Diagnosis of child abuse in dental care: An analysis of oral manifestations and indicators of mistreatment

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i12.43846

Keywords:

Oral manifestations; Child abuse; Sexual violence.

Abstract

A literature review was carried out on the diagnosis of child abuse in dental care. This type of study allows the search, evaluation and condensation of available evidence on a given topic to be carried out. Child abuse stands out for its various forms, comprising physical, sexual, emotional abuse, neglect and exploitation, which leave physical and psychological marks, in addition to being a problem with a major impact on society. The dentist is usually the first health professional to detect signs of child abuse because of the orofacial region, which is the most affected, with emphasis on physical and sexual abuse, as they can be present in the head and neck region, presenting as an oral manifestation: STD (sexually transmitted disease) injuries, hemorrhage secondary to fellatio and physical characteristics such as soft tissue ruptures, tooth avulsion, ecchymosis, hematoma and burns. The importance of early diagnosis and compulsory notification is considered and the importance of calling a dentist in this regard is highlighted. The objective of this work is to diagnose signs and symptoms in dental care, as well as guide dental surgeons on recognition and compulsory notification of possible mistreatment.

References

Alves, M. A., Fonseca, B. A. da, Soares, T. R. C., França, A. K. A. de, Azevedo, R. N. de, & Tinoco, R. L. R. (2016). importância do cirurgião-dentista no diagnóstico de abuso sexual infantil – revisão de literatura. rboL- Revista Brasileira de Odontologia Legal, 92–99.

Avelleira, J. C. R., & Bottino, G. (2006). Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. Anais Brasileiros de Dermatologia, 81(2), 111–126.

Barbedo, L.S. & Sgarbi, D.B.G. (2010) Candidíase. DST. Jornal Brasileiro de Doencas Sexualmente Transmissíveis, 22, 22-38.

Brasil. Ministério da Saúde. (2003) Secretaria de Políticas de Saúde. Cadernos de Atenção Básica. Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço/ Cadernos de Atenção Básica, n.8: Série A. Normas e Manuais Técnicos, n.131 Brasília; Ministério da Saúde. (2a ed,), 96.

Bayer, J. H. B., & Brito, J. H. M. (1995). Contribuição ao estudo do abuso infantil na área da odontologia. Rev. Odonto Ciênc, 69–79.

Carvalho, L. M. F., Galo, R., & Silva, R. H. A. da. (2013). O cirurgião-dentista frente à violência doméstica: conhecimento dos profissionais em âmbito público e privado. Medicina 46(3), 297-304.

Carvalho, N. S. de, Silva, R. J. de C., Val, I. C., Bazzo, M. L., & Silveira, M. F. da. (2021). Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: infecção pelo papilomavírus humano (HPV). Epidemiologia E Serviços de Saúde, 30(spe1).

Chaim, L. A. F.; Daruge, E.; & Gonçalves, R. J. (2004). Maus-tratos infantis: Avaliação da capacidade de diagnóstico dos cirurgiões-dentistas. Rev Assoc Paul Cir Dent, 58(1), 42-46.

Cristina, L., & Correia, R. (2013). uma visâo medico-dentaria no diagnostico do abuso sexual em crianças monografia de investigação mestrado integrado em medicina dentária.

Costacurta, M. (2015). Oral and dental signs of child abuse and neglect. Oral & Implantology.

Day, V. P., Telles, L. E. de B., Zoratto, P. H., Azambuja, M. R. F. de, Machado, D. A., Silveira, M. B., Debiaggi, M., Reis, M. da G., Cardoso, R. G., & Blank, P. (2003). Violência doméstica e suas diferentes manifestações. Revista de Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, 25(1), 9–21.

Disque 100 tem mais de 6 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes em 2021. (n.d.). Ministério Da Mulher, Da Família E Dos Direitos Humanos.

Ferreira, C. L. S., Côrtes, M. C. J. W., & Gontijo, E. D. (2019). Promoção dos direitos da criança e prevenção de maus tratos infantis. Ciência & Saúde Coletiva, 24(11), 3997–4008.

Flores, J. A., Ferreira, F. V., Gasparin, A. B., Kaizer, M. da R., & Oliveira, M. O. de. (2006). Manifestações bucais e infecções oportunistas em pacientes HIV positivos no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) - RS. Saúde (Santa Maria), 45–52.

Fukumoto, A. E. C. G., Corvino, J. M., & Neto, J. O. (2011). Perfil dos agressores e das crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Revista Ciência Em Extensão, 7(2), 71–83.

Gomes, R., Junqueira, M. de F. P. da S., Silva, C. de O., & Junger, W. L. (2002). A abordagem dos maus-tratos contra a criança e o adolescente em uma unidade pública de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 7(2), 275–283.

Ikenberg, K., Springer, E., Wolfgang Bräuninger, Kerl, K., Mihic, D., Schmid, S., Schmitt, A., Sibel Yeginsoy, Bode, B., & Weber, A. (2010). Oropharyngeal lesions and cervical lymphadenopathy: syphilis is a differential diagnosis that is still relevant. Journal of Clinical Pathology, 63(8), 731–736.

Krug, E. G., Mercy, J. A., Dahlberg, L. L., & Zwi, A. B. (2002). The world report on violence and health. The Lancet, 360(9339), 1083–1088.

De Lima, R. M., Macedo Poli, L., Macedo Poli, L., São José, F., & São José, F. (2017). A evolução histórica dos direitos da criança e do adolescente: da insignificância jurídica e social ao reconhecimento de direitos e garantias fundamentais. Revista Brasileira de Políticas Públicas, 7(2).

Lima, J. de S., & Deslandes, S. F. (2011). A notificação compulsória do abuso sexual contra crianças e adolescentes: uma comparação entre os dispositivos americanos e brasileiros. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 15(38), 819–832.

Lira, A. G., Sousa, I. P., & Antunes, R. de B. (2022). Abuso infantil: principais manifestações orofaciais e como intervir – revisão da literatura. Revista Cathedral, 4(1), 63–70.

Machado, V. R. (2011). A atual política de acolhimento institucional à luz do estatuto da criança e do adolescente. Serviço Social Em Revista, 13(2), 143.

Martins, C. B. de G., & Jorge, M. H. P. de M. (2010). Maus-tratos infantis: um resgate da história e das políticas de proteção. Acta Paulista de Enfermagem, 23(3), 423–428.

Massoni, A. C. de L. T., Ferreira, Â. M. B., Aragão, A. K. R., Menezes, V. A. de, & Colares, V. (2010). Aspectos orofaciais dos maus-tratos infantis e da negligência odontológica. Ciência & Saúde Coletiva, 15(2), 403–410.

Mello, M. F., Faria, A. A., Mello, A. F., Carpenter, L. L., Tyrka, A. R., & Price, L. H. (2009). Maus-tratos na infância e psicopatologia no adulto: caminhos para a disfunção do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Revista Brasileira de Psiquiatria, 31(suppl 2), S41–S48.

Munayo, M. C. S. (2006). Violência e saúde. Editora FIOCRUZ. Temas em Saúde collection.

Moreira, G. A. R., Vieira, L. J. E. S., Deslandes, S. F., Pordeus, M. A. J., Gama, I. S. & Brilhante, A. V. M. (2014). Fatores associados à notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva. 19 (10), 4267–76.

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília – DF, 2006.

Pasian, M. S., Faleiros, J. M., Bazon, M. R., & Lacharité, C. (2013). Negligência infantil: a modalidade mais recorrente de maus-tratos. Pensando Familias, 17(2), 61–70.

Pascolat, G., Santos, C. de F. L. dos, Campos, E. C. R. de, Valdez, L. C. O., Busato, D., & Marinho, D. H. (2001). Abuso físico: o perfil do agressor e da criança vitimizada. Jornal de Pediatria, 77, 35–40.

Pelisoli, C., Pitaguary, J., Pires, M., Eliete De Almeida, M., Dalbosco, D., & Aglio, D. (2010). Violência sexual contra crianças e adolescentes: dados de um serviço de referência. Sexual violence against children and adolescents: Data from a reference service. 18(1), 85–97.

Reis, A. M., & Labuto, M. M. (2022). Violência infantojuvenil e o papel do cirurgião-dentista na identificação e notificação de maus-tratos. Cadernos de Odontologia Do UNIFESO, 4(2).

Ribas, C. B. da R., Cunha, M. da G. S., Schettini, A. P. M., Ribas, J., & Santos, J. E. B. dos. (2011). Perfil clínico-epidemiológico das doenças sexualmente transmissíveis em crianças atendidas em um centro de referência na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil. Anais Brasileiros de Dermatologia, 86(1), 80–86.

Sampaio, T. R. de C., De Castro, C. C. L. P., Lyra, C. V. V., Barbosa, I. O., De Almeida, L. V., Gurgel, F. C., Monteiro, J. R., & Gomes, A. C. A. (2021). Prevalência do traumatismo dental em crianças vítimas da violência infantil / Prevalence of dental trauma in children victims of child violence. Brazilian Journal of Development, 7(9), 94109–94122.

Santos, M. P. de M., Morais, M. P. L. de A., Fonseca, D. D. D., Faria, A. B. S. de, Silva, I. H. M., Carvalho, A. A. T., & Leão, J. C. (2012). Herpesvírus humano: tipos, manifestações orais e tratamento. Odontologia Clínico-Científica (Online), 11(3), 191–196.

Santos, L. F., Costa, M. M. da, Javae, A. C. R. de S., Mutti, C. F., & Pacheco, L. R. (2019). Fatores que interferem no enfrentamento da violência infantil por conselheiros tutelares. Saúde Em Debate, 43(120), 137–149.

Sesana, A. G. (2022). Papel dos profissionais de saúde no atendimento a vítimas de violência de gênero / Health care professionals’ role in caring for victims of gender-based violence. Brazilian Journal of Health Review, 5(3), 10304–10319.

Schaefer, L. S., Rossetto, S., & Kristensen, C. H. (2012). Perícia psicológica no abuso sexual de crianças e adolescentes. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 28, 227–234.

Souza, C. E. de, Rodrigues, Í. F. M. de M., Zocratto, K. B. F., & Oliveira, C. A. S. de. (2017). Violência infantil e a responsabilidade profissional do cirurgião-dentista ­ revisão de literatura. Rev. Bras. Odontol. Leg. RBOL, [53-63].

UNICEF. História dos direitos da criança. Brasil, 2019.

Welbury, R. R., & Murphy, J. M. (1998). The dental practitioner’s role in protecting children from abuse. 3. Reporting and subsequent management of abuse. British Dental Journal, 184(3), 115–119.

Published

09/11/2023

How to Cite

CARVALHO , M. G. V. de .; PEREIRA, T. F. .; MENDES, C. L. .; ALMEIDA, P. K. G. N. de .; TORRES, E. da S. . Diagnosis of child abuse in dental care: An analysis of oral manifestations and indicators of mistreatment. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 12, p. e14121243846, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i12.43846. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/43846. Acesso em: 22 feb. 2024.

Issue

Section

Review Article