Spirituality and Religiosity in the context of comprehensive care: reflections on comprehensive health and nursing care

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8780

Keywords:

Religiosity; Spirituality; Integrality in health; Nursing care.

Abstract

Spirituality and religiosity have the potential to mobilize specific knowledge and influence the way individuals experience health and disease, adding to Nursing, new models of care and respecting current health policies. The purpose of this article is to reflect on the dimensions of spirituality and religiosity in comprehensive care with a view to apprehending comprehensive health and nursing care. This is a reflective article, for which a search was made for productions dealing with the topic in the Virtual Health Library (VHL) and Pubmed. Thus, it was organized into two thematic blocks: spirituality, religiosity and nursing care; and comprehensive care as a basis for comprehensive health and nursing care in the context of the dimensions of spirituality and religiosity. It is observed that the approach to spirituality and religiosity (E/R) finds fertile ground in the field of health, where it aims to consummate comprehensiveness as a guiding principle of SUS and, simultaneously, the promotion of comprehensive care. Likewise, the integrality of health care is comprehensive, deep and complex, in defining the way the patient or user of the health system should be treated, that is, as a whole. These are not recente and antagonistic issues for health área, ando it is therefore importante to invest effors in the production of new studies and so that they can effectively integrate thes training and daily professionals practise.

Author Biographies

Juliana de Lima Brandão, UERJ

Enfermeira. Mestranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Rio de Janeiro. Brasil.

Antonio Marcos Tosoli Gomes , Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Pós-Doutor em Enfermagem pelo Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor Titular do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica e do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, Brasil.

Diego Bonfante Mota, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeiro. Mestrando em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Rio de Janeiro. Brasil. 

Priscila Cristina da Silva Thiengo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Professora Assistente do Departamento Médico-Cirúrgico da Faculdade de Enfermagem e  Doutoranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Rio de Janeiro, Brasil.   

Mariana Luiza de Oliveira Fleury, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduanda em Enfermagem e Bolsista do Programa de Iniciação Científica da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, Brasil. 

Rachel Verdan Dib, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduanda em Enfermagem e Bolsista do Programa de Iniciação Científica da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, Brasil. 

Charles Souza Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem pela UERJ. Docente do Departamento de Saúde II da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, BA, Brasil. 

Renê dos Santos Spezani, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeiro. Pós doutorando em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professor Adjunto no Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil.

References

Braga, C. G. (1997). Enfermagem transcultural e as crenças, valores e práticas do povo cigano. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 31(3), 498-516. Recuperado em 16 abril 2020 de http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62341997000300011

Brasil (2000). Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Brasília, DF. Recuperado em 16 abril 2020 de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_principios.pdf

Chaves, E. C. L., Carvalho, E. C., Beijo, L. A., Goyatá, S. L. T. & Pillon, S. C. (2011). Eficácia de diferentes instrumentos para a atribuição do diagnóstico de enfermagem Sofrimento espiritual. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 9(4). Recuperado em 10 abril 2020 de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n4/pt_08.pdf

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília, DF. Recuperado em 16 abril 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Damiano, R. F., Costa, L. A., Viana, M. T. S. A., Moreira-Almeida, A., Lucchetti, A. L. G., & Lucchetti, G. (2016). Brazilian scientific articles on “Spirituality, Religion and Health”. Archives of Clinical Psychiatry, 43(1), 11-16. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://dx.doi.org/10.1590/0101-60830000000073

Dias, F. A., Pereira, E. R., Silva, R. M. C. R. A., & Medeiros, A. Y. B. B. V. (2020). Espiritualidade e saúde: uma reflexão crítica sobre a vida simbólica. Research, Society and Development, 9(5), e52953113. Recuperado em 24 setembro 2020 de https://doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3113

Fernandez, J. C. A, Silva, R. A. & Sacardo, D. P. (2018). Religião e saúde: para transformar ausências em presenças. Saúde e Sociedade, 27(4), 1058-1070. Recuperado em 16 abril 2020 de https://doi.org/10.1590/S0104-12902018170757

Gualda, D. M. R. & Hoga, L. A. K. (1992). Estudo sobre Teoria Transcultural de Leininger. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 26(1), 75-86. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://dx.doi.org/10.1590/0080-6234199202600100075

Ienne, A., Fernandes, R. A. Q. & Puggina, A. C. (2018). A espiritualidade de enfermeiros assistenciais interfere no registro do diagnóstico sofrimento espiritual? Escola Anna Nery, 22(1), e20170082. Recuperado em 03 outubro 2020 de https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0082

Koenig, H. G. (2012). Religion, spirituality, and health: the research and clinical implications. International Scholarly Research Network. Recuperado em 06 janeiro 2020 de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3671693/?report=classic

Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990. (1990). Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde – SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 16 abril 2020 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8142.htm

Lei Orgânica de Saúde no 8.080, de 19 de setembro de 1990. (1990). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação de saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e da outras providencias. Brasília, DF. Recuperado em 16 abril 2020 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

Longuiniere, A. C. F., Yarid, S. D. & Silva, E. C. S. (2018). Influência da religiosidade/espiritualidade do profissional de saúde no cuidado ao paciente crítico. Revista Cuidarte, 9(1), 1961-1972. Recuperado em 06 janeiro 2020 de https://doi.org/10.15649/cuidarte.v9i1.413

Lucchese, F. A & Koenig, H. G. (2013). "Religion, spirituality and cardiovascular disease: research, clinical implications, and opportunities in Brazil". Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, 28(1), 103-128. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-76382013000100015

Lucchetti, G., Lucchetti, A. L. G. & Avezum Jr., A. (2011). Religiosidade, Espiritualidade e Doenças Cardiovasculares. Revista Brasileira de Cardiologia, 24(1), 55-57. Recuperado em 10 abril 2020 de http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2011_01/a_2011_v24_n01_07giancarlo.pdf

Lucchetti, G., Lucchetti, A. L & Vallada, H. (2013). Measuring spirituality and religiosity in clinical research: a systematic review of instruments available in the Portuguese language. São Paulo Medical Journal, 131(2), 112-122. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802013000200112

Mattos, R. A. (2001). Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In R. A Mattos & R. Pinheiro (Org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde (39-64). Rio de Janeiro: IMS ABRASCO.

Mattos, R. A. (2004). A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cadernos de Saúde Pública, 20(5), 1411-1416. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500037

Mendes, E.V. (1996). Uma Agenda para a Saúde. São Paulo: HUCITEC, p. 62.

Menezes, T. M. O. (2017). Dimensão espiritual do cuidado na saúde e enfermagem. Revista Baiana de Enfermagem, 31(2), e22522. Recuperado em 10 abril 2020 de https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/22522/14622

Miqueletto, M., Silva, L., Figueira, C. B., Santos, M. R., Szylit, R. & Ichikawa, C. R. F. (2017). Espiritualidade de Famílias com um ente querido em situação de final de vida. Revista Cuidarte, 8(2), 1616-27. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.391

Moura, M. A. V., Chamilco, R. A. S. I. & Silva, L. R. (2005). A teoria transcultural e sua aplicação em algumas pesquisas de enfermagem: uma reflexão. Escola Anna Nery, 9(3), 434-440. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452005000300012

Moreira-Almeida, A., Koenig, H. G. & Lucchetti, G. (2014). Clinical implications of spirituality to mental health: review of evidence and practical guidelines. Revista Brasileira de Psiquiatria, 36(2), 176-182. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462014000200176

Moreira-Almeida, A. & Lucchetti, G. (2016). Panorama das pesquisas em ciência, saúde e espiritualidade. Ciência e Cultura, 68(1), 54-57. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v68n1/v68n1a16.pdf

Moreira-Almeida, A. & Stroppa, A. (2012). Espiritualidade e saúde mental: o que as evidências mostram?. Revista Debates em Psiquiatria, 2, 34-41.

Müller, C., Araujo, V. & Bonilha, A. (2007). Possibilidade de inserção do cuidado cultural congruente nas práticas de humanização na atenção à saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, 9(3), 858-865. Recuperado em 06 janeiro 2020 de https://doi.org/10.5216/ree.v9i3.7513

Nanda-I. (2018). Diagnósticos de enfermagem da NANDA-I: definições e classificação 2018-2020 (11a ed.). Porto Alegre: Artmed, p. 721.

Paim, J. S. (2009). O QUE É SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Pargament, K. I., Koenig, H. G., Tarakeshwar, N. & Hahn, J. (2001). Religious struggle as a predictor of mortality among medically ill elderly patients: a 2-year longitudinal study. Archives of Internal Medicine, 161, 1881-1885. Recuperado em 06 janeiro 2020 de https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/751558

Précoma, D. B., Oliveira, G. M. M., Simão, A. F., Dutra, O. P., Coelho, O.R., Izar, M. C. O. et al. (2019). Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Recuperado em 06 janeiro 2020 de http://publicacoes.cardiol.br/portal/abc/portugues/aop/2019/aop-diretriz-prevencao-cardiovascular-portugues.pdf

Ramos, R. S. (2007). Análise do arcabouço teórico-jurídico do Sistema Único de Saúde: representações sociais na construção dos princípios éticos-organizativos. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Rangel, R. F., Backes, D. S., Ilha, S., Siqueira, H. C. H., Martins, F. D. P. & Zamberlan, C. (2017). Cuidado integral: significados para docentes e discentes de enfermagem. Revista Rene, 18(1), 43-50. Recuperado em 04 outubro 2020 de http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/18866/29599

Rego, S. & Palacios, M. (2020). Saúde mental dos trabalhadores de saúde em tempos de coronavírus. Informe ENSP, 30 de março de 2020. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/Fundação Oswaldo Cruz. Recuperado em 16 abril 2020 de https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/40659/2/Sa%c3%badeMental.PDF

Silva, E. S., Lins, G. A. & Castro, E. M. N. V. (2017). Historicidade e olhares sobre o processo saúde-doença: uma nova percepção. Revista Sustinere, 4(2), 171-186. Recuperado em 06 janeiro 2020 de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/sustinere/article/view/25976/19514

Sousa, S. M., Bernardino, E., Crozeta, K., Peres, A. M. & Lacerda, M. R. (2017). Cuidado integral: desafio na atuação do enfermeiro. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(3), 504-510. Recuperado em 06 janeiro 2020 de https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0380

Souza, R. R. (2001). A Regionalização no Contexto Atual das Políticas de Saúde. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, 2(6), 451-455. Recuperado em 16 abril 2020 de https://doi.org/10.1590/S1413-81232001000200014

Vianna, A. C. A. & Crossetti, M. G. O. (2004). Movimento entre cuidar e cuidar-se em UTI: uma análise através da teoria do cuidado transpessoal de Watson. Revista Gaúcha de Enfermagem, 25(1), 56-69. Recuperado em 06 janeiro 2020 de https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/23539/000439863.pdf?sequence=1&locale-attribute=pt_BR

Xavier, E. C. L., Correa Júnior, A. J. S., Carvalho, M. C., Lima, F. R., & Santana, M. E. (2019). Diagnósticos de Enfermagem em cuidados paliativos oncológicos segundo Diagrama de Abordagem Multidimensional. Enfermagem em Foco, 10(3), 152-157. Recuperado em 10 abril 2020 de http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/2109

Waldow, V. R. (1998). Cuidado humano: o resgate necessário. Porto Alegre: Sagra Luzzato.

World Health Organization (WHO). (2020). Report of the WHO China Joint Mission on Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). Genebra. Recuperado em 04 outubro 2020 de https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/who-china-joint-mission-on-covid-19-final-report.pdf

Published

07/10/2020

How to Cite

BRANDÃO, J. de L.; GOMES , A. M. T.; MOTA, D. B.; THIENGO, P. C. da S.; FLEURY, M. L. de O.; DIB, R. V.; SANTOS, C. S.; SPEZANI, R. dos S. Spirituality and Religiosity in the context of comprehensive care: reflections on comprehensive health and nursing care. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e5499108780, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8780. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8780. Acesso em: 26 jun. 2022.

Issue

Section

Health Sciences