Corporate sustainable development: A historical rescue and a current debate

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i12.43214

Keywords:

Sustainable business development; Historical trajectory; Environmental degradation.

Abstract

Currently, the debate involving environmental issues has become broader and internationalized, being discussed in several international conferences since the 1970s. Sustainable development can be reflected by several economic, social and environmental factors that are closely interconnected with each other and with the added dimension of time, which emphasizes the long-term perspective of various factors. Due to their central role in human activities and development, companies must play an important role in achieving sustainability goals. The main objective of this article is to list the main historical events on the care of the environmental issue, showing how sustainability gained space in the political, business and social spheres. Literature review and access to public documents were used as a methodology. This article intends to answer the following question: what are the most important events that resulted in the generation of concern about sustainability?

References

Adrian, H., & Richarson, J. (2004). The triple bottom line: does it all add up? Chapter 1. Enter the triple bottom Line, Elkington, J. London, Earthscan.

Barbieri, J. (2010). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. Editora Saraiva, 2010.

Barde, J. (1994). Economic instruments in environmental policy: lessons from the OECD experience and their relevance to developing economies. Research programme on: Environmental Management in Developing Countries. OECD development centre. Working paper Nr. 92, 1994.

Brasil (1997). Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal. A caminho da agenda 21 brasileira: princípios e ações 1992/97. Brasília, 1997.

Brasil (1997). Ministério da Ciência e Tecnologia. Protocolo de Quioto. Disponível em http://www.mct.gov.br/upd_blob/0012/12425.pdf. Acessado em 02/06/2017.

Brundtlan, Comissão (1987). “Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: o nosso futuro comum. Universidade de Oxford. Nova Iorque, 1987. Disponível em: http://eubios.info/BetCD/Bt14.doc

Carta da Terra. http://www.mma.gov.br/estruturas/agenda21/_arquivos/carta_terra.pdf. Acessado em 02/06/2017.

Carvalho, P. G.M. (1987). Meio ambiente e políticas públicas- a atuação da FEEMA no controle da poluição industrial, Campinas, UNICAMP, 1987.

CMMAD (1991). Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2a ed. Tradução de Our common future. 1988. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

st. Conference of the Parties. United Nations. Paris Agreement, 2015. http://unfccc.int/resource/docs/2015/cop21/eng/l09r01.pdf. Acessado em 02/06/2017.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation. Califórnia Management Review, 36(2), 90-100.

Giz, G. V. (2015). Retorno econômico de projetos de sustentabilidade. Centro de Estudos em Sustentabilidade da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, p. 67. 2015

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI. In: Bursztyn, M. Para Pensar o Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 29-56.

Lopez, M. V., Garcia, A., & Rodriguez, L. (2007). Sustainable development and corporate performance: A study based on the Dow Jones Sustainability Index. Journal of Business Ethics, 75(3), 285-300.

Loyola, R. (2001). A economia ambiental e a economia ecológica: uma discussão teórica. In: Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, 2ª edição, 2001, São Paulo. Anais...São Paulo: ECOECO, 2001. http://www.ecoeco.org.br/conteudo/publicacoes/encontros/ii_en/mesa2/4.pdf. Acessado em 02/06/2017

Martins, R. C., & Felicidade, N. (2001). Limitações da Abordagem Neoclássica como Suporte Teórico para a Gestão de Recursos Hídricos no Brasil. In: Felicidade, N., Martins, R.C., Leme, A A. Uso e Gestão dos Recursos Hídricos no Brasil. Ed. Rima. São Carlos, 2001.

Meadows, D. H. (1978). Limites do crescimento. Um relatório para o projeto do Clube de Roma sobre o dilema da humanidade. 2a edição, São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

Montibeller, G. (1994). Industrialização e ecodesenvolvimento: contradições, possibilidades e limites em economia capitalista periférica, o Estado de Santa Catarina. Florianópolis: Biblioteca UFSC, 1994.

Montibeller, G. (1999). O mito do desenvolvimento sustentável. Florianópolis: Biblioteca UFSC, 1999.

Piacente, F. J. (2010). Agroindústria canavieira e o sistema de gestão ambiental: O caso das usinas localizadas nas bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. UNICAMP – Universidade de Campinas. Instituto de Economia, Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente. 2005.

Piacente, F. J., Silva, V. C., & Armas, O. F. (2021). Evolução da produção agrícola canavieira na região noroeste do estado de São Paulo: fases de expansão e crise no setor e seus impactos no uso da terra entre 2000 e 2013. Revista de Economia e Sociologia Rural, 2021, 60(1), pp. 1–16.

Piacente, F. J., Silva, V. C., & Biaggi, D. E. (2017). Evolução das receitas fiscais dos principais municípios da Região de Governo de Piracicaba/SP - Brasil no período de 2000 a 2015. Espacios, 2017, 38(2), 7

Piacente, F. J., & Silva, V. C. (2015). Setor Sucroenergético Brasileiro: Um estudo de prospecção tecnológica e inovação entre 1975 e 1985. Espacios, 2015, 36(23), 12.

Piacente, F. J., Silva, V. C., & Biaggi, D. E. (2015) Produção de etanol de segunda geração a partir da cana-de-açúcar: Estudo de prospecção de patentes. Espacios, 2015, 36(23), 16

Pigou, A. (1932). The Economics of Welfare. 4ª edição. Londres: Macmillan & Co, 1932. http://www.econlib.org/library/NPDBooks/Pigou/pgEW.html. Acessado em 05/06/2017. Acessado em 05/06/2017.

Porter, M. (1998). A vantagem competitiva das nações. In: Montgomery, C. A., Porter, M. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

Raynaut, C. & Zanoni, M. (1993). La construction de Interdisciplinarité et formation integée de l’environnement et du développement. Paris: UNESCO (document préparé pour la réunio sur le modalités de travais de CHAIRES UNESCO DU DEVELOPPEMENT DURABLE). 1993.

Romeiro, A. (2001). Economia ou economia política da sustentabilidade? Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set. 2001.

Sachs, I. (2003). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Petrópolis: Editora Garamond, 2003.

Sequinel, M. C. M. (2002). Cúpula mundial sobre desenvolvimento sustentável - Joanesburgo: entre o sonho e o possível. Revista Análise Conjuntural, 24(11-12), 14.

Silva, V. C., Piacente, F. J., Piedade, S. M. D. S., & Arthur, V. (2017). Aceitabilidade de mercado para alimentos irradiados na cidade de Piracicaba/SP-Brasil. Espacios, 2017, 38(32), pp. 53.

Souza, I. M., Formigoni, A., Irazusta, S. P., Silva, J. W. J., & Piacente, F. J. (2022). Urban Traffic and Pollution in the Metropolitan Region of São Paulo (MRSP): Active Transportation as a Mitigation Measure. IFIP Advances in Information and Communication Technologythis, 2022, 663 IFIP, pp. 582–592.

Stern, N. (2007). The Economics of Climate Change: The Stern Review. Cambridge University Press, 2007.

United Nations. The future we want. CONFERÊNCIA RIO+20, 2012. http://ww.un.org/disabilities/documents/rio20_outcome_document_complete.pdf. Acessado em 02/06/2017.

UNITED NATIONS. United Nations Framework Convention on Climate Change. Paris Agreement. 2015.

Warren, C., Bienert, S. & Warren-Myers, G. (2009). Valuation and sustainability are rating tools enough? In European Real Estate Society Conference. Stockholm, 2009.

World Resources Institute. Global top 10 greenhouse gas emitters. Disponível em http://www.wri.org/blog/2015/06/infographic-what-do-your-countrys-emissions-look. Acessado em 02/06/2017.

Published

18/11/2023

How to Cite

ANDRADE, D. S. Corporate sustainable development: A historical rescue and a current debate. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 12, p. e101121243214, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i12.43214. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/43214. Acesso em: 26 feb. 2024.

Issue

Section

Exact and Earth Sciences