The report of women victims of domestic violence: a literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8534

Keywords:

Gender violence; Conjugal violence; Qualitative studies; Bibliographic research.

Abstract

This study aimed to analyze qualitative scientific articles that contained reports of women victims of domestic violence. The search was carried out on the CAPES and SciELO journals portal, and 15 studies were selected that met the following inclusion criteria: scientific articles available in full for free; published in the last five years (2015-2019); written in Portuguese; national; peer-reviewed; with a qualitative approach. During the characterization of the studies, it was found that most articles had frequency of publications in the years 2015 and 2019, as well as in journals with a Qualis A2 stratum. The literature review technique was adopted, with a quantitative and qualitative approach and content analysis. After the process of categorizing the studies, 8 thematic categories emerged in which the most frequent was: types of violence (f = 12), with categorical incidence in 12 articles and the least frequent was education (f = 2), with an incidence categorial in 2 articles. Furthermore, the word cloud technique was used, in which the 10 most frequent terms are perceived in the objectives of the articles, the textual corpus of this analysis, the most frequent being: women (f = 15) and violence (f = 15), and the least frequent: attended (f = 3), attendance (f = 3), understanding (f = 3) and history (f = 3). It is emphasized the need to develop new research on the theme to understand the phenomenon of violence against women and the improvement of public policies to face domestic violence.

References

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). Iramuteq: um software gratuito para Análise de Dados Textuais. Temas em psicologia, 21(2), 513-518.

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto-Enfermagem, 15(4), 679-684.

Carneiro, J. B., Gomes, N. P., Estrela, F. M., Santana, J. D. D., Mota, R. S., & Erdmann, A. L. (2017). Violência conjugal: repercussões para mulheres e filhas (os). Escola Anna Nery, 21(4).

Carneiro, J. B., Gomes, N. P., Estrela, F. M., Paixão, G. P. D. N., Romano, C. M. C., & Mota, R. S. (2019). Desvelando as estratégias de enfrentamento da violência conjugal utilizadas por mulheres. Texto & Contexto-Enfermagem, 29.

Carvalho, M. R. S., Gomes, N. P., Santos, M. M.; Estrela, F. M., & Duarte, H. M. S. (2019). Estratégias de enfrentamento da violência conjugal: Discurso de mulheres envolvidas com drogas. Escola Anna Nery, 23(2).

Cleto, M., Covolan, N., & Signorelli, M. C. (2019). Mulheres-mães em situação de violência doméstica e familiar no contexto do acolhimento institucional de seus (as) filhos (as): o paradoxo da proteção integral. Saúde e Sociedade, 28, 157-170.

Couto, T. M., Nitschke, R. G., Lopes, R. L. M., Gomes, N. P., & Diniz, N. M. F. (2015). Cotidiano de mulheres com história de violência doméstica e aborto provocado. Texto & Contexto-Enfermagem, 24(1), 263-269.

Echeverria, J. G. M., Oliveira, M. H. B., & Erthal, R. M. C. (2017). Violência doméstica e trabalho: percepções de mulheres assistidas em um Centro de Atendimento à Mulher. Saúde em Debate, 41, 13-24.

Erdmann, A. L., Marziale, M. H. P., Pedreira, M. D. L. G., Lana, F. C. F., Pagliuca, L. M. F., Padilha, M. I., & Fernandes, J. D. (2009). A avaliação de periódicos científicos qualis e a produção brasileira de artigos da área de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 17(3).

Ferreira, M. M., Pinto, N. A., Cabral, W., Rocha, L. M. L. N., Leite, S. C. C., Façanha, J. C. R. F., & Dias, M. J. S. D. (2019). Violência contra mulher e feminicídio no Maranhão: uma realidade a ser superada. EDUFMA.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Gomes, R., Minayo, M. D. S., & Silva, C. F. R. (2005). Violência contra a mulher: uma questão transnacional e transcultural das relações de gênero. Impacto da violência na saúde dos brasileiros, 117-140.

Gomes, N. P., Diniz, N. M. F., Reis, L. A. D., & Erdmann, A. L. (2015). Rede social para o enfrentamento da violência conjugal: representações de mulheres que vivenciam o agravo. Texto & Contexto-Enfermagem, 24(2), 316-324.

Grossi, P. K., Vincensi, J. G., Almeida, S. M. A. F., & Pedersen, J. R. (2012). Desenvolvimento e igualdade de gênero: avanços e desafios no enfrentamento da violência contra a mulher. Temporalis, 12(23), 153-169.

Guimarães, F. L., & Diniz, G. R. S. (2018). Impactos do livro de uma mulher vítima na vivência de violência conjugal de outras mulheres. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 18(1), 209-229.

Guimarães, R. C. S., da Silva Soares, M. C., dos Santos, R. C., Moura, J. P., Freire, T. V. V., & Dias, M. D. (2018). Impacto na autoestima de mulheres em situação de violência doméstica atendidas em Campina Grande, Brasil. Revista Cuidarte, 9(1), 1988-97.

Higgins, J. P. T., & Green, S. (2011). Cochrane Handbook for Systematic Reviews of Interventions: version 5.1. 0. [Em linha]. The Cochrane Collab oration.

Hoepers, A. D., & Tomanik, E. A. (2019). Construindo sentidos: o grupo como dispositivo de enfrentamento à violência doméstica contra as mulheres. Psicologia & Sociedade, 31.

Koller, S. H. (1999). Violência doméstica: uma visão ecológica. Violência doméstica, 32-42.

Lasalete Calvinho, M., & Ramos, M. N. P. (2014). Violência conjugal contra a mulher, saúde e género-contributos para melhorar as práticas profissionais e as políticas de prevenção da violência. Revista Ambivalências, 2(3), 42-69.

Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. (2006). Brasília, 2006. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: jan. 2020.

Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. (2015). Brasília, 2015. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm. Acesso em: jan. 2020.

Marinho, P. A. S., & Gonçalves, H. S. (2019). Mulheres em situação de violência doméstica: aspectos referentes ao empoderamento feminino. INTERthesis: Revista Internacional Interdisciplinar, 16(2), 1-18.

Mendes, A. M. (2006). Escuta e ressignificação do sofrimento: o uso de entrevista e análise categorial nas pesquisas em clínica do trabalho. In Congresso de Psicologia Organizacional e do Trabalho, (2), 9-22.

Morais, A. M., & Neves, I. P. (2007). Fazer investigação usando uma abordagem metodológica mista. Revista Portuguesa de Educação, 20(2), 75-104.

Moreira, W. (2004). Revisão de literatura e desenvolvimento científico. Janus, 1(1).

Oliveira, P. P. D., Viegas, S. M. D. F., Santos, W. J. D., Silveira, E. A. A. D., & Elias, S. C. (2015). Mulheres vítimas de violência doméstica: uma abordagem fenomenológica. Texto & Contexto-Enfermagem, 24(1), 196-203.

Paixão, G. P. D. N., Gomes, N. P., Diniz, N. M. F., Lira, M. O. D. S. C., Carvalho, M. R. D. S., & Silva, R. S. D. (2015). Mulheres vivenciando a intergeracionalidade da violência conjugal. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(5), 874-879.

Popular, D. (2013). Percepção da sociedade sobre violência e assassinatos de mulheres. São Paulo: Instituto Patrícia Galvão.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico - 2ª Edição. Editora Feevale.

Ramos, M. F. H., Fernandez, A. P. O., Pontes, F. A. R., & Silva, S. S. C. (2016). Caracterização das pesquisas sobre eficácia coletiva docente na perspectiva da teoria social cognitiva. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1), 91-99.

Saffioti, H. I. (2004). A realidade nua e crua. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo, 1ª edição. Editora Fundação Perseu Abramo.

Silva, A. B., & de Oliveira, K. C. N. (2018). Mulheres vítimas de violência doméstica atendidas pelo programa mulheres mil do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão–Campus Codó. REVES-Revista Relações Sociais, 1(3), 0416-0428.

Terra, M. F., d’Oliveira, A. F. P. L., & Schraiber, L. B. (2015). Medo e vergonha como barreiras para superar a violência doméstica de gênero. Athenea Digital. Revista de pensamento e investigação social, 15(3), 109-125.

Zancan, N., Wassermann, V., & Lima, G. Q. D. (2013). A violência doméstica a partir do discurso de mulheres agredidas. Pensando familias, 17(1), 63-76.

Zilberman, M. L., & Blume, S. B. (2005). Violência doméstica, abuso de álcool e substâncias psicoativas. Brazilian Journal of Psychiatry, 27, 51-55.

Published

25/09/2020

How to Cite

SANTANA, C. F. S. P. .; FERNANDEZ, A. P. de O. .; RAMOS, M. F. H. . The report of women victims of domestic violence: a literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e2499108534, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8534. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8534. Acesso em: 28 jun. 2022.

Issue

Section

Review Article