Shared management in non-metropolitan areas: microregions

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25808

Keywords:

Non-metropolitan municipalities; Interfederative Associativism; Small localities.

Abstract

This work presents a brief explanation about the exaggerated use of the figure of the Metropolitan Region in Brazil. This use is only figurative, for in fact few should be considered as such. Including the possibility of reviewing the formalization as a Metropolitan Region. The Metropolis Statute itself brings options such as urban agglomerations and micro-regions as forms of management to the detriment of the Metropolitan Region. This fact leaves gaps to be filled, such as the possibility of micro-regions becoming a management scale. As many contributions to the Metropolis Statute have not been clarified, the intention is to investigate whether the current microregions correspond to the proposal of the Metropolis Statute. For the elaboration of the present work, bibliographic research was carried out and secondary data collection was carried out on the regions in Spain and on the microregions in the state of Paraná-Brazil. Shared management can fill the gaps in territorial policy in Paraná and Brazil, provided that well-structured, prioritizing the demands of each municipality or each association of municipalities.

Author Biographies

Marinalva dos Reis Batista, Universidade Estadual de Maringá

Doutoranda na Universidade Estadual de Maringá - UEM

Angela Maria Endlich, Universidade Estadual de Maringá

Profa. Dra. Angela Maria Endlich. Professora no programa de Pos-graduação em Geografia na Universidade Estadual de Maringá - UEM.

References

Batista, M. R. (2017). Inserções e interações espaciais das pequenas localidades na Região Metropolitana de Maringá. (Dissertação de mestrado). UEM: Maringá, 2017.

Cruz, J. (2008). Os municípios se sublimam na metrópole: “ensaio sobre reforma metropolitana”. Recife: Cubzac.

Costa, Marco Aurélio (2013). Tsukumo, Isadora Tami Lemos (Orgs). 40 anos de regiões metropolitanas no Brasil. Brasília: Ipea.

Denardi, R. A. et al (2000). Fatores que afetam o desenvolvimento local em pequenos municípios do Estado do Paraná. Curitiba: Emater-PR.

Endlich, A. M. (2006). Pensando os papéis e significados das pequenas cidades do Noroeste do Paraná. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente: Editora UNESP. 505 p.

Endlich, A. M. (2007). Gestão territorial compartilhada em espaços não-metropolitanos. Scripta Nova: revista electrónica de geografía y ciencias sociales, (11), 62.

Endlich, A. M. (2017). Cooperações intermunicipais: alguns aportes. Maringá: PGE-UEM. 139 p.

Endlich, A. M. (2015). Regiões metropolitanas do Paraná no divã: lacunas, entrelinhas e outras possibilidades de entes de gestão intermunicipal compartilhada. Bahia Análise e Dados, 25,343-357.

Ferreira, S. C. (2013). Dinâmica demográfica e cidades de porte médio na configuração da rede urbana do estado do paraná. In: Anais XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana – Simpurb. 2011. http://xiisimpurb2011.com.br.

Fresca, T. M. (2011). Uma discussão sobre o conceito de metrópole. Revista Anpege. 7(8), 31-52, ago./dez. <<www.anpege.org.br&gt.

Firkowski, O. L. C. de F. (2014). Por que as Regiões Metropolitanas no Brasil são Regiões, mas não são metropolitanas. Http://www.ipardes.pr.gov.br.

Gonçalves JR, C. A. et al (2012). Análise diferencial/estrutural e fatorial do emprego nas microrregiões paranaenses entre 2005 a 2009. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD, (118), 41-66.

Grau, E. R. (2012). A ordem econômica na Constituição de 1988:(interpretação e crítica).

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (2018). Brasil metropolitano em foco: desafios à implementação do Estatuto da Metrópole.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1990). Mesorregiões e microrregiões. IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017). Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. Rio de Janeiro, Coordenação de Geografia. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100600.pdf.

Paraná (2017). Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano (Sedu); Serviço Social Autônomo (Paranacidade). Referências para a Política de Desenvolvimento Urbano e Regional para o Estado do Paraná. Curitiba.

Rodrigues Gutierrez, F.; Menendez Fernandez, R.; Cadernas Nevado, A. (2005). Comarcas, consorcios y otras experiencias innovadoras de cooperación territorial en España. Boletín de laasociación de geógrafos Españoles.

Klink, J (2001). A cidade-região – regionalismo e reestruturação no grande ABC paulista. DP&A Editora.

Lencioni, S. (2006). Da cidade e sua região à cidade-região. In J. B. da Silva, L. C. Lima,D. Elias (Orgs.), Panorama da geografia brasileira. Annablume.

Lopez, M. A. (2014). La comarca como entidad natural, histórica y administrativa. Editorial Dykinson.

Santos, M. (2001). A Natureza do espaço. Técnica e Tempo, Razão e Emoção. (4.ed.) Hucitec,

Santos, M.; Silveira, M. L. (2002). O Brasil: território e sociedade no início do século XXI (2a ed.). Rio de Janeiro: Record.

Souza, C. et al (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 8(16), 20-45.

Vidigal, V. G., Castro I. A., Silveira, G. F. (2012). Desenvolvimento Socioeconômico nas microrregiões do Paraná: uma análise multivariada. Revista de Economia, 38(2).

Published

23/01/2022

How to Cite

BATISTA, M. dos R. .; ENDLICH, A. M. Shared management in non-metropolitan areas: microregions. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e23911225808, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25808. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25808. Acesso em: 29 feb. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences