Assessment of Social Vulnerability to the threat of fire in the Tomé-Açu Microregion

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25732

Keywords:

Responsiveness; Criticality; Resilience.

Abstract

Recently, there have been many fires in Brazil, these strongly affecting the humid tropical forest. Several municipalities in Pará have had many fires and forest fires leaving serious consequences in the Amazon biome, increasing the vulnerability of the inhabitants of the most affected regions. Therefore, it is necessary to optimize risk prevention mechanisms and prepare communities to face possible disasters, training leaders for decision-making, raising their response capacities to build resilient communities. This study aimed to evaluate the social vulnerability of the Tomé-Açu Micro-region (MRTA) to the threat of fire. Geographic Information Systems (GIS) and ARCMAP 10.5 were used to prepare the maps; for multivariate statistical analyzes (K-Means clustering and PCA) R software, version 4.03 was used. A socio-environmental analysis was carried out considering demographic (demographic density and rural population), social (vulnerable by age group and level of education) and environmental variables (number of hotspots, rainfall, land use). The main results point to the municipality of Concórdia do Pará with high socio-environmental vulnerability to the threat of fire. With medium socio-environmental vulnerability appears Acará, whose environmental variables favor the reduction of this vulnerability, however, the social ones contribute negatively to the construction of this indicator. The other municipalities in the MRTA (Moju, Tailândia and Tomé-açu) have very similar environmental and social parameters and contributed to the construction of the indicator of low socio-environmental vulnerability to the threat of fire. This research reinforces the need to increase the education of this population to face possible disasters.

References

Abreu, R. C. R. et al. (2017). The biodiversity cost of carbon sequestration in tropical savanna. Science Advances, v. 3, n. 8, p. e1701284

Agence France Presse - AFP. (2018). Relembre os incêndios florestais mais mortais do século em todo o mundo. O Globo, 26 jul. 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/mundo/relembre-os-incendios-florestais-mais-mortais-do-seculo-em-todo-mundo-22919149. Acesso em: 10 mai. 2019.

Amaral, F. L., Oliveira Guerra, R. O., Nascimento, A. F.; Maciel, A. C. (2013). Apoio social e síndrome da fragilidade em idosos residentes na comunidade. Ciência Saúde Coletiva. 2013; 18(6):1835-46.

Anderson, L. O. (2019). et al. Modelo conceitual de sistema de alerta e de gestão de riscos e desastres associados a incêndios florestais e desafios para políticas públicas no Brasil. Territorium, n. 26, p. 43-69.

Andrade, M. M. N. de; Andrade, A. de S; Bezerra, P. E. S. (2017) Índice de vulnerabilidade aos desastres naturais no estado do Pará (Brasil). Revista DELOS Desarrollo Local Sostenible, n. 30, p. 1-16.

Aragão, J. O. R (1998). O Impacto do ENOS e do Dipolo do Atlântico no Nordeste do Brasil. Bull Inst. Fr. Études Andines, v.27, n.3, p. 839-844.

Bacani, V. M (2016). Geoprocessing applied to risk assessment of forest fires in the municipality of Bodoquena, Mato Grosso do Sul. Revista Árvore, v. 40, n. 6, p. 1003-1011.

Birkmann, J. et al. (2015). Scenarios for vulnerability: opportunities and constraints in the context of climate change and disaster risk. Climate Change, v. 133, n. 1, p. 53-68.

Carvalho, A. C. A. de. (2016). As metamorfoses do trabalho e no espaço a partir da dendeicultura em Tomé-açu (PA): estudos de caso na vila da Forquilha. 2016. 117f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Programa de Pós-Graduação em Geografia, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará Belém.

Cochrane, M. A. (2000). O grande incêndio de Roraima. Ciência Hoje, v.27, n. 157, p.26-43.

Cochrane, M. A. (2010). Tropical fire ecology: climate change, land use and ecosystem dynamics. Springer Science & Business Media.

Cordeiro, I. M. C. C.; Arbage, M. J. C.; Schwartz, G. (2017). Nordeste do Pará: configuração atual e aspectos identitários. In: CORDEIRO, I. M. C. C.; RANGEL-VASCONCELOS, L. G. T.; SCHWARTZ, G.; OLIVEIRA, F. de A. (orgs.). Nordeste paraense: panorama geral e uso sustentável das florestas secundárias. Belém: EDUFRA.

Costa, M. R. G. F. (2011). et al. Uso do fogo em Pastagens Naturais. PUBVET, Londrina, v. 8, n.9, ed. 156, art. 1050.

Cutter, S. L. A. (2011). A ciência da vulnerabilidade: modelos, métodos e indicadores. Revista Crítica de Ciências Sociais, v.93, n.1, p.59-69, jun

Cutter, S. L., Boruff, B., Shirley, L. (2003). Social vulnerability to Environmental Hazards. Social Science Quartely, v. 84, n. 1, p. 242-261.

Ferreira-Leite, F. et al. (2013). Grandes incêndios florestais em Portugal Continental como resultado das perturbações nos regimes de fogo no mundo mediterrâneo. Silva Lusitana, p. 127-142.

Figueiredo, B. L.; Costa J. A. da; Tavares L. C. (2015). Avaliação temporal e espacial das ocorrências de focos de calor em relação as estradas no município de Tailândia (Pará). In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, 17., 2015, João Pessoa, PB. Anais[...]. João Pessoa, PB: INPE, 2015. p.6803-6809.

Fonseca-Morello, T. (2017). et al. Queimadas e incêndios florestais na Amazônia brasileira: por que as políticas públicas têm efeito limitado? Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 19-40.

Freitas, C. M. de et al. (2012). Vulnerabilidade socioambiental, redução de riscos de desastres e construção da resiliência: lições do terremoto no Haiti e das chuvas fortes na Região Serrana, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, p. 1577-1586.

Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas - FAPESPA. (2016). Diretoria de Estatística e de Tecnologia e Gestão da Informação. Estatísticas municipais paraenses: Tomé-Açu. Belém, 2016.

Hirst, K. K. (2019). The discovery of fire. ThoutgtCo. Disponível em: https://www.thoughtco.com/the-discover. Acesso em 23 dez. 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Geociências. (2019). Disponível em: www.cidades.ibge.gov.br. Acesso em: 12 jun. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS- IBAMA. (2010) Investigação de incêndios florestais. Brasília - DF: IBAMA. Prevfogo.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. Banco de Queimadas. Disponível em https://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/bdqueimadas#. Acesso em: 11 jan 2020.

Lima, C.; Silveira, A.; França, I. (2015). Dimensão produtiva da agricultura familiar: estudo de caso no projeto de assentamento Vale do Moju-PA. Enciclopédia Biosfera, v. 11, n. 21, p. 777-793.

Marengo, J. A. (2006). Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade: caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do Século XXI. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente.

Morato, R.G. (2008). Análise espacial e desigualdade ambiental no município de São Paulo. xi, 131, [10]. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação de Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Musitano, M. (2019). O homem e o fogo. Invivo, Fundação Osvaldo Cruz. Disponível em: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1014&sid=9. Acesso em: 24 mai. 2019.

Nepstad, D. C.; Moreira, A. G.; Alencar, A. A. (1999). A floresta em chamas: origens, impactos e prevenção de fogo na Amazônia. Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, Edição Revisada. Brasília, DF, Brasil. 202 p.

Nepstad, D. C.; Moreira, A. G.; Alencar, A. A (1999). A floresta em chamas: origens, impactos e prevenção de fogo na Amazônia. Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, Edição Revisada, Brasília,DF, Brasil, 202 p.

PARÁ. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade – SEMAS (2010) Instrução Normativa N.51, de 08 de setembro de 2010. Dispõe sobre a Autorização de Queima Controlada no âmbito do Estado do Pará e dá outras providencias. Belém, 2010. Disponível em: https://www.semas.pa.gov.br/2010/09/08/10976/. Acesso em: 21 abr. 2021.

Rebello, F. K.; Homma, A. K. O (2017). História da colonização do Nordeste Paraense: uma reflexão para o futuro da Amazônia. Belém: EDUFRA.

Sales, G. M. et al. (2019). Emprego dos focos de calor na avaliação das queimadas e em incêndios florestais em Paragominas, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais, v. 14, n. 1, p. 55-77.

Santana, R. M (2010). Os caminhos da regularização fundiária no município de Concórdia do Pará/PA. 178f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Santos, K.; Silva, D.; Guimarães R. (2020). Análise multitemporal de focos de queimadas e variáveis climáticas, no Estado do Pará. Rev. Geogr. Acadêmica, v.14, n.1, p. 118-133.

Silverman, B. W. (1986). Density estimation for statistics and data analysis. London: Chapman and Hall. (Monographs on statistics and applied probability).

Soares, R. V. (2000). Novas tendências no controle de incêndios florestais. Floresta, v. 30, n. 1/2, p. 11-21. https://revistas.ufpr.br/floresta/article/view/2363.

Sousa, A. M. L. (2015). et al. Variabilidade espaço-temporal da precipitação na Amazônia durante eventos ENOS. Revista Brasileira de Geografia Física, v.8, P. 13-24

Vasconcelos, S. S. de et al. (2013). Variability of vegetation fires with rain and deforestation in Brazil's state of Amazonas. Remote Sensing of Environment, 136, p.199-209.

Published

25/01/2022

How to Cite

SOUZA, H. J. R. .; ANDRADE, M. M. N. de . Assessment of Social Vulnerability to the threat of fire in the Tomé-Açu Microregion. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e27711225732, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25732. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25732. Acesso em: 29 feb. 2024.

Issue

Section

Review Article