A look at the women rural educators from the land school action, from Pronacampo

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25873

Keywords:

Rural education; Pedagogical practices; Teacher training; Escola da Terra; Gender.

Abstract

This article presents a look at the field educators from the action Escola da Terra, from PRONACAMPO. It was developed in the context of the subject Public Policies and Education of the Field, offered in the second semester of 2021, in the Graduate Program in Teaching of Sciences and Humanities (PPGECH) at the Federal University of Amazonas - UFAM, Humaitá Unit - IEAA. The general objective is to analyze whether the actions of the Escola da Terra have been reflected in the teaching activities of women educators in Amazonas, considering the question that drives the research: How have the actions of the Escola da Terra reflected on the teaching practice of women educators in the field in the Amazon context? We sought, then, to reflect on the pedagogical practice of women educators in Amazonas; to discuss the pedagogical training course offered by the Escola da Terra; and to understand if the feminine condition interferes in the teaching performance of women educators in the field. The theoretical and methodological support is based on the post-critical methodology in Education, based on authors who move between the prefix "Post" fields brought by Meyer and Paradise (2012), anchored in feminist and gender studies, Berth (2020) and Holland (2020). Data production was from the narrative interview, Andrade (2012) and document analysis, Ludke and André (2013). The analysis of the results was made from a qualitative approach, according to Gastaldo (2018) and suggests that the actions of the Escola da Terra did not reach the interviewed educators and are not reflected in the pedagogical practices developed. The feminine condition appeared as a significant influence on the idea of empowerment of the subjects in the process of resistance and search for an autonomous and emancipatory education.

References

Andrade, S. S. (2012). A entrevista narrativa ressignificada nas pesquisas educacionais. In: Meyer, D. E; Paraíso, M. A. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Mazza edições.

Berth, J. (2020). Empoderamento.Sueli Carneiro: Jandaira.

Bitencourt, S; Boemer, L. A. (2019). Fundamentos da educação no campo. Uniasselvi.

Brasília (2006). Manual Escola da Terra. Ministério da Educação.

Caldart, R. S. A. (2003). Escola do Campo em movimento. Coletivo Nacional de Educação do MST e Instituto Técnico de Capacitação e Pesquisa da Reforma Agrária (ITERRA) Brasil. Currículo sem Fronteiras. 3(1), 60-81.

Caldart, R. S. (2002). Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In: Kolling, E.; Cerioli, P. R.; Caldart, R. S. (Orgs). Educação do campo: identidade e políticas públicas. Articulação Nacional “Por uma Educação do Campo”

Caldart, R, S. Org. (2012). Dicionário da Educação do Campo. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Camillo, C. M; Medeiros, L. M. (2018). In. David, C. Org. Reflexões e práticas na formação de educadores. EdUERJ.

Carvajal, J. P. (2020). Uma ruptura epistemológica com o feminismo ocidental. IN. Holanda, H. B. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Bazar do Tempo.

Collares, D; Xavier, N. R; Albuquerque, P. P. (2019). Escola da Terra: a formação docente como espaço reflexivo na interdependência entre extensão, Ensino e Pesquisa. IN. Gestão, avaliação e inovação no ensino superior. Ponta Grossa: Atena, 2019.

Costa, F. A.; Carvalho, H. M. (2012) Campesinato. IN. Caldart, R, S. Org. (2012). Dicionário da Educação do Campo. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Costa, M. G. (2020). Agroecologia, (eco)feminismos e “bem viver”: emergências decoloniais no movimento ambientalista brasileiro. IN. Holanda, H. B. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Bazar do Tempo.

Cunha, H.S. (2016). A feminização da luta por escolas do campo: uma questão de gênero e classe. Entrelaçando. N.10, Ano V, Caderno Temático do II SIEC: Educação do Campo em Moviemento.

David, C. Org. (2018). Reflexões e práticas na formação de educadores. EdUERJ.

Felber, A; Silva, G. J. (2017). Contributos da educação do campo para formação de sujeitos autônomos: um estudo no assentamento Luis Inácio Lula da Silva. In. Santos, A; Oliveira, J; Coelho, L. A. Org. (2017). Educação e sua diversidade. Editus.

Gastaldo, D. (2012). Pesquisador/a desconstruído/a e influente? Desafios da articulação teoria-metodologia nos estudos pós-críticos. In: Meyer, D. E; Paraíso, M. E. (2012). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Mazza edições.

Hillesheim, L. P. (2018). Contexto de uma educação rejeitada. IN. David, C. Org. (2018). Reflexões e práticas na formação de educadores. EdUERJ.

Holanda, H. B. (2020). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Bazar do Tempo.

Isobe, R. M; Rezende, V. M. (2019). Percepções dos professores sobre as condições do trabalho docente. IN. Pimenta, J. S. Docência, formação e práticas pedagógicas: experiências e pesquisas. Paco.

Kergoat, D. (2009). Divisão sexual do trabalho e relações sociais do sexo. IN. Hirata, H. Org. (2009) Dicionário crítico do feminismo. Fundação editora da UNESP.

Ludke, M.; André, M. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. E.P.U.

Lusa, M. G. (2012). Relações de gênero no campo: a superação dos papeis tradicionais como desafio a proteção social básica e o papel dos assistentes sociais. Gênero.

Meyer, D; Paraíso, M. Org. (2012). Metodologia de Pesquisa Pós-Críticas em Educação. Mazza Edições.

Silva, C. (2018). Políticas públicas para educação do campo e formação de professores. IN. ARAÚJO, Gustavo Cunha. Educação do campo, artes e formação docente (Volume 2). Universidade Federal do Tocantins/EDUFT.

Vieira, N. C; Maciel, R. A; Maciel, W. R. (2021). Formação continuada de professores do campo no Programa Escola da Terra e a concepção do currículo. Teias. DOI: 10.12957/teias.2017.27077.

Zanella. A. (2012). Olhar. In. Fonseca, T; Nascimento, N; Maraschin, C. Org. (2012). Pesquisar na diferença: um abecedário. Sulina.

Published

26/01/2022

How to Cite

ORIENTE, S. B. .; ALVES, M. I. A.; NOGUEIRA, E. M. L. A look at the women rural educators from the land school action, from Pronacampo. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e32211225873, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25873. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25873. Acesso em: 19 apr. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences