Study of dropout in undergraduate degree in chemistry teaching at IFMA – São Luís Monte Castelo campus

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25600

Keywords:

Higher education; School dropout; Teaching; Teacher education.

Abstract

Student dropout has been a concern for higher education institutions in Brazil and worldwide. Aiming to understand the student dropout in the Undergraduate Chemistry course of IFMA-Monte Castelo, we analyzed the classes from 2002 to 2018. A descriptive and analytical methodology was used, addressing quanti and qualitatively data obtained from the academic system and questionnaires applied. For the classes of 2002 to 2018, the class of 2003 had the highest number of graduates (74%) and the lowest number of dropouts (26%). The highest evasion occurred in the class of 2006 (84%) and the class of 2010 had the lowest number of graduates (9%). For the classes of 2014 to 2018, the 2014 class had the highest evasion (77%) and the 2018 class had the lowest (7%). Financial hardship, moving to a different county/distance, children, and employment led to student dropout. To prevent and combat dropout, the institution should monitor and guide students, as well as increase the number of scholarships.  

Author Biographies

Rogério de Mesquita Teles, Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Maranhão

Full Professor at the Federal Institute of Education Sciences and Technology of Maranhão, São Luís - Monte Castelo campus

Illana Karina Dias Ribeiro, Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Maranhão

Student of the Degree in Chemistry at the Federal Institute of Education Sciences and Technology of Maranhão, São Luís - Monte Castelo campus.

Regina Lucia Muniz Ribeiro, Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Maranhão

Teacher of the Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Maranhão, Monte Castelo

Lara Rubia Silva Teles, Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Maranhão

Teacther of the Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão, campus São Luís - Monte Castelo

References

Abbad, G., Carvalho, R. S. & Zerbini, T. (2006) Evasão em curso via internet: explorando variáveis explicativas. RAE Eletrônica. 5(2): 1-26. https://doi.org/10.1590/S1676-56482006000200008.

Adachi, A. A. C. T. (2009) Evasão e evadidos nos cursos de graduação da Universidade Federal de Minas Gerais. 214 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.

Almeida, J. B. & Schimiguel, J. (2012) Avaliação sobre as causas da evasão escolar no ensino superior: estudo de caso no curso de licenciatura em física no Instituto Federal do Maranhão. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 2(2), 167-178. Doi: 10.26843/rencima.v2i2.64

Baggi, C. A. S. & Lopes, D. A. (2011) Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Avaliação, 16(2): 355‐374. http://www.scielo.br/pdf/aval/v16n2/a07v16n2

Biazus, C. A. (2004) Sistema de fatores que influenciam o aluno a evadir-se dos cursos de graduação na UFSM e na UFSC: um estudo no curso de ciências contábeis. 203 p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Florianópolis, 2004. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/87138

Brasil. (2000). Decreto nº 3.462, de 17 de maio de 2000. Diário Oficial da União, Poder Executivo. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3462.htm

Brasil. (2008) Decreto Nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Diário Official de 26/09/1909. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-7566-23-setembro-1909-525411-publicacaooriginal-1-pe.html.

Castro, A. K. Dos S. S. De & Teixeira, M. A. P. (2017) Evasão universitária: modelos teóricos internacionais e o panorama das pesquisas no Brasil. Psicologia Argumento, 32(1): 9-17. Doi: https://doi.org/10.7213/psicol..argum.32.s02.AO01.

Colombo, I. M. (2020). Escola de Aprendizes Artífices ou Escola de Aprendizes e Artífices? Educar em Revista, 36(1), 1-28. Doi: https://doi.org/10.1590/ 104-4060.71886

Costa, A. L. da. (1991) Evasão dos cursos de graduação da UFRGS em 1985, 1986 e 1987. Porto Alegre: UFRGS.

Dore, R & Luscher, A. Z. (2011) Permanência e evasão na educação técnica de nível médio em Minas Gerais. Caderno de Pesquisa, 41(144), 772-789. https://doi.org/10.1590/S0100-15742011000300007

Dore, R., Sales, P. E. N. & Castro, T. L. de. (2014) Evasão nos cursos técnicos de nível médio da rede federal de educação profissional de Minas Gerais. In: Dore, R.; Araújo, A. C. De; Mendes, J. de S. (Orgs.). Evasão na educação: estudos, políticas e propostas de enfrentamento. Brasília, DF: Ed. do IFB: RIMEPES, p. 379-413.

Fritsch, R. (2015) A problemática da evasão em cursos de graduação em uma universidade privada. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPEd, 37ª edição, 2015, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC. https://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt11-3986.pdf

Fritsch, R., Rocha, C. S. D. & Vitelli, R. F. (2015) A evasão nos cursos de graduação em uma instituição de ensino superior privada. Revista Educação em Questão, 52(8), 81-108. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2015v52n38ID7963

Instituto nacional de estudos e pesquisas educacionais anísio TEIXEIRA - Inep. Diretoria de Estatísticas Educacionais (DEED). (2017) Metodologia de Cálculo dos Indicadores de Fluxo da Educação Superior. Brasília, Inep. https://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2017/metodologia_indicadores_trajetoria_curso.pdf

Lima, F. B. G. (2014) A formação de professores nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia: um estudo da concepção política. Natal: IFRN. http://memoria.ifrn.edu.br/1044/325

Lorenzini, Elisiane. (2017). Pesquisa de métodos mistos nas ciências da saúde. Revista Cuidarte, 8(2), 1549-1560. Doi: https://doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.406

Manfredi, S. M. (2002) Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez.

MEC – Ministério da Educação e Cultura. (1997) “Diplomação, Retenção e Evasão nos cursos de Graduação em Instituições de Ensino Superior Públicas”. Brasília. http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=27010

Miranda, M. H. V.; Nascimento, F. de L. S.; Maciel, S. C.; Soares, E. S. (2020) Evasão no Ensino Superior: uma análise do Curso de Licenciatura em Física do IFRN-Campus João Câmara (2009-2019). Research, Society and Development, 9(1), 1-21. Doi: 10.33448/rsd-v9i1.1757.

Moraes, G. H. et. al. Plataforma Nilo Peçanha: guia de referência metodológica. Brasília: Editora Evobiz, 2018. https://drive.google.com/file/d/1WLWTxdjNej448_VMVGsbC-wLMiT7r-9d/view

Nunes, R. C. (2013) Panorama Geral da Evasão e Retenção no Ensino Superior no Brasil (IFES). In: XXVII Encontro Nacional de Pró-Reitores de Graduação, Painel... Recife: FORGRAD. https://arquivos.info.ufrn.br/arquivos/201723623308a84006474291af3e089d2/2013_-_Painel_Forgrad_Agosto_-_Evasao.pdf.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. (2010) Education at a Glance: OECD Indicators. Paris: OECD. Doi: https://doi.org/10.1787/eag-2010-en

Parrino, M. C. (2009) La deserción y la retención de alunos: um viejo conflito que requiere pensar nuevas soluciones. GUAL, 2(1), 01-15. Doi: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2009v2n1p01

Rangel, F. O; et al. (2019) Evasão ou mobilidade: conceito e realidade em uma licenciatura. Ciência e Educação, 25(1), 25-42. Doi: https://doi.org/10.1590/1516-731320190010003

Ribeiro, J. L. L. S.; Morais, V. G. (2020) A possível relação entre o SISU e a evasão nos primeiros semestres dos cursos universitários. Revista Brasileira de Educação, 25(1), 1-17. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-24782020250040

Santos Junior, J. S., Real, G. C. M. (2017) A evasão na educação superior: o estado da arte das pesquisas no Brasil a partir de 1990. Avaliação, 22(2): 385-402.

Santos, L. M. M. (2005) O papel da família e dos pares na escolha profissional. Psicologia em Estudo, 10(1), 57-66. https://www.scielo.br/j/pe/a/qBqcryfLqbvsnf7y6HkXNrv/?format=pdf&lang=pt

Silva Filho, R. L. L. et al. (2007) A evasão no ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 641-659. Doi: https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300007

Silva, B. E. N. da, & Bregalda, M. M. (2018). Fatores associados à evasão de discentes de um curso de Terapia Ocupacional. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 29(2), 111-119. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v29i2p111-119

Tinto, V. (1975) Dropout from Higher Education: A Theoretical Synthesis of Recent Research. Review of Educational Research Winter, 45(1), 89-125. Doi: https://doi.org/10.3102%2F00346543045001089

Tinto, V. (1997) Classrooms as Communities: Exploring the Education Character of Student Persistence. Journal of Higher Education, 68(6), 599-624. Doi: https://doi.org/10.2307/2959965

Tinto, Vincent. (1993) Leaving college: rethinking the causes and cures of student attrition. 2. ed. Chicago: The University of Chicago.

Vitelli, R. F., Fritsch, R. (2021). Evasão escolar na educação superior: de que indicador estamos falando?. Estudos Em Avaliação Educacional, 27(66), 908–937. Doi: https://doi.org/10.18222/eae.v27i66.4009

Published

18/01/2022

How to Cite

TELES, R. de M. .; RIBEIRO, I. K. D. .; RIBEIRO, R. L. M. .; TELES, L. R. S. . Study of dropout in undergraduate degree in chemistry teaching at IFMA – São Luís Monte Castelo campus. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e7511225600, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25600. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25600. Acesso em: 20 jun. 2024.

Issue

Section

Education Sciences