Collection and separation of recyclable materials: potential and limitations of collector associations

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25260

Keywords:

Solid waste segregators; Selective waste collection; Contamination; Collectors' associations.

Abstract

This research aimed to describe the potentialities and limitations of 14 associations of recyclable material collectors and their inclusion in the selective collection in the city of Chapecó-SC. To this end, a qualitative and quantitative study was conducted. The collection of information occurred through a semi-structured questionnaire in the period between October and November 2020. The analyses were performed using the content categorization technique. Fourteen professionals from material recycling associations were interviewed. Based on the results obtained, the main potentialities are the legal constitution of the Internal Regulations and Constitution Bylaws of the Association of Recyclable Material Collectors, the construction of new sheds, and the loads of recyclable material received daily by the associations. It was observed as a limitation in the selective collection process the mixing of organic waste with the recyclable one, compromising the generation of income, and the non-use or inadequate use of individual protection equipment. All the actors interviewed need more information, training, and support from public managers to improve the conditions, management, income, and life.

Author Biography

Maria Assunta Busato, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Professor of the Master's Program at the Community University of the Region of Chapecó - Unochapecó

References

Abreu, M. (2001). Do lixo à Cidadania: Estratégias para a Ação. Brasília. Caixa.

Alencar, M. C. B.; Cardoso, C. C. O. & Antunes, M. C. (2009) Condições de trabalho e sintomas relacionados à saúde de catadores e catadoras de materiais recicláveis em Curitiba. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 20, n. 1, p. 36-42.

Alves, F. F. de A., Lehfeld, L. de S., & Contin, A. C. (2021). Políticas públicas e gestão de resíduos sólidos: educação ambiental a partir de estudo de caso em Poços de Caldas/MG. Revista Interfaces da Educação, 12(35), 659–685.

Aquino, I. F.; Castilho Júnior, A. B & Pires, T. S. L. (2009). A organização em rede dos catadores de materiais recicláveis na cadeia produtiva reversa de pós-consumo da região da grande Florianópolis: uma alternativa de agregação de valor. Revista Gestão da Produção, v. 16, n. 1, p. 15-24.

Aragão Neto, F. A.; Gomes, A. V. M. (2016). Dignidade humana, desenvolvimento e o

trabalho dos catadores de resíduos sólidos. Revista Direito e Desenvolvimento, João Pessoa, v. 7,n. 2, p. 189-207.

Barros, V. A.; Pinto, J. B. M. (2008). Reciclagem, trabalho e cidadania. In: Kemp, V. H.; Crivellari, H. M. T. (org.). Catadores da Cena Urbana, construção de políticas socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, p. 65-82.

Botello-Álvarez, J. E., Rivas-García, P., Fausto-Castro, L., Estrada-Baltazar, A., & Gomez-Gonzalez, R. (2018). Informal collection, recycling and export of valuable waste as transcendent factor in the municipal solid waste management: A Latin – American reality. Journal of Cleaner Production. 182 (1), 485 – 495.

Boaventura, S. S. (2007). La reinvención del Estado y el Estado plurinacional. Bolívia: Cenda.

Brasil. (2015). Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupação-CBO. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2021/fevereiro/05/Boletimepidemiolo gico-SVS-05.pdf

Cardoso, U. C. (2014a). Associação: Série Empreendimentos Coletivos. Brasília, DF: Sebrae www.sebraesp.com.br/arquivos_site/biblioteca/guias_cartilhas/empreendimentos_coletivos_associacao.pdf. Acesso em: 06 dez. 2019.

Cardoso, U. C. (2014b). Cooperativa: Série Empreendimentos Coletivos. Brasília, DF: Sebrae. http://www.sebraesp.com.br/arquivos_site/biblioteca/guias_cartilhas/empreendimentos_coletivos_cooperativa.pdf. Acesso em: 06 dez. 2019.

CARRANÇA, T. (2019). Crise multiplica catadores, mas reduz o lixo. Valor Econômi-co. São Paulo, 10 maio, 2019. https://valor.globo.com/brasil/noticia/2019/05/10/crise-multiplica-catadores-mas-reduz-o-lixo.ghtml. Acesso em: 18 nov. 2021.

Cerqueira Streit, J. A. (2013). Estudo das oportunidades propiciadas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos: o caso das cooperativas de catadores de materiais recicláveis do DF. Brasília – DF, 2013. 89f. Monografia (Bacharelado em Administração) – Universidade de Brasília, Brasília.

Chapecó. Lei n. 5.493, de 19 de dezembro de 2008. Cria o Programa de Redução gradativa do número de veículos de tração animal, no Município de Chapecó. Chapecó, SC.

Chapecó (2021). Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. Disponível em: http://www.ibere.org.br/anexos/325/2940/minuta-do-pgirs-chapeco769-pdf. Acesso em: 01 mar. 2021.

Cruviel, V. R. N. et al. (2020a). Condições de saúde e ocupacionais riscos em um novo grupo: catadores no maior lixão a céu aberto da América Latina. BMC Public Saúde.

Cruviel, V. R. N. et al. (2020b). Doenças transmitidas por vetores em catadores em Brasília Brasil. Waste Manage, v. 105, p. 223-232,

Fernandes, M. S. S.; Costa, B. A. L. & Souza, N. D. (2020). Coleta seletiva e as associações de catadores(as) de materiais recicláveis de Viçosa (Minas Gerais): do “lixão” ao Fórum Municipal Lixo e Cidadania. Revista Brasileira de Meio Ambiente. v. 8, n. 4, p. 196-211.

Ferreira, J. A.; Anjos L. A. (2001). Aspectos de saúde coletiva e ocupacional associados à gestão de resíduos sólidos municipais. Cadernos de Saúde Pública, v. 17, n. 3, p. 689-696.

Fuzzi, R. F.; Leal, A. C. (2019). Cooperativas de materiais recicláveis organizadas em rede: Rede Cataoeste. Revista Formação (Online), v. 25, n. 45.

Fuzzi, F. R. (2016). Organização de cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis em rede: um estudo de caso da Rede Cataoeste com polo em Assis – São Paulo – Brasil. 2016. 257 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

Gomes, F. L. A.; Faria, M. F.; Silva, A. B. (2012). Cata a dor e Colhe Esperança: O papel das Cooperativas e Associações de Materiais Recicláveis nas Condições de Trabalho e da Vida dos Catadores de Materiais Recicláveis. São Paulo: Enapegs. Disponível em: http://anaisenapegs.com.br/2012/dmdocuments/261.pdf. Acesso em: 06 dez. 2019.

Guadagnin, F. et al. (2018). Compartimentação morfoestrutural da Bacia Hidrográfica do Rio Itapemirim, sul do estado do Espírito Santo. Geologia USP. Série Científica, [S. l.], v. 18, n. 2, p. 57-70.

IPEA. (2013). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. A crise financeira e os catadores de materiais recicláveis.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2020). Diagnóstico sobre catadores de resíduos sólidos. Relatório de Pesquisa. Brasília, DF: IPEA.

Lahmann, D. F. P., Borges, T. J, Fonseca, L. R., Magalhães, S. R. S., Silva, S. W. ., Silva, M. R. ., Fávaro, L. C. ., & Pereira, G. M. . (2021). Os desafios e benefícios do trabalho realizado por uma associação de catadores. Research, Society and Development, 10(14), e127101421688. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.21688

Lima, L. C.; Meneses, I. A. (2017). Caracterização dos resíduos de um equipamento transmissor de TV analógica e sua viabilidade econômica para reciclagem. Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 5.

Lutinski, J. A.; Souza, M. F. (2009). Avaliação do sistema de coleta de resíduos recicláveis realizado por catadores e suas implicações sociais, econômicas, ambientais e sanitárias na cidade de Chapecó - SC. 56 p. Monografia (Especialização em Gestão Ambiental e Energias Alternativas) – Faculdades Alternativas Santo Augusto, Chapecó.

Maciel, R. H. et al. (2011). Precariedade do trabalho e da vida de catadores de recicláveis em Fortaleza. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 63, p. 71-82.

Magalhães, B. J. (2012). Liminaridade e exclusão: os catadores de materiais recicláveis e suas relações com a sociedade brasileira. 131 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Minayo, M. C. S. (2014). O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Moura, S. R. S. de; Vieira, R. (2020). Integração dos serviços de saúde pública na gestão de riscos de desastres naturais: Revista Sociedade e Território, v. 31, n. 2, p. 49-72.

Movimento Nacional Dos Catadores De Materiais Recicláveis. (2019). Home. http://www.mncr.org.br/. Acesso em: 27 fev. 2020.

Nascimento Neto, J. A. N.; Moraes, P. D. (2019). Avaliação de riscos aos catadores da associação de catadores de resíduos do município de João Pessoa, Paraíba. Fórum Internacional de Resíduos Sólidos. Gestão Ambiental.

Oliveira, L. D. (2011). A geopolítica do desenvolvimento sustentável: um estudo sobre a Conferência do Rio de Janeiro (Rio-92). 267 p. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas.

Pardo Martínez, C. & Piña, W. (2017) Solid waste managementin Bogotá: the role of recycling associations as investigated through SWOT analysis. Environment, Development & Sustainability.19 (1), 1067-1086.

Pinhel, J. (2013). Catador de Resíduos Recicláveis: um perfil profissional em construção. In: ZANIN, Maria; GUTIERREZ, Rafaela Francisconi (org.). Cooperativas de Catadores: reflexos sobre práticas. Clara Luz, p. 53-101.

Queiroz, P. C. D. (2010). O plano de gerenciamento do resíduo sólido urbano como ferramenta de implantação do programa Lixo Zero em Araguari MG. 2010. 356 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Ramos, J. (2015). Limitações na responsabilidade socioambiental no agronegócio do oeste baiano. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – Geosul, v. 4, n. 1.

Rode, G. F. (2015). Limites e potencialidades para a organização coletiva de catadores de materiais recicláveis no município de Laranjeiras do Sul/ PR. 129 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Econômicas) – Universidade Federal Fronteira Sul.

Santos, M. C. L. (2011). Resíduos Sólidos Urbanos e seus Impactos Socioambientais. São Paulo: IEE-USP.

Santos, A. A. et al. (2019). Segurança no trabalho de catadores de reciclados. Work safety of recyclers. Brazilian Journal of Business, v. 1, n. 2, p. 698-710.

Silva, M. C. (2006). Trabalho e saúde dos catadores de materiais recicláveis em uma cidade do sul do Brasil. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, n. 49, p. 327-336.

Silva, M. S. F. (2013). Resíduos Sólidos Domiciliares e os múltiplos desafios ao seu gerenciamento. São Cristóvão: Ed. UFS.

Silva, M. N.; Siqueira, V. L. (2017). Riscos Ocupacionais de Catadores de Materiais Recicláveis: ações em saúde e segurança do trabalho. Revista Acadêmica Oswaldo Cruz, v. 4, n. 14.

Slivinki, A.; Falvo, J. F.; Sato, N. K. (2011). Cooperativas de manejo de resíduos sólidos urbanos: apontamentos para uma política de geração de trabalho e de renda. Revista Associação Brasileira de Estudos do Trabalho, v. 11, n. 1, p. 98-113.

Tavares, I. A. F. (2009). Do lixo à reciclagem: uma visão sobre o trabalho dos catadores no município de Divinópolis. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais) – Universidade do Estado de Minas Gerais, Divinópolis.

Published

17/01/2022

How to Cite

AGOSTINI, J.; BUSATO, M. A. . Collection and separation of recyclable materials: potential and limitations of collector associations. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e1711225260, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25260. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25260. Acesso em: 22 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences