Criticism of historiographical representations about state professional education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8798

Keywords:

History of education; Professional education; Professional school for men.

Abstract

This article notes the precariousness of research on the history of state professional education, with regard to the collection and critic of sources, taking as an example the Escola Profissional Masculina da Capital (São Paulo). Founded in 1911 to qualify and nationalize the workforce, and directed for 23 years by the educator Aprigio Gonzaga, its contribution remains associated with backward and empirical procedures. The creation of the Superintendence of Professional Education in 1934  is considered the ground zero of this teaching, for reformulating it according to guidelines of the Rational Labor Organization.  São Paulo Public Education Survey, carried out by Fernando de Azevedo, in 1926, was one of the strategies responsible for the consensus; therefore, it will be analyzed in this article.

References

Antonacci, M. A. (1993). A vitória da razão (?). O IDORT e a sociedade paulista. São Paulo: Marco Zero / MCT – CNPq.

Arquivo Gustavo Capanema (1934). Aptidão profissional, 7/03/1934.

Arquivo Gustavo Capanema (1934): GC 34.0734, doc 1 e 2. P/ 239/ 54362/ 83 (cedido pelo CPDOC/ FGV ao SENAI – São Paulo, em 10 de junho de 1980.

Azevedo, F. (1957). A educação na encruzilhada: inquérito para o jornal O Estado de São Paulo (1926). 3ª edição, São Paulo: Melhoramentos.

Carvalho, M. M. C. (1988). A configuração da historiografia educacional brasileira. In Freitas, M. C. (Org). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto.

Carvalho, M. M. C. (1997). História da Educação, notas em torno da questão de fronteiras. Educação em Revista. Belo Horizonte, MG, (26), dez.

Carvalho, M. M. C. (n.d). Educação popular e reformas da instrução pública no Brasil na década de 1920, mimeografado, pp. 1 - 36.

Carvalho, M. M. (1999). O novo, o velho, o perigoso: relendo a cultura brasileira. Cadernos de pesquisa (71), Fundação Carlos Chagas.

Cunha, L. A. (2000). O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo: UNESP, Brasília: Flacso, 2000.

Estado de São Paulo/Legislativo. (1925). Coleção de Leis do Estado de São Paulo: Decreto nº 3858, de 11 de junho de 1925.

Fausto, B. (1977). Trabalhador urbano e conflito social. São Paulo: Difel.

Foucault, M. (1973). Entrevista. Cadernos: PUC-RIO, s/nº.

Gandini, R. (1995). Intelectuais, estado e educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 1944 – 1952. São Paulo: UNICAMP.

Marques, S. M. L. (2003). Escola Profissional Masculina da Capital (São Paulo): um estudo sobre o slojd educacional (1911 – 1934) (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Mate, M. C. H. (1991). Dimensões da educação paulista nos anos 20: inquirindo, reformando, legislando uma escola nova. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Miceli, S. (1979). Intelectuais e classe dirigente no Brasil 91920 – 1945). São Paulo / Rio de Janeiro: Difel.

Monarcha, C. (1989). A reinvenção da cidade e da multidão: dimensões da modernidade brasileira: a Escola Nova. São Paulo: Cortez.

Moraes, C. S. V. (1990). A socialização da força de trabalho: instrução popular e qualificação profissional no Estado de São Paulo – 1873 a 1934 (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Nagle, J. (2001). Educação e sociedade na Primeira República. (2.ed.). Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

Rago, M. (1985). Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Brasil: 1890 – 1930. (2. ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ribeiro, M. A. R. (1986). Qualificação da força e trabalho: a experiência das Escolas Profissionais do Estado de São Paulo (1911 – 1942). In Gitay, M. L. C., Ribeiro, M. A. R., & Caetano, C. G. Trabalhadores urbanos e ensino profissional. Campinas, SP: Editora da UNICAMP.

Simão, A. (1966). Sindicato e Estado. São Paulo: Difel.

Toledo, M. R. A. (1995). Fernando de Azevedo e a cultura brasileira ou as aventuras e desventuras do criador e da criatura (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Warde, M. J. (1990). Contribuições da História para a Educação. Em aberto. Brasília: INEP, 9(47), jul/set, 1990.

Published

29/09/2020

How to Cite

MARQUES, S. M. L. Criticism of historiographical representations about state professional education . Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e3439108798, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8798. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8798. Acesso em: 18 aug. 2022.

Issue

Section

Education Sciences