Natural Science teaching and Ethnic-Racial relantionships: a look at the Base Nacional Comum Curricular

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8539

Keywords:

Natural Sciences; Teaching; Ethnic and racial relationships.

Abstract

This work aims to problematize the constitution of the Base Nacional Curricular in the area of Natural Sciences by analyzing the way it approaches the specificities of the education of ethnic-racial relations and if it can guarantee possibilities of teaching those topics in the final years of Elementary School. The reason for the development of the research is centered on the fact that, in order to respect the ethnic diversity, a perspective that problematizes structural aspects and takes into account non-ethnocentric cultural practices is necessary. Since BNCC guides the minimum content to which Brazilian students are entitled to learn, it must present elements that corroborate this position. So, at first, we present the process of elaborating this document. Then, we compare the changes present in BNCC over the three versions and look for the presence of terms that explicitly manifest the racial discussion. Finally, through the Discursive Textual Analysis approach, we try to find possibilities implicit in the texts of the learning objectives and skills that indicate paths for the development of ethnic-racial relations discussion. The results point out that there was a change in the approach among the three versions, the second being the one that most points to a perspective of historical, social and cultural contextualization, however none of them explicitly highlights a discussion about the topic. At last, we could find possibilities implicit in the document, when these are confronted with academic productions that detail elements of the contributions of Sciences to the education of ethnic-racial relations.

References

Almeida, S (2019). Racismo estrutural. São Paulo: Editora Pólen Livros.

Anderson, L. W. et. al. (2001) A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revison of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Nova York: Addison Wesley Longman.

Angeli, T., & Oliveira, R. R. (2016). A utilização do conceito de Racismo Ambiental, a partir da perspectiva do lixo urbano, para apropriação crítica no processo educativo ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 33(2), 51-70.

Bonfim, A. B., & Guelgi, W. P. (2013). A Genética e a Metodologia da Problematização na Reflexão sobre o Preconceito Racial. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Os Desafios da Escola Pública Paranaense na Perspectiva do Professor PDE. Curitiba: SEED/PR.1. (Cadernos PDE). Recuperado de http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_ufpr_cien_artigo_natalia_apolonia_belino_bonfim.pdf. Acesso em 13/09/2020. ISBN 978-85-8015-076-6.

Bordieu, Pierre. Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998

BNCC (2015). Base Nacional Comum Curricular - BNCC - 1a. versão, setembro de 2015. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/relatorios-analiticos/BNCC-APRESENTACAO.pdf

BNCC (2016). Base Nacional Comum Curricular - BNCC - 2a. versão, abril de 2016. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/relatorios-analiticos/bncc-2versao.revista.pdf

BNCC (2017). Base Nacional Comum Curricular – BNCC, versão aprovada pelo CNE, novembro de 2017. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

Castro, M. A. T.(2018). A Evolução Humana na disciplina de Biologia e as Relações Étnico-raciais: aprendizagens a partir de uma intervenção educativa. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação, UFSCar

Compiani, M. (2018). Comparações entre a BNCC atual e a versão da consulta ampla, item Ciências da Natureza. Ciências Em Foco, 11(1). Recuperado de https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9726

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico.

Diefenthaeler, I. B. F. (2013). Das árvores às panelas no fogo: como nos tornamos humanos. Trabalho de conclusão. UFRGS, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Ernandes, M. A. M. (2013). Sabores africanos no Brasil: A presença da culinária africana na dieta alimentar dos brasileiros. Os Desafios da Escola Pública Paranaense na Perspectiva do Professor PDE, 1 (1).

Fadigas, M. D. (2015). Racismo científico como plataforma para compreensão crítica das relações CTS: o estudo de desenvolvimento de uma sequência didática. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós‐Graduação Em Ensino, Filosofia E História das Ciências, UFBA.

Fadigas, M. D., Sepulveda, C., de Souza Morais, J. M., & dos Santos, M. E (2019). Afrofuturismo como plataforma para promoção de relações étnico-raciais positivas no Ensino de Ciências.

Ferreira, G., Campos, M. G. P. A., Pereira, B. L., & Santos, G. B. (2017). A etnobotânica e o Ensino de botânica do Ensino Fundamental: possibilidades metodológicas para uma prática contextualizada. FLOVET, 1(9), 86-101.

Franco, L. G., & Munford, D. (2018). Reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular: Um olhar da área de Ciências da Natureza. Horizontes, 36(1), 158-171. https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i1.582

Furlani, J. (2011). Educação sexual na sala de aula: Relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Goulart, G.(2017) Contos Fantásticos Brasil-Namíbia/Brazil-Namibia Fantastic Tales. Editora Lacre

Krasilchik, M., Marandino, M. (2004). Ensino de Ciências e cidadania. São Paulo: Moderna,

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF

Lei n 13.005, de 25 de junho de 2014 (201). Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília.

Lopes, A. C., & Macedo, E. (2011) Teorias de currículo. São Paulo: Cortez

Marcelino, F. (2019). O menino que descobriu o vento. HOLOS, 8, 1-3. doi:https://doi.org/10.15628/holos.2019.9350

Moraes, R. & Galiazzi, M. C. (2006). Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação, 12(1), 117 – 128.

Moraes, R. & Galiazzi, M. C. (2016). Análise textual discursiva (3a ed.). Ijuí: Rev. e Ampl.

Moreira, I. N. S. (2020). Racismo ambiental como questão bioética para o Ensino de Ciências: construção de uma proposta colaborativa de formação inicial de professores.

Moreira, P. F. D. S. D. (2012). A bioquímica e a Lei Federal 10639/03 em espaços formais e não formais de educação.

Munanga, K. (2015). Por que o racismo e suas práticas e qual é a responsabilidade social que se espera dos profissionais que lidam com as questões da sociedade? Revista Brasileira de Psicologia, 02(núm. esp.), Salvador, Bahia

Oliva, A. R. (2003). A História da África nos bancos escolares: representações e imprecisões na literatura didática. Estudos Afro-Asiáticos, 25(3), 421-461. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-546X2003000300003

Oliveira, A. C. S., & Passos, L. A.(2013). Diálogos Culturais: Saberes Tradicionais e o Conhecimento Científico, Intersecções na Educação.

Rodrigues, J. C. (2016). Por um outro pensar natureza: A relação entre Educação ambiental e a cosmovisão africana em sala de aula. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas) - UFCE, Fortaleza, 2016. Recuperado de http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc /35002/1/2016_tcc_jcrodrigues.pdf

Santos, W. L. P. dos; Mortimer, E. F. (2000) Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem CTS (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 1-23.

Santos, M. P. A. D., Nery, J. S., Goes, E. F., Silva, A. D., Santos, A. B. S. D., Batista, L. E., & Araújo, E. (2020). População negra e Covid-19: reflexões sobre racismo e saúde. Estudos Avançados, 34(99), 225-244.

Scharf, R. (2012). Uma parede contra o deserto. (69), 49.

Silva, C.R.F., Lima, G.A., Alvarenga, M.A.F.M., & Rezende, D.B. (2018). A África como tema para o Ensino de metais: uma proposta de atividade lúdica com narrativas do pantera negra. Revista Eletrônica Ludus Scientiae, 2(2).

Silva, T. T. (2000) A produção social da identidade e da diferença. In: TADEU, T. T. (Org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 73-102.

Silva, T.T. (2005). Documentos de Identidade: Uma introdução às teorias do currículo. (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Verrangia, D.(2008) Impacto do conhecimento científico na vida social: ciência, tecnologia, sociedade e relações étnico-raciais. Olhar: Ciência Tecnologia e Sociedade, São Paulo, 47-56.

Verrangia, D. (2014) Educação Científica e Diversidade Étnico-Racial: O Ensino e a Pesquisa em foco. Interacções, 10 (31), 2-27.

Verrangia, D (2010). Conhecimentos tradicionais de matriz africana e afro-brasileira no Ensino de Ciências: um grande desafio. Revista África e Africanidades, 2 (8).

Verrangia, D., Silva, P. B. G (2010). Cidadania, relações étnico-raciais e educação: desafios e potencialidades do Ensino de Ciências. Educação e Pesquisa, 36 (3),705-718.

Yudge, C. (2018) Tecnologias do Pantera Negra que não estão assim tão longe da realidade. In: Tecmundo [website]. 2018. Recuperado de https://www.tecmundo.com.br/ciencia/127401-tecnologias-pantera-negra-nao-tao-realidade.htm

Published

29/09/2020

How to Cite

OLIVEIRA, B. C. de; LINDNER, E. L. Natural Science teaching and Ethnic-Racial relantionships: a look at the Base Nacional Comum Curricular. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e3379108539, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8539. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8539. Acesso em: 28 jun. 2022.

Issue

Section

Education Sciences