Mortality from external causes in the state of bahia, 2015-2019

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25675

Keywords:

Mortality; External causes; Epidemiology.

Abstract

Objective: to describe the epidemiological profile of mortality from external causes in the state of Bahia in the period from 2015 to 2019. Methodology: this is a descriptive study, with a temporal design and a quantitative approach that used secondary data from the Mortality Information System (SIM), from the SUS Department of Informatics (DATASUS), which are made available by the Ministry of Health. Results: the findings showed that among the external causes analyzed, aggression was the reason for the highest mortality rates. When analyzing the profile of victims affected by external causes, most are male individuals aged ¬20 to 29 years, brown, with schooling between 4 to 7 years of schooling and the public road was the main place of occurrence of deaths. Conclusion. it was found that during the study period, Bahia showed a trend towards an increase in deaths from external causes, especially with regard to aggression, a preventable death. We believe that based on the findings presented, it is possible to obtain subsidies for the development of public policies aimed at promoting health for the population, as well as reducing deaths from external causes in Bahia and in the country.

References

Abreu, A. M. M., Jomar, R. T., Thomaz, R. G., Guimarães, F. R. M., Lima, J. M. B., & Figueirò, R. F. S. (2012). Impacto da Lei Seca na mortalidade por acidentes de trânsito. Revista Enfermagem UERJ, 20(1), 21-26. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/3970/2753

Aleixo, W. F., Graciano, M. B. N., & Candido T. S. (2020). Mortalidade de mulheres por agressões no Brasil em 2016 E 2017: um problema de saúde pública subnotificado. (12ª ed.). Revista Saúde em Foco, 189-196. https://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2020/06/MORTALIDADE-DE-MULHERES-POR-AGRESS%C3%95ES-NO-BRASIL-EM-2016-E-2017-UM-PROBLEMA-DE-SA%C3%9ADE-P%C3%9ABLICA-SUBNOTIFICADO.docx.pdf

Ascari, R. A., Chapieski, C. M., Silva, O. M., & Frigo, J. (2013). Perfil epidemiológico de vítimas de acidente de trânsito. Revista de Enfermagem da UFSM, 3(1), 112-121. https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/7711/pdf

Barros, M. D.A., Ximenes, R., & Lima, M. L. C. (2001). Mortalidade por causas externas em crianças e adolescentes: tendências de 1979 a 1995. Revista de Saúde Pública, 35(2), 142-149. https://www.scielo.br/j/rsp/a/FN3RssfBddZPXFQqCMZw8Db/?lang=pt

Batista, L. E. (2005). Masculinidade, raça/cor e saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 10(1), 71-80. https://www.scielo.br/j/csc/a/xcPrrMCTKJvHgswHBWkySyD/?lang=pt

Brasil (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2008). Ministério da Saúde. Informações de saúde demográficas e socioeconômicas. https://datasus.saude.gov.br/demograficas-e-socioeconomicas/

Fiorio, N. M., Flor, L. S., Padilha, M., Castro, D. S. & Molina, M. C. B. (2011). Mortalidade por raça/cor: evidências de desigualdades sociais em Vitória (ES), Brasil. Rev Bras Epidemiol, 14(3), 522-530. https://www.scielo.br/j/rbepid/a/4hYGKtpqCkpsN45BcgkFHMw/?lang=pt

Garcia, L. P., Freitas, L. R. S. & Höfelmann, D. A. (2013). Avaliação do impacto da Lei Maria da Penha sobre a mortalidade de mulheres por agressões no Brasil, 2001-2011. Epidemiol. Serv. Saúde, 22(3), 383-394. 10.5123/S1679-4974201300030000

Gil, A. C. 1946 (2002) - Como elaborar projetos de pesquisa/Antônio Carlos Gil. (4ª. ed.). São Paulo: Atlas.

Gonsaga, R. A. T., Rimoli, C. F., Pires, E. A.; Zogheib, F. S.; Fujino, M. V. T.; & Cunha, M. B. (2012). Avaliação da mortalidade por causas externas. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 39(4), 263-267. https://www.scielo.br/j/rcbc/a/LHYjWm5Bc68ngyd3PgnmcCb/?lang=pt

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo Brasileiro de 2010. Disponível em: https: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba >. Acesso em: 09 jan. 2021.

Marques, S. H. B., Souza, A. C., Vaz, A. A., Pelegrini, A. H. W., & Linch, G. F. C. (2017). Mortalidade por causas externas no Brasil de 2004 A 2013. Revista Baiana de Saúde Pública, 41(2), 394-409. 10.22278/2318-2660.2017. v.41.n2.a2368.

Messias, M. M., Bandeira, J. R., Lopes, A. B., Silva, L. L. D., & Curado, P. F. (2018). Mortalidade por causas externas: revisão dos dados do Sistema de Informação de Mortalidade. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, 16(4), 218-21. https://www.sbcm.org.br/ojs3/index.php/rsbcm/article/view/374/336

Minayo, M. C. S. (2009). Seis características das mortes violentas no Brasil. Revista Brasileira de Estudos da População, 26(1), 135-140. https://www.scielo.br/j/rbepop/a/HKZ36sYffss3fhmyvsmzpQs/?lang=pt

Moura, E. C., Gomes, R., Falcão, M. T. C., Schwarz, E., Neves, A. C. M., & Santos, W. (2015). Desigualdades de gênero na mortalidade por causas externas no Brasil, 2010. Ciência & Saúde Coletiva, 20(3), 779-788. 10.1590/1413-81232015203.11172014

Nepomuceno, A. F. S. F.; Figueiredo, M. S.; & Jesus, V. S. (2021). Perfil de mortalidade por causas externas no estado da Bahia durante o período de 2010 A 2019. Práticas e Cuidado: Revista de Saúde Coletiva, 2(e10975), 1-11. https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/10975/8384

Nogueira, C. A. S., & Brandão, F.B. (2020). Mortalidade de adultos jovens por causas externas no Município de Imperatriz - MA, no biênio (2017 – 2018). (9ª ed.). Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 5, 31-58. https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/mortalidade-de-adultos

Pereira, S. D. (2007). Conceitos e Definições da Saúde e Epidemiologia usados na Vigilância Sanitária.

Preis, L. C., Lessa, Greice., Tourinho, F. S. V., & Santos, J. L. G. (2018). Epidemiologia da mortalidade por causas externas no período de 2004 A 2013. Revista de Enfermagem UFPE on line, 12(3),716-728. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/230886/28032

Santana, J. F. C. L., Xavier, I. F., Zanchetta, V. D., Valentim, F. C. V., Ura, J. F. B., Cestari, C. E., & Côrtes, M. A. Mortalidade feminina por causas externas em uma região de fronteira: Brasil – Bolívia. (2021). Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina, 4, 78-91. https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/5448/4290

Silva, J. M., Bispo, K. C. A. B., Andrade, N. M. A. S., Ribeiro, R. M. C. R., Nery, A. A., & Casotti, C. A. (2012). Mortalidade por causas externas em uma cidade do interior da Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, 36(2), 343-357. https://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/462/pdf_159

Sousa, A. S. B.; Silva, S. C.; & Cavalcante, M. F. A. Mortalidade por causas externas em adultos jovens em Teresina-PI no período de 2001-2011. (2016). Revista Interdisciplinar, 9(1),57-65. https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:kQhjAPTBemEJ:https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/ 6771955.pdf+&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

Zanella, L. C. H. (2013). Metodologia de pesquisa / Liane Carly Hermes Zanella (2a ed.). Departamento de Ciências da Administração.

Published

22/01/2022

How to Cite

RIBEIRO, M. R.; REBOUÇAS, L. C. C.; JESUS, C. S. de; RIBEIRO , R. M. C.; FARIAS, A. de A.; PINHEIRO, G. M. L. .; SANTOS, C. S. .; SILVA, M. O. da; SANTOS, M. B. dos; BARRETO, R. C.; SOUSA, M. L. de .; SOUZA, E. M. M.; MARTINS, B. O. S.; LEAL, L. S.; PRATES, W. A. dos S. Mortality from external causes in the state of bahia, 2015-2019 . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e17211225675, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25675. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25675. Acesso em: 21 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences