Love: multiple meanings by different social actors

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25927

Keywords:

Love; Feelings; Emotions; Social relationships.

Abstract

It is possible to see that with the transformations of current society, such as exacerbated individualism, the cult of the body and the image, social relations are easily constructed and deconstructed, as the bonds are fragile and superficial. However, despite all the changes, love survives intensely between the places of social responsibilities. Thus, the research stands out as a qualitative, quantitative and descriptive study, with the general objective of understanding the meaning of love, for different social actors, in different contexts. The specific objectives are: to identify social, community, business and religious leaders in the research territory as social actors; identify the characteristics most commonly attributed and/or associated with the word love by different social actors and compare the similarities and differences in the meanings of love for different social actors. The results of the research induced that despite the meanings of love being related to the life experience of each participant, all agreed that it is a positive feeling, and for most, the most important feeling in life, so one can think that by love being a unique experience that allows subjectivity to be present, its presence would favor a decentralization of attention focused on the external, and the exacerbation of corporate affections and feelings, building more solid and specific social relationships, therefore, the obligations on " love” are of great importance for the development of subsidies for proposals to encourage moral values.

References

Aguiar, W. M. J. & Ozella, S. (2006). Núcleos de Significação como Instrumento para a Apreensão da Constituição dos Sentidos. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pcp/v26n2/v26n2a06.pdf>. Acesso em: 20 março de 2021.

Almeida, T. (2017). O conceito de amor: um estudo exploratório com uma amostra brasileira. Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano. Universidade de São Paulo. São Paulo. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-20092017-104821/publico/Almeida_do.pdf. Acessado em: 13 de abril de 2021.

Alves, A. D., Alencar, H. M. & Ortega, A. C. (2012). Exemplos sobre a importância do amor: estudo com crianças no contexto da moralidade. Temas em Psicologia, v. 20, n. 1, 261-272, 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v20n1/v20n1a19.pdf. Acessado em: 12 de julho de 2021.

Aragão, J. C. S. (2011). Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Praxis, v. 59. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/566 . Acessado em: 04 de outubro de 2021.

Araújo, M. F. (2002). Amor, casamento e sexualidade: velhas e novas configurações. Psicologia Ciência e Profissão, vol.22, n.2, p.70-77. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932002000200009. Acessado em: 13 de março de 2021.

Baptista, P. C. D. & Roldão, F. D. (2017). Significados e sentidos de amor na maturidade. Anais do EVINCI – UniBrasil, v. 3, n. 1, p. 296-296, out. Disponível em: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/anaisevinci/article/view/3379/2940. Acessado em: 11 de julho de 2021.

Bastos, R. D. D. (2016). A prática do amor: a relação ética em Soren Kierkegaard. 55 P. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal do Maranhão. Disponível em: https://monografias.ufma.br/jspui/bitstream/123456789/1230/1/RaizaBastos.pdf. Acessado em: 16 de agosto de 2021.

Bauman, Z. (2004). Amor líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Beraldo, F. M. (2018). Amor líquido: uma reflexão sobre amar na modernidade. (Trabalho de Conclusão de Curso). Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA. Ariquemes –RO. 65p. Disponível em: http://repositorio.faema.edu.br/bitstream/123456789/2328/1/TCC%20-%20Fabiana%20Beraldo_Amor%20L%c3%adquido_uma%20reflex%c3%a3o%20sobre%20am%20ar%20na%20modernidade_assinado_assinado.pdf. Acessado em: 17 de julho de 2021.

Braz, I. R. (2020). O amor romântico na sociedade capitalista e patriarcal: uma crítica feminista marxista. 99 P. (Mestrado). Universidade Federal de Goiás. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tede/11461/3/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20-%20Isana%20Rodrigues%20Braz%20-%202020.pdf. Acessado em: 22 de agosto de 2021.

Bystronski, B. (1995). Teorias e Processos Psicossociais da Intimidade Interpessoal. Em: Rodrigues, Aroldo. Psicologia Social para principiantes: estudo da interação humana. Petrópolis: Vozes.

Casey, J. (1992). A história da família. Editora: Ática. Disponível em: http://edufrn.ufrn.br/bitstream/123456789/130/157/O%20SIGNIFICADO%20DA%20FAM%C3%8DLIA.%20A%20hist%C3%B3ria%20da%20fam%C3%ADlia.%20CASY%2C%20James.%201992..pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

Cerqueira, I. C. & Rocha, F. N. (2018). Amor e relacionamentos amorosos no olhar da psicologia. Revista Mosaico, 09 (2), p. 10-17, jul./ dez. Disponível em: file:///C:/Users/Suporte%20Notebooks/Downloads/1449-Texto%20do%20artigo-5170-2-10-20181206.pdf. Acessado em: 13 de março de 2021.

CHAPMAN, G. (1997). As cinco linguagens do amor. Tradução: Iara Vasconcelos. Editora: Mundo Cristão, 1997. Disponível em: https://docero.com.br/doc/8nxxv15. Acessado em: 15 de agosto de 2021.

DOMINGUES, S. C. (2013). O amor na sociedade. Quando a virtude se torna dor. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade de Brasília. 53 p. Disponível em: https://1library.co/document/q208x8pz-o-amor-na-sociedade-quando-a-virtude-se-torna-dor.html. Acessado em: 15 de junho de 2021.

Gouveia, V. V., Carvalho, E. A. B., Santos, F. A. & Almeida, M. R. (2013). Escala tetrangular do amor: Testando sua estrutura e invariância fatorial. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(1), 32-45. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932013000100004. Acessado em: 10 de abril de 2021.

Gouveia, V. V., Fonseca, P. N., Cavalcanti, J. P. N., Diniz, P. K. C. & Dória, L. C. (2009). Versão abreviada da Escala Triangular do Amor: Evidências de validade fatorial econsistência interna. Estudos de Psicologia, 14(1), 31-39. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epsic/v14n1/a05v14n1.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

Guedes, C. (2005). Sociabilidade e Sociedade de Risco: um estudo sobre relações na modernidade. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15 (2): 353-371. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v15n2/v15n2a09.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

Hernandez, J. A., Plácido, M. G., Araújo, A. L., Neves, V. C. & Azevedo, C. A. C. B. (2014). A psicologia do amor: vinte anos de estudos científicos nacionais. Psicol. Argum., 32 (79), csupl. 2, 131-139, 2014. Disponível em: file:///C:/Users/Raphaela/Downloads/20553-35539-1-SM%20(1).pdf. Acessado em 11 de maio de 2021.

Hernandez, J. A. E. & Oliveira, I. M. B. (2003). Os Componentes do Amor e a Satisfação. Psicologia Ciência e Profissão. 21 (3), 58-69. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pcp/v23n1/v23n1a09.pdf. Acessado em: 13 de março de 2021.

Johnson, R. A. (1987). A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina, SP, Ed. Mercuryo. Disponível em: https://www.docsity.com/pt/johnson-r-a-we-a-chave-da-psicologia-do-amor-romantico/4834263/. Acessado em: 21 de março de 2021.

Lins, N. R. (2012). O livro do amor. Volume I: Da Pré-História à Renascença. Editora: BestSeller.

Marques, R. (2001). O livro das virtudes de sempre: ética para professores. São Paulo: Landy.

Martuccelli, D. (2016). O indivíduo, o amor e o sentido da vida. Estudos Avançados, 30 (86). Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/VvXTsfZHkNKBkSpKCn8gMzt/?lang=pt&format=pdf. Acessado em: 15 de junho de 2021.

Maia, R. A. S. (2014). O significado do Amor: uma comparação contemporânea e teológica de sua ocorrência e significados. Revista de Cultura Teológica. nº 83. Disponível em: file:///C:/Users/Suporte%20Notebooks/Downloads/19235-51732-1-PB.pdf. Acessado em: 13 de março de 2021.

Michelis, (2021). DICIONÁRIO MICHAELIS. Editora Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/amor/. Acessado em: 13 de março de 2021.

Minayo, M. C. S., Deslandes, S.F. & Gomes, R. (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro. Editora Vozes.

Moraes, D. (2020). O acontecimento do amor: ensaio para a recolocação da essência do amor humano [recurso eletrônico]/ Dax Moraes – Porto Alegre: Ed. Da UFCSPA, 2020. Disponível em: file:///C:/Users/Raphaela/Downloads/O-acontecimento-do-amor%20(1).pdf. Acessado em: 13 de agosto de 2021.

Gimenez, R. M. & Bervique, J. A. (2006). Relação entre as emoções e o organismo como um todo. Revista Científica Eletrônica de Psicologia, ano IV, n. 7, novembro. Disponível em: http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/ri4hKpL8RTl9wi8_2013-5-10-15-32-13.pdf. Acessado em: 25 de junho de 2021.

Nascimento, D. F. M. P. (2019). História Filosófica do Amor: Ensaio para uma nova compreensão da essência do amor humano. Natal, RN: EDUFRN. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/27912/1/Hist%C3%B3ria%20Filos%C3%B3fica%20do%20Amor.pdf. Acessado em: 13 de abril de 2021.

Preto, Z., Maheirie, K. & Tonelli, M. J. F. (2009). Um olhar sobre o amor no ocidente. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 14, n. 2, p. 395-403, abr./jun. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pe/a/BrwsMQ66MGnKHskw6qcQ3Bf/?lang=pt&format=pdf. Acessado em: 12 de março de 2021.

Quadros, E. M. (2011). Eros, Fília e Ágape: o amor do mundo grego à concepção cristã. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 33, n. 2, p. 165-171. Disponível em: file:///C:/Users/Raphaela/Downloads/10173-Texto%20do%20artigo-61595-1-10-20111219%20(1).pdf. Acessado em: 11 de julho de 2021.

Reichow, L. D. K. Individualismo, hedonismo e narcisismo na hipermodernidade. (2015). Anais do Salão de Pesquisa da Faculdade EST. São Leopoldo: EST, v. 14. Disponível em: file:///C:/Users/Suporte%20Notebooks/Downloads/624-2029-1-PB.pdf. Acessado em 13 de março de 2021.

Rios, I. C. (2008). O amor nos tempos de Narciso. Interface. Comunicação Saúde Educação, v. 12, n. 25, p. 421-426, abr./ junho. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/kYk5fRB4XmhKkHXLjSsj46w/?format=pdf&lang=pt. Acessado em: 19 de agosto de 2021.

Scholosser, A. (2014). Interface entre Saúde Mental e Relacionamento Amoroso: Um Olhar a Partir da Psicologia Positiva. Pensando Famílias, 18 (2), dez., p. 17-33. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v18n2/v18n2a03.pdf. Acessado em: 13 de março de 2021.

Silva, P. O. M., Trindade, Z. A. & Júnior, A. S. (2013). Teorias Sobre o Amor no Campo da Psicologia Social. Psicologia: Ciência e Profissão, v.33, n.1, p.16-31. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2820/282026452004.pdf. Acessado em 14 de março de 2021.

Silva, M. A. D. S. (2014). Quem ama não adoece. Editora: BesSeller.

Silva, L. C. (2002). Emoções e sentimentos na escola: uma certa dimensão do domínio afetivo. 374 P. (MESTRADO). Universidade Federal da Bahia.. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/11773/1/Silva%2C%20Lindomar.pdf. Acessado em: 26 de junho de 2021.

Stein, D. J. Amor líquido e as relações pessoais frágeis: uma proposta de leitura da representação da mulher canalha em contos de canalha: substantivo feminino e na série televisiva as canalhas. (2016).108 P. (Mestrado). Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Disponível em: http://www.fw.uri.br/NewArquivos/pos/dissertacao/dis-132.pdf. Acessado em: 22 de agosto de 2021.

Vasconcelos, T. S. F. (2013). A influência das relações de apego entre pais e filhos na compreensão das emoções pelos filhos. Dissertação de Mestrado da Universidade Federal de Pernambuco. Pós-Graduação em Psicologia. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/10444/1/Disserta%C3%A7ao%20Tha%C3%AFs.pdf. Acessado em: 13 de março de 2021.

Published

28/01/2022

How to Cite

ANDRADE, M. de A. .; ANDRADE, L. F. .; SAMPAIO, P. Y. S. .; MELO, M. S. S. .; HERNANDES, R. S. . Love: multiple meanings by different social actors. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 2, p. e36811225927, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i2.25927. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25927. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences