Perception of users with physical deficiency assisted by NASF-AB about your health conditions

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8170

Keywords:

Primary health care; Health conditions; Comprehensive health care; Disable persons.

Abstract

The Expanded Family Health Center (NASF-AB) was created to support the insertion of the Family Health Strategy (ESF) into the service network and expand Primary Health Care (APS) actions in Brazil. The study aimed to investigate the health conditions of users with physical disabilities, who are assisted by NASF-AB in the municipality of the coast of Paraíba. It is a field research of the exploratory and descriptive type, with a qualitative approach. We interviewed 21 users who had some kind of physical disability, where the size of the sample followed the saturation of responses criteria. There was difficulty in access and the need for monitoring (social, health and family) of the users in the APS units, becoming a challenge for a good assistance. Potentialities were observed regarding the positive perception of the users regarding home care and visits made by health professionals, constituting them as facilitators for access to family health. Therefore, there is a need to improve the access of physically disabled users to APS, by the possibility of increasing knowledge about the proposal and organization of NASF-AB and, consequently, optimizing care with health conditions.

References

Albuquerque M. S. V., Lyra T. M., Farias S. F., Mendes M. F. M., Martelli P. J. L. (2014). Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde debate, 38: 182-¬194.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barros J. O., Gonçalves R. M. A., Kaltner R. P., Lancman S., (2015). Estratégia do apoio matricial: a experiência de duas equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 20(9):2847-2856.

Brasil Oliveira A. C., (2013). Promoção de Saúde e Funcionalidade Humana. Rev. Bras Promoção Saúde, Fortaleza, 26(1): 1-4.

Buchalla C. M. A., (2003). Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Acta Fisiátrica, 10(1):29-31.

Camargo B. V., Justo A. M., (2013). IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, 21(2):513-518.

Campos G. W. S., Domitti A. C., (2007). Apoio Matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23(2): 399-407.

Cecilio L. C. O., (2006). As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R.A. (Orgs.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 6.ed. Rio de Janeiro: UERJ, IMS/Abrasco, 115-28.

Diniz, D., (2007). O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, (Coleção Primeiros Passos).

Ferreira T. G., Oliver F. C. A. (2010). Atenção domiciliar como estratégia para ampliação das relações de convivência de pessoas com deficiências físicas. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 21(3): 189‐197.

Fiorati R. C., Elui V. M. C. (2015). Social determinants of health, inequality and social inclusion among people with disabilities. Revista latino americana de enfermagem, 23(2):329-¬336.

Martins K. P., Costa T.F., Medeiros T. M., Fernandes M. G. M., França I. S. X., Costa K. N. F. M. (2016). Internal structure of Family Health Units: access for people with disabilities. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10):3153‐3160.

Matuda C.G., Pinto N. R. S., Martins C. L, Frazão P. (2015). Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciênc. saúde coletiva, 20(8):2511-2521.

Mazzotta M. J. S., D’antino M. E. F. (2011). Inclusão Social de Pessoas com Deficiências e Necessidades Especiais: Cultura, Educação e Lazer. Saúde Soc., (2):377-389.

Medeiros R. H. A. (2015). Uma noção de matriciamento que merece ser resgatada para o encontro colaborativo entre equipes de saúde e serviços no SUS. Physis Revista de Saúde Coletiva, 25(4):1165-1184.

Melo V., Sá S. P. C., Christovam B. P., Carvalho L. R., Teixeira D. Z., (2016). Psicodinâmica do trabalho de um restaurante universitário: Aplicação do software ALCESTE na pesquisa qualitativa. Revista de Enfermagem UFPE on line, Recife, 10(supl.3): 1450-1458.

Ministério da Saúde (Brasil) (2008a). Gabinete do Ministro. Portaria nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Diário Oficial da União, Brasília, 25 jan.

Ministério da Saúde (Brasil), (2010). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência – Brasília : Editora do Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (Brasil), (2008b). A pessoa com deficiência e o Sistema Único de Saúde. 2º. ed. Brasilia -DF: Do Ministério da Saúde, p.16. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pessoa_deficiencia_sus_2ed.pdf>. Acesso em: 25 out. 2018.

Ministério da Saúde (Brasil). (2009a). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. O trabalho do agente comu¬nitário de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (Brasil), (2009b). Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência no Sistema Único de Saúde – SUS. 1º. ed. Brasilia -DF: Do Ministério da Saúde, 36 p. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_pessoa_deficiencia_sus.pdf>. Acesso em: 25 out. 2018.

Organização Mundial da Saúde (OMS), (2012). Relatório Mundial sobre a Deficiência/ World Health Organization, 3e World Bank. Tradução Lexicus Serviços Lingüísticos. São Paulo: SEDPcD.

Pereira R., (2008). Anatomia da diferença: normalidade, deficiência e outras invenções. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Reis D. C., Flisch T. M. P., Vieira M. H. F., Santos-Junior W. S., (2012). Perfil de atendimento de um Núcleo de Apoio à Saúde Família na área de reabilitação, Município de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil, 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(4): 663-674.

Santana J. S., Azevedo T. L., Reichert A. P. S., Medeiros A. L., Soares M. J. G. O., (2015) . Núcleo de apoio à saúde da família: atuação da equipe junto à estratégia saúde da família. Rev. de Pesquisa Cuidado é fundamental Online, 7(2):2362-2371.

Silva, D. S., (2011). Apoio matricial em saúde mental: uma análise sob ótica dos profissionais de saúde da atenção primária. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 6: 20-27.

Silva A., Fossá M., (2017). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Dados em Big Data, 1(1): 23-42.

Sousa A. A. D., Martins A. M. E. B. L., Silveira M. F., Coutinho W. L. M., Freitas D. A., Vasconcelos E. L., Araújo A. M. B., Brito A. M. G., Ferreira R. C., (2018). Qualidade de vida e incapacidade funcional entre idosos cadastrados na estratégia de saúde da família. Disponível em: <http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/06/883996/abcs-health-pdf.pdf>. Acesso em: 23 out. 2018.

Souza F. L. D., Chacur E. P., Martins R. C. C., Silva L. A. M., Góes R. W. L., Vilela W. V. (2013a). Percepções sobre qualidade de vida das usuárias de um núcleo de apoio à saúde da família. Investigação, Franca, 13(3):34-38.

Souza F. L. D., Chacur E. P., Martins R. C. C., Silva L. A. M., Góes R. W. L., Vilela W. V. (2013b). Implantação do núcleo de apoio a saúde da família: percepção do usuário. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, 37(97):233-240.

Published

17/09/2020

How to Cite

BARROS, H. M. de F.; LUCENA , E. M. de F.; LEMOS , N. P. de .; SABINO, R. S. B.; LUCENA , R. N. L. dos S. . Perception of users with physical deficiency assisted by NASF-AB about your health conditions. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e209108170, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8170. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8170. Acesso em: 28 jun. 2022.

Issue

Section

Health Sciences