emergência de Sergipe (NESES). Escritor, com registro na Biblioteca Nacional, com experiência em poesia e dissertação. Tem experiência na área de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, com ênfase em Fisioterapia.

Aida Carla Santana de Melo Costa, Universidade Tiradentes

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Tiradentes - SE (2000) e pós-graduação em Fisioterapia Neurofuncional pela Universidade Gama Filho - RJ (2002). É mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Sergipe (2010) e doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Sergipe (2017). É socorrista pela American Heart Association (AHA). Atualmente, é fisioterapeuta estatutária do serviço pediátrico do Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), desde 2002, professora adjunta do curso de Fisioterapia da Universidade Tiradentes, desde 2005, ministrando as disciplinas Fisioterapia na Saúde da Criança, Reeducação Funcional, Socorros Urgentes, Órteses e Próteses e Projeto de Pesquisa. Tem experiência em Fisioterapia ambulatorial e hospitalar, nas áreas de Pediatria, Neurologia, Pneumologia e Fisioterapia em Queimados. É instrutora licenciada em Ballet Pilates.

References

Azevedo, A. P. D.., Magno, H. T. S., Azevedo, L. S., & Medeiros, F. P. (2021). Atitudes e práticas em biossegurança no centro de material e esterilização de um hospital terciário. Revista Eletrônica Acervo Científico, 20, e4985. https://doi.org/10.25248/reac.e4985.2021.

Bermúdez, J. M. G., Román, J. I. N., Álvarez, N. G. B., Córdova, C. A. A. (2021). Gestão de medidas de biossegurança para pessoal de enfermagem que trabalha na emergência área do Hospital General Norte de Guayaquil IESS Los Ceibos. Revista de Ciencias de La Salud, 3(1), 100-112. https://doi.org/10.47606/ACVEN/MV0064.

Cabral, F. W., & Silva, M. Z. O. (2013). Prevenção e Controle de Infecções no Ambiente Hospitalar. Sanare, Sobral, 12(1), p. 59-70.

Chavarria, F. D. T. (2018). Nivel de conocimiento y práctica de medidas de bioseguridad: Hospital San José, 2016. Horiz. Med., 18(4), 42-49. http://dx.doi.org/10.24265/horizmed.2018.v18n4.06.

Cordeiro, J. F. C., Alves, A. P., Gir, E., & Miranda, D. A. (2016). Uso de Equipamento de Proteção Individual em um serviço de Atenção Domiciliar. Cogitare Enferm., 21(3), p. 01-08.

Costa, K.P., Melo, A. C., Silva, B. B., & Costa, I. A. (2020). Adherence to nursing biosafety measures in the intensive care unit: systematic review. Revista Nursing, 23(268), p. 4641-4645. https://doi.org/10.36489/nursing.2020v23i268p4636-4645.

Ferreira, L. A., Peixoto, C. A., Paiva, L., & Silva, Q. C. G. (2017). Adesão às precauções padrão em um hospital de ensino. Rev. Bras. Enferm., 70(1), p.90-7. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0138.

Ishaque, S., Arshad, A., Haider M. A., Fatima, F. (2021). Biosafety and Biosecurity of lab and hospital acquired infections. Biol. Clin. Sci. Res. J., e008. https://doi.org/10.47264/bcsrj0201008.

Islam, N., Kabir, H., Yusuf, A., & Salam, B. (2020). Knowledge of Biosafety Measures among Laboratory Personnel at Tertiary Level Public Hospitals in Dhaka City. Bangladesh J. Infect Dis., 7(2), 49-56.

Júnior, A. S. A. et al. (2015). Risco biológico no contexto da prática de enfermagem: uma análise de situações favorecedoras. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, 5(1), 01-05.

Languré, M. P. et al. (2016). Normas de Bioseguridad del Personal de Enfermería en una institución hospitalaria. Revista de Ciencias Biológicas y de la Salud.

Lima, R. J. V. et al. (2017). Agentes biológicos e equipamentos de proteção individual e coletiva: conhecimento e utilização entre profissionais. Rev. Pre. Infec. e Saúde, 3(1), 23-28.

Loro, M. M.; & Zeitoune, R. C. G. (2017). Collective strategy for facing occupational risks of a nursing team. Rev. Esc. Enferm., 51(1), 1-8.

Ma, H. et al. (2020). Hospital biosecurity capacitation: Analysis and recommendations for the prevention and control of COVID-19. Journal of Biosafety and Biosecurity, 2(1), 5-9.

Marreiro, L. A. A et al. (2019). Medidas de biossegurança e a relação com os acidentes ocupacionais na enfermagem hospitalar: uma revisão integrativa. CONAPESC, 1-12.

Ministério da Saúde. (2010). Biossegurança em saúde: prioridades e estratégias de ação. Organização Pan-Americana da Saúde.

Morais, R. L. G. et al. (2017). Conhecimentos e condutas de biossegurança entre docentes de enfermagem. J. res.: fundam. care. online, 9(1), 137-143.

Passos, E. A. D.; & Marziale, M. H. P. (2020). Conhecimento e atitudes de profissionais de enfermagem de um hospital paulista frente às precauções padrão. Cogitare enferm.

Pimentel, B. J. et al. (2015). Manual de Biossegurança: Fisioterapia. Centro Universitário CESMAC.

Pires, Y. M. S.; Araújo, V. L. L.; & Moura, M. C. L. (2019). Saúde do trabalhador em ambiente hospitalar: Mapeando riscos e principais medidas de biossegurança. Rev. UNINGÁ, 56(2), 115-123.

Rocha, T. H. L. et al. (2020). Falhas no uso de equipamentos de proteção individual pelos profissionais de saúde: revisão de literatura. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 12(1), 1-10.

Santos, P. B. D. et al. (2017). Análise do conhecimento em biossegurança de acadêmicos formandos da área da saúde. Revista UNINGÁ, 53(1), 45-50.

Santos, T. H. M. et al. (2021). Biosafety: physiotherapy students’ knowledge about techniques and behavior in cross-infection control. Jacarezinho, PR.

Silva, O. M. et al. (2022). Biosafety measures to prevent COVID-19 in healthcare professionals: an integrative review. Rev. Bras. Enferm., 75(1).

Sousa, D. S. et al. (2021a). Respiratory functional profile of children with COVID-19 during the hospitalization phase. Research, Society and Development, 10(10), e573101018946.

Sousa, D. S. et al. (2021b). Impact of signs and symptoms of urinary incontinence on the quality of life of women practicing musculation in the State of Sergipe. Research, Society and Development, 10(10), e598101018609

Sousa, D. S. et al. (2021c). Scientific and technological prospection study on Myracrodruon urundeuva (aroeira do sertão) and bacterial resistance. Research, Society and Development, 10(11), e138101119505.

Teixeira, P. (2010). Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar. (2a ed.), Editora FIOCRUZ.

Teixeira, R. D. C. et al. (2020). Uso de medidas de Biossegurança por profissional fisioterapeuta. Cad., Edu. Saúde e Fis., 7(14), 1-9.

Vasconcelos, R. O. et al. (2017). Adesão à higienização das mãos pela equipe de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Enferm. Glob., 50(1), 446-461.

Published

22/01/2022

How to Cite

MORAES, M. L. de L.; BITTENCOURT , A. dos S.; SOUSA, D. S. .; COSTA, A. C. S. de M. Evaluation of biosafety standards in health professionals at a public hospital and a rehabilitation center in Aracaju city. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e18611223369, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.23369. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/23369. Acesso em: 20 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences