The coordinators' perception of undergraduate accounting education: an analysis based on the duality of instrumental and substantive reasons

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9229

Keywords:

Accounting; Accounting education; Instrumental rationality; Substantive rationality.

Abstract

Accounting education in Brazil has undergone several changes. Both in the period when it was held in the so-called “trade classes” as well as the moment that it started to be considered a higher education course, several subjects were removed from its curricular matrix that allowed access to knowledge beyond the purely accounting. In this context, this research aims to analyze the preponderance of Instrumental Rationality or Substantial Rationality in the construction of the knowledge of the future accounting professional by the perceptions of the coordinators of the undergraduate course in Accounting Science of a public higher education university, located in the Metropolitan Region of Rio de Janeiro, and the consonance of these with the Pedagogical Project of the course. In order to fulfill the proposed objective, a single case study was used in the unit of analysis, the presential course in Accounting offered by the institution. Data collection was carried out through semi-structured interviews with the coordinators, covering, in general, the curricular matrix used in the course. The collected data were analyzed using the technique called “Discourse of the Collective Subject”. It was found that the subjects of the research consider, in general, instrumental disciplines as being the most relevant for the formation of the future professional of accounting for being more pertinent for the market, a scenario that reflects the primacy of Instrumental Rationality in the scope of the course of Accounting Sciences.

References

Barros, M. J. F. D., & Passos, E. S. (2000). Remando a favor da maré: racionalidade instrumental no curso de administração de empresas. Organizações & Sociedade, 7(19), 161-174.

Bellucci, C. F. (2015). Tensão entre racionalidades (instrumental e substantiva) em paralelo a formas de cultura organizacional: um estudo de caso em escola básica de tempo integral (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/135788.

Decreto nº. 20.158, de 30 de junho de 1931. (1931). Organiza o ensino comercial, regulamenta a profissão de contador e dá outras providências. Recuperado de: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-20158-30-junho-1931-36778-republicacao-81246-pe.html.

Decreto nº. 9.295, de 27 de maio de 1946. (1946). Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guarda-livros, e dá outras providências. Recuperado de: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-9295-27-maio-1946-417535-norma-pe.html.

Cavalcanti, M. C. M. (2016). A expansão do ensino superior à distância no IFPB: um estudo da implantação do Curso de Administração Pública no âmbito do Programa Nacional de Administração Pública-PNAP (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21428.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2019). Relação de Cursos Recomendados e Reconhecidos. Recuperado de: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/listaPrograma.jsf.

Creswell, J. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Rio de Janeiro: Penso Editora.

Espejo, M. M. D. S. B., Frezatti, F., Cruz, A. P. C., & Costa, F. (2010). Uma abordagem institucional do subjetivismo responsável na adoção das normas internacionais de contabilidade: uma análise crítico-reflexiva sobre os inibidores à convergência no Brasil. Estudos do ISCA, (2), n. 2, p. 1- 23.

Ferreira Jr, A., & Bittar, M. (2008). Educação e ideologia tecnocrática na ditadura militar. Cadernos Cedes, 28(76), 333-355.

Fischborn, N. H., & Jung, C. F. (2012). Perfil e expectativas de alunos de Ciências Contábeis e a relação com as demandas do mercado. Revista Eletrônica do Curso de Ciências Contábeis, 1(1).

Goveia, L. (2009). Ensino superior público e privado no Brasil e no Chile desde as reformas educacionais de 1968 e de 1981 até a década de 2000: financiamento, acesso e desigualdade (Dissertação de mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Recuperado de: http://repositorio.unb.br/handle/10482/7108.

Guerreiro Ramos, A. (1981). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Homero, P. F. (2017). Paradigma e ordem do discurso da pesquisa contábil brasileira. Advances in Scientific and Applied Accounting, 10(1), 039-053.

Iudícibus, S. (2006). Teoria da Contabilidade (8a ed.). São Paulo: Atlas.

Lefevre, F., Lefevre, A. M. C. (2012). Pesquisa de representação social: um enfoque qualiquantitativo (2a ed.). Brasília: Liber Livro.

Leite, C. E. B. (2005). A evolução das Ciências Contábeis no Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora.

Lima, L. C., Amorim, W. A. C., & Fischer, A. L. (2015). Da Racionalidade Instrumental para a Substantiva: explorando possibilidades da Gestão De Clima Organizacional. Teoria e Prática em Administração, 5(1), 159-182.

Lourenço, R. L., & Sauerbronn, F. F. (2016). Revistando possibilidades epistemológicas em contabilidade gerencial: em busca de contribuições de abordagens interpretativas e críticas no Brasil. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(28), 99-122.

Malusá, S., Melo, G. F., Miranda, G. J., & Arruda, D. E. P. (2015). Ensino superior: concepções de pedagogia universitária no curso de ciências contábeis. Revista Educação e Cultura Contemporânea, 12(27), 289-319.

Miranda, G. J. (2010). Docência universitária: uma análise das disciplinas na área da formação pedagógica oferecidas pelos programas de pós-graduação stricto sensu em Ciências Contábeis. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 4(2), 81-98.

Murcia, F. C. D. S., Murcia, F. D. R., Rover, S., & Pfitscher, E. D. (2015). Accounting undergraduate curriculum: a comparison between Brazil, the USA and the UK. International Journal of Auditing Technology, 2(3), 269-287.

Oliveira, T. C., Cruz, C. F., & Bufoni, A. L. (2019). A percepção de docentes acerca da contribuição da filosofia para a formação do contador no Brasil sob a vigência das Financial Reporting Standards (IFRS). Revista Contemporânea de Contabilidade, 16(41), 44-62.

Paulo, E., Carvalho, L. N. G., & Girão, L. F. D. A. P. (2014). Algumas questões sobre a normatização contábil baseada em princípios, regras e objetivos. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 2(2), 24-39.

Rezende, T. G. D., Carvalho, M. D. S., & Bufoni, A. L. (2017). Estudo comparativo entre o currículo mundial e os currículos dos cursos de ciências contábeis em IES federais do estado do Rio de Janeiro. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 12(3), 88-105.

Saes, F. A. M., & Cytrynowicz, R. (2001). O ensino comercial na origem dos cursos superiores de economia, contabilidade e administração. Revista Álvares Penteado, 3(6), 37-59.

Santos, M. P. A. (2016). Resgate da memória contábil no estado de Goiás. In Conselho Federal de Contabilidade. Resgate da memória contábil nos estados (pp. 282-318). Brasília: CFC. Recuperado de: https://cfc.org.br/wp-content/uploads/2016/08/resgate.pdf.

Schmidt, P., & Santos, J. L. (2006). História do pensamento contábil. Rio de Janeiro: Atlas.

Serva, M. (1997). A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de administração de empresas, 37(2), 18-30.

Severino, A. J. (2018). Docência universitária: a pesquisa como princípio pedagógico. Revista @mbienteeducação, 2(1), 120-128.

Silva, M. R., Pereira, R. S, Silveira, J., & Pires, G. L. (2019). Manifesto: “Não toque nas universidades”;“a Filosofia é um esporte de combate”; e “que vivan los Estudiantes”. Motrivivência, 31(58), 1-16.

Souza, G. C. D., & Ornelas, A. L. (2015). Alberto Guerreiro Ramos e a autonomia dos estudos organizacionais críticos brasileiros: escorços de uma trajetória intelectual. Cadernos EBAPE. BR, 13(3), 438-461.

Tauchen, G., & Fávero, A. (2011). O princípio da indissociabilidade universitária: dificuldades e possibilidades de articulação. Linhas críticas, 17(33), 403-419.

Trombetta, M. R., & Cornacchione, E. B. (2005). Um estudo empírico da percepção dos alunos de Contabilidade sobre as habilidades de comunicação adquiridas na graduação. Revista Brasileira de Contabilidade, (152).

Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Published

25/10/2020

How to Cite

OLIVEIRA, T. C. de .; CARVALHO, M. da S.; SIQUEIRA, J. R. M. de. The coordinators’ perception of undergraduate accounting education: an analysis based on the duality of instrumental and substantive reasons. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e9139109229, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.9229. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9229. Acesso em: 17 aug. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences